Fresca? Não! Bem criada.

Tag: colunistas da anita

17
out

Genebra moderna: atrações imperdíveis!

Genebra foi a cidade eleita como O melhor destino da Europa para descansar em 2015; pelo World Travel Awards (WTA), considerado o Oscar do turismo. Este é o segundo ano consecutivo em que a cidade ganha o prêmio. E eu sou prova de que Genebra é mesmo uma daquelas cidades que estão na categoria das imperdíveis, das que você precisa conhecer um dia. Digo isso porque Genebra simplesmente tem tudo. Consegue ter características de cidade grande e pequena ao mesmo tempo, tem o centro histórico e a parte moderna da cidade, tem um lago enorme e muito bem aproveitado pelos locais, tem mil restaurantes e cafés, tem museus, tem ótimos passeios de bate-volta, e mais uma infinidade de opções para todos os gostos.

O difícil vai ser conseguir tempo para fazer tudo que dá vontade! Pensando em otimizar seu tempo, separei as atrações imperdíveis de Genebra para você se programar. E, para que os posts não fiquem gigantes, vou primeiro destacar as principais atrações da parte moderna da cidade. Deixo para apresentar o centro histórico no próximo post!

Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN)

A visita ao CERN é um passeio único, que você só pode fazer em Genebra, pois não tem nada parecido em nenhum outro lugar do mundo!

No CERN, físicos e engenheiros investigam a estrutura fundamental do universo. Eles usam os mais
complexos instrumentos científicos do mundo para estudar os componentes básicos da matéria – as partículas fundamentais. As partículas são feitas para colidir em conjunto quase alcançando a velocidade da luz. O processo dá os físicos pistas sobre como as partículas interagem, e fornece insights sobre as leis fundamentais da natureza. Os instrumentos utilizados são aceleradores de partículas. Fundado em 1954, o laboratório CERN situa-se na fronteira franco-suíça.

É no CERN que está o Large Hadron Collider (LHC), o maior e mais poderoso acelerador de partículas do mundo, que começou a funcionar em 10 de setembro de 2008. Se você for aficcionado pelo assunto, sugiro fazer uma visita guiada pelo laboratório, que, inclusive, é gratuita. Para mais informações sobre a visita guiada, você pode clicar aqui.

A visita ao CERN é muito interessante! Você sai de lá filosofando sobre o big bang, o início e a composição do universo, os avanços da ciência e da tecnologia, entre muitos outros temas. Vale muito a pena!

Endereço: CERN CH-1211 Geneva 23

Palais des Nations

Construído entre 1929 e 1936, o Palais des Nations abriga a sede europeia das Nações Unidas. O Palais é a
segunda maior sede da ONU, sendo a primeira a de Nova York. Está situado no Parc de larjan e está aberto para visitação diariamente. Também oferece passeios guiados.

Na frente do prédio das Nações Unidas, na Place des Nations, está a icônica peça de arte, Broken Chair
(Cadeira Quebrada). Construída pelo renomado escultor Daniel Berset em 1997, a escultura tem por objetivo lembrar ao mundo a situação das vítimas de minas terrestres e incentivar os Estados a comprometerem-se a assinar o Tratado de Ottawa para a proibição das minas. Para ilustrar essa mensagem, a cadeira tem apenas três pernas e a quarta está quebrada na metade.

Endereço: Avenue de la Paix 14 12o2 Geneva

Jet D’eau

O jato de água mais elegante do mundo está em Genebra! E deixa o lago da cidade ainda mais bonito!

Originalmente, lá pelos idos de 1891, o Jet D’eau era somente uma válvula de segurança de certa fábrica
hidráulica. Mas a partir de 1951, com uma estação própria de bombeamento, 500 litros de água sobem a uma velocidade de 200 km/h por segundo e alcançam 140 metros de altura. Desde o início, o Jet D’eau enfeita ocentro do cais de Genebra e atualmente é uma atração turística.

Endereço: Quai Gustave Ador 1207 Genève

Bains de Pâquis

Bem ali no calçadão da Quai du Mont Blanc, estão os famosos Bains de Pâquis. É justamente aí que os
locais se encontram para tomar sol, nadar, fazer sauna, banho turco, massagem, entre outras atividades.

Endereço: Quai du Mont-Blanc 30 CH – 1201 Genève

Relógio florido

O relógio, localizado na esquina do Jardin Anglais, foi criado pela primeira vez em 1955, e contém
aproximadamente 6.500 flores e plantas. O ponteiro dos segundos tem 2,5 metros de largura, sendo
considerado o maior do mundo. Além disso, o relógio marca as horas com a típica precisão suíça, por meio de satélite!

Museu de História Natural

Eu sou totalmente suspeita para falar porque adoro Museu de História Natural! Provavelmente o de Genebra não seja tão gigante quanto o de Nova York, mas ainda são 8.000 m2 de exposições e vale o passeio! De qualquer forma, esse é o maior Museu de História Natural da Suíça. A coleção do Museu está dividida em quatro etapas que apresentam o mundo fascinante dos minerais, da fauna regional, dos mamíferos e pássaros do mundo, dos batráquios e insetos, bem como da evolução do Homem.

Endereço: Route de Malagnou 1 – 1208 Genève

Para saber mais sobre Genebra, fique ligado no próximo post sobre o centro histórico da cidade. E, se você quiser conhecer outras cidades da Suíça, veja o Teoria da Viagem !

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

22
ago

Miami, top 5!

Miami é um destino super queridinho dos brasileiros. Arrisco dizer que essa procura sempre constante pela cidade provavelmente deve-se ao fato de que o clima é bem parecido com o nosso, além de não ser tão distante assim. Apesar de já ter ido quatro vezes, confesso que Miami não está na lista dos meus destinos preferidos (amo um climinha europeu), mas reconheço que tem muita coisa interessante para fazer por lá. E para quem curte muito praias e compras é impossível não aproveitar. Voltei de Miami recentemente e bateu a vontade de compartilhar meus lugares preferidos com vocês.

 

1 – Malibu Farm Miami

Inaugurado em abril desse ano (2018), O Malibu Farm é o meu restaurante predileto em Miami por dois motivos: além de ficar na frente da praia, o restaurante adota o estilo “farm-to-table” (da fazenda para a mesa). Isso significa que a ordem da casa é servir alimentos “frescos, orgânicos e produzidos localmente”. Coisa rara de se encontrar, sobretudo nos Estados Unidos.

Sob o comando da chef Helene Henderson, cuja experiência escandinava influenciou sua culinária ao longo da carreira, o restaurante aposta na diversidade de pratos para agradar gregos e troianos, ou veganos e carnívoros. Eu experimentei o Chicken Ricotta Burguer e AMEI!

O restaurante está localizado na famosinha Collins Avenue, dentro do Hotel Eden Roc. Se você for de carro, não se preocupe, tem valet no local.

Endereço: Eden Roc Miami Beach, 4525 Collins Ave., Miami Beach.

 

2 – Brickell City Centre

Se, porventura, eu precisasse morar em algum lugar de Miami (e tivesse cacife para isso), certamente seria no Brickell City Centre (BCC para os íntimos). O empreendimento nada mais é do que uma mistura de unidades residenciais localizadas em um shopping mega ultra super moderno e escandaloso de lindo. Tem que conhecer!

Uma vez no Brickell, não deixe de dar aquela conferida no La Centrale, um food hall italiano, onde você vai encontrar mercado, restaurantes informal e sofisticado, cafeteria, sorveteria, chocolateria e bar, divididos em nada mais nada menos do que 3 andares.

Endereço: La Centrale at Brickell City Centre, 601 South Miami Ave, Miami.

 

3 – Miami Design District

O Miami Design District é um complexo moderno de lojas bem estilosas situadas em ruas contíguas do centro da cidade. O complexo é considerado uma vizinhança criativa dedicada à moda, design, arte, arquitetura, e gastronomia. E, realmente, faz jus à fama. Se você quiser aquela foto mega instagramável, dá uma olhadinha nesse link aqui.

No andar de cima do Miami Design District, você encontra o St. Roch Market – complexo gastronômico que engloba 12 conceitos dirigidos por vários chefs. As opções vão desde café artesanal e sobremesas veganas a sanduíches vietnamitas, açaí, massas frescas, risotos, tacos, opções israelenses, entre muitas outras opções. No St. Roch também tem um prato bem comum no Havaí, o poke bowl,  ideal para quem é fã de peixe cru.

Endereço: 3841 NE, 2ND Avenue, Miami.

 

4 – Bal Harbour Shops

Um dos shoppings mais distintos e classudos de Miami, o Bal Harbour não pode ficar de fora da minha lista de preferidos! Com certeza, um passeio muito agradável para o fim de tarde que não pode faltar em uma viagem para Miami!

Endereço: 9700 Collins Ave, Bal Harbour, Miami.

 

5 – Area 31

Para o visual mais incrível da noite de Miami, dê uma conferida no Area 31, rooftop do Hotel Kimpton Epic.

Endereço: 16, 270 Biscayne Boulevard Way, Miami.

 

Bom, são esses os meus lugares preferidos em Miami e espero que você tenha gostado! Mas, antes de finalizar, preciso deixar dois alertas importantes aqui. O primeiro é que tem tubarões nas praias de Miami. Eu e minha família não sabíamos disso e tomamos um grande susto quando um deles chegou muito, muito, perto da gente. Dizem que são bebês e não atacam, mas não dá para confiar, né? O segundo alerta é para quem vai alugar carro. Jamais estacione naquelas plazas (pequenos centros comerciais) e vá para outro lugar, como a praia, por exemplo. Se você fizer isso, é guincho na certa. E para tirar o carro não sai menos do que duzentos dólares. Portanto, preste atenção, pois ainda que não tenha placa informando sobre essa proibição é assim que funciona.

 

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

01
ago

Algumas coisas que eu diria a uma estudante de moda

Bom, eu acabei de me formar como Designer de Moda. Foram quatro anos malucos, de muito amadurecimento e de muitas dúvidas também. No final desse ciclo e daqui pra frente a gente leva uma bagagem enorme de aprendizados.

Mas eu não me refiro somente ao que a academia me proporcionou. Quando eu falo em aprendizados, eu falo também sobre o que minha mãe chama de “maldade pra vida”, aqueles ensinamentos que não estão nos livros e que apenas na vivência diária é que assimilamos.

Olhando pra trás eu consigo concluir tranquilamente que a Elisa que entrou na faculdade em 2014 não é a mesma Elisa que chorou aliviada depois de apresentar um tcc. De lá pra cá foram alguns quilos a mais, algumas toneladas de dúvidas e uma leveza adquirida depois de muitas reflexões pesadas.

E se hoje eu encontrasse aquela menina avoada e deslumbrada com o inicio do curso, eu daria a ela os seguintes conselhos:

Sabe aqueles filmes que você decidiu assistir só porque eram clássicos do cinema e nem tinham muito a ver com o seu gosto? Sabe aquelas tardes assistindo vídeo show e escutando sobre novelas antigas? Sabe aquele álbum da Xuxa que você ouviu até arranhar? Então, eles vão fazer todo o sentido quando você começar a ter suas primeiras aulas de Produção de Moda e Fotografia!

Coletar referências visuais e culturais sobre tudo, talvez seja a coisa mais importante a se fazer para continuar alimentando sua criatividade! Entender de filmes, de exposições, de movimentos, transitar entre assuntos que não são da sua área…Tudo isso vai contribuir como um diferencial na hora de criar uma imagem de moda e de entender comportamentos que possam vir a virar tendência.

Uma coisa é certa, a universidade oferece a base do que precisamos para entender a nossa área, mas ela não nos entrega isso de bandeja e nem nos apresenta um todo. É necessário que paralelamente ao curso, você siga buscando conhecimento por fora. Frequente palestras, se matricule em cursos de curta temporada, assista aos desfiles, conheça pessoas!

O que você precisa academicamente está lá na universidade, mas as vivências que direcionarão seus gostos e opiniões serão formadas nas ruas, nos estágios e pelo mundo a fora. Tenha como mantra que nenhum conhecimento tira pedaço, apenas agrega!

Muitas colegas suas vão entrar no curso ávidas pela prática. Sim, as aulas de desenho são incríveis, costurar é muito terapêutico e criar roupas dá um orgulho danado. Mas eu sei que você se preocupa com a essência das coisas. Sei que você não acredita na mercadoria pela mercadoria.

Então, aproveita pra se jogar também nas aulas teóricas! Moda é muito mais do que peças bonitas para usar por aí. Fique atenta quando o assunto for filosofia, semiótica, marketing, história, etc…você entende que esses campos do saber explicam muito do que somos hoje e do que seremos amanhã, então desfrute ao máximo!

Você vai precisar e consequentemente começará a olhar as coisas com o olhar de quem faz e não de quem compra. Esse exercício vai te fazer querer rever todas aquelas referências lá de cima e isso vai te instigar ainda mais a querer entender sobre comportamentos de consumo.

Naturalmente você vai sair do palco (não 100% porque você é ariana) e vai se encantar pelo backstage! E toda vez que você estiver ali, no desfile, na aula, na monitoria, o papel de ouvinte será muito mais interessante do que o papel de protagonista.

Ah, essa é uma outra questão que vai mudar bastante pra você! O papel principal nem sempre é seu. Existem contextos, causas e lutas que são de outras pessoas e somente delas. Você vai entender que seu lugar ali é de escuta e que sempre que a vida te permitir, você vai dar o lugar de fala a elas! Isso vai te fazer crescer!

Ao final dessa jornada maluca você vai reforçar o que sempre percebeu: Moda não tem muito a ver com aquele esteriótipo de futilidade que muitos colocaram por aí. Fazer roupa, imagens e produtos tem muito mais a ver com construir narrativas, contar histórias e soltar a voz!

Aproveite muito esses quatro deliciosos anos que estão por vir, se eu tivesse o poder, acho que faria sim uma visitinha a esse passado!

Talvez essa seja a foto mais honesta da minha conclusão de curso.

Elisa Santiago é formada em Design de Moda e se considera uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

11
jul

Dicas imperdíveis de Viena, na Áustria!

Viena, capital da Áustria, é daquelas cidades que surpreendem. Estivemos lá na última semana de dezembro para a virada do ano. Aliás, para quem não se importa com o frio, recomendo fortemente essa época para conhecer a cidade, já que é possível curtir tanto os mercados de Natal quanto as festas de Revéillon.

Porém, independentemente da época, Viena tem muitas atrações imperdíveis. A cidade vibra música clássica, tem palácios imperiais lindos, museus interessantes, cafeterias aconchegantes, restaurantes finos, e lojas chiques. Enfim, tudo que existe de muito bom gosto você encontra em Viena.

Quer saber o que você não pode perder quando estiver na cidade? Veja os melhores programas aqui!

 

1 – Curtir as ruas da cidade
Passear pelas ruas do centro de Viena é um dos passeios mais gostosos de fazer. As ruas são limpas e seguras para os pedestres. Ande sem pressa pelas ruas, admire as vitrines da lojas, os lustres chiquérrimos, e até mesmo o chão, que chega a brilhar de tão limpo!

Anote aí algumas ruas mais famosas de Viena que não podem ficar de fora do roteiro: Kärntner, Graben, Mariahilfer, Kohlmarkt e Gumpendorfer. Ah, lembrei de outra chiquérrima! Na Wallnerstrasse, tem Tifanny, Gucci, Dior, Dolce & Gabbana, entre outras.

2 – Curtir uma pausa no aconchegante Café Central
O café faz parte da cultura vienense. Por isso, super indico tomar um café e apreciar um docinho no aconchegante Café Central, que existe desde 1876. Grandes personalidades já passaram por lá, como por exemplo, Trotsky, Lenin, Stalin, Loos, Freud e euzinha!

O café é tão importante para a cidade que em 2011 as cafeterias vienenses, originadas no século XVII, foram incluídas na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO, pois são um lugar “onde o tempo e o espaço são consumidos, mas apenas o café é encontrado na conta”.

3 – Experimentar a tal torta Sacher
Outra fama da cidade tema ver com a aclamada torta Sacher. E, se você quiser experimentar no local onde a torta foi criada, vai ter que ficar um tempinho na fila do Hotel Sacher. Já vou avisar para não criar expectativa, a torta nem é assim tão gostosa e o atendimento é demorado. Sabe aquele lugar que você parece ser apenas mais um? Pois é.

4 – Fotografar a instagramável Popp & Kretschmer
No centro de Viena, ao lado da Ópera e do Hotel Sacher, está a loja vienense mais fotogênica do Instagram. A Popp & Kretschmer, loja super classuda para os ricaços de Viena, fica decorada com um laço vermelho gigante durante a época do Natal. Um charme só!

Na Popp & Kretschmer, você encontra marcas poderosas, como Roberto Cavalli, Balmain, Salvatore Ferragamo e Zuhair Murad.

5 – Curtir uma noite na Ópera
No centro da cidade também está localizada a Ópera de Viena, uma das mais famosas do mundo. A Ópera oferece espetáculo diferente todos os dias, com mais de 50 óperas e ballet em cerca de 300 dias por temporada. Para ver a programação, clique aqui.

6 – Ver a Pestsaule
Outro monumento famoso, a Pestsaule, está em Graben, uma das ruas mais movimentadas
do centro. A Pestsaule é uma obra de arte criada para celebrar o fim da epidemia de peste
que assolou a Áustria em 1679.

7 – Ver a cidade do alto da St. Stephen’s Cathedral
Localizada na Stenphansplatz, a St. Stephen’s Cathedral é uma das mais importantes estruturas góticas da Áustria. O destaque é o telhado de mosaico, que reproduz a águia de duas cabeças real e o brasão de armas da cidade de Viena, feito com mais de 200.000 azulejos. Só mais um detalhe, Mozart já tocou na St. Stephen’s Cathedral, tá?

A entrada na Catedral é gratuita, mas para subir de elevador no topo e ver a vista da cidade
tem que pagar.

8 – Visitar o Palácio Imperial de Hofburg
O Palácio Hofburg é um dos maiores complexos palacianos do mundo. As partes mais antigas são do século XIII, mas a construção continuou até o século XX. O Palácio serviu como residência e sede do governo dos imperadores Habsburgo até o final da monarquia em 1918. Hoje, abriga vários museus, a Escola Espanhola de Equitação, um centro de congressos, e a sede do Presidente da Áustria.

A visita ao palácio inclui os aposentos do Imperador Franz Joseph e da Imperatriz Elisabeth. O passeio leva por 24 quartos, desde a escadaria imperial, passando por salas de audiência e estudos, até as salas de estar e quartos da monarquia. Além dessa visita (Imperial Apartments), o ingresso inclui a entrada em outros dois museus: o Sissi Museum (em homenagem à Imperatriz Elisabeth) e o Imperial Silver Collection (Museu de Prataria da Realeza).

Aproveite que está nessa região para conhecer a Biblioteca Nacional e o Burggarten, onde os locais adoram fazer picnics no verão.

9 – Ver a coleção de arte do Palácio Belvedere
O Palácio Belvedere abriga uma das coleções de arte mais valiosas da Áustria. É lá, no Upper Belvedere, que está o famoso quadro de Gustav Klimt (The Kiss). Se você não estiver a fim ou não tiver tempo para percorrer todos os andares do palácio, mas quer ver a obra de arte mais famosa da Áustria, compre o ingresso apenas para o Upper Belvedere e economize uns euros.

10 – Conhecer a vida da realeza no Palácio Shonbrunn
O maior palácio da Áustria, Shonbrunn, já foi a residência de verão dos Habsburgos. Chique, não? Um dos locais mais visitados de Viena merece um dia no seu roteiro. Para sentir toda a classe imperial, sugiro hospedar-se uma noite no palácio, na Grand Suit, que tem 167 m2. A diária custa em torno de R$ 3.500 (três mil e quinhentos reais). Ficou interessado? Clique aqui para reservar!

Mas, se você for como eu e não tiver balha na agulha para gastar essa pequena fortuna em uma noite no palácio, saiba que os jardins ao redor do Schonbrunn são maravilhosos – e gratuitos. Além disso, tem uma vista linda de Viena!

Abertos ao público desde 1779, os jardins de estilo barroco incluem um labirinto, um zoológico, ruínas romanas, a Fonte de Netuno e um Gloriette no topo da colina.

11 – Conhecer a Rathausplatz
O prédio da prefeitura de Viena foi construído nessa praça entre os anos de 1872 a 1883 em estilo neo-gótico. No final do mês de novembro, o maior mercado de Natal de Viena é montado na praça. E na noite da virada tem queima de fogos, apresentação de bandas com músicas ótimas e muito rock, mercado de natal e toda animação das festas de rua.

Foi na Rathausplatz que passamos a nossa virada do ano, após passearmos por várias outras ruas onde a cada esquina tinha show ao vivo, djs, e muita badalação.

Para quem prefere algo mais aristocrático, é possível aproveitar a noite no famoso baile de gala vienense dentro do prédio da prefeitura. Só que precisa comprar o ingresso com bastante antecedência, ok?

Ainda que você pretenda visitar Viena em outra época, saiba que durante o ano acontecem vários eventos na Rathausplatz. Tem pista de patinação no gelo de janeiro a março, shows de jazz, cinema ao ar livre em julho e agosto, festas com djs, dentre outros programas. Viena é uma cidade muito animada, gente!

12 – Descobrir sabores no Naschmarkt
Dar aquela conferida no mercado municipal de Viena é programa básico para quem curte comida de rua.

No mercado, você encontra vários restaurantes, bares, lojinhas de temperos, de utensílios domésticos, entre outras.

13 – Dar uma voltinha no Prater
O Prater é um grande parque público localizado no 2º distrito de Viena (Leopoldstadt). A entrada é gratuita, você paga apenas o que quiser fazer. É no Prater que está a maior roda gigante de Viena, construída em 1897.

Vários eventos acontecem no Prater ao longo do ano. Para ver a programação, você pode clicar aqui.

14 – Museus
Para quem gosta de museu, Viena é um prato cheio! Além dos museus nos palácios que mencionei acima, existem outros bacanas, como, por exemplo, Albertina, Museu de História Natural, Museu da Música, e vários no Museum Quartier.

15 – Jantar no Do&Co
Para uma noite especial, vale muito a pena dar uma chegada no Do&Co, restaurante localizado na Stephansplatz. Estava tudo muito saboroso!

O ponto forte do restaurante é a comida asiática. Então se você estiver a fim de um ótimo sushi e sashimi nem pense duas vezes!

Por estar localizado no último andar do hotel, o restaurante tem uma vista linda da St. Stephen’s Cathedral. Por ser bem procurado, é importante fazer reserva.

16 – Jantar no Sky Bar
O Sky Bar está localizado no último andar da Steffl, famosa loja de departamentos vienense. A fachada de vidro do restaurante oferece uma vista linda da cidade.

Também é preciso reservar. Nós não conseguimos mesa, mas por sorte tinha um lugarzinho no bar do restaurante. Risoto delicioso!

Também experimentamos e gostamos do Motto & Fluss (mais pelos drinks e balada do que pela comida) e dos já conhecidos de outras cidades: Hard Rock e Valpiano.

17 – Esquiar em Stuleck
Para quem quiser esquiar, indico um bate-volta de trem a partir de Viena para Stuleck. Essa
estação de esqui bastante conhecida pelos locais fica, aproximadamente, a duas horas de
distância de Viena.

18 – Passar um dia em Bratislava
Outro bate-volta bem viável é de Viena para Bratislava, capital da Eslováquia, de trem. A viagem tem a duração de, aproximadamente, três horas. E basta uma tarde para dar uma voltinha boa na cidade, já que não tem muito o que fazer por lá. Mas, de qualquer modo, vale o passeio.

19 – Hospedar-se no Hilton Vienna Plaza
Super indico o Hilton Vienna Plaza. O hotel fica muito bem localizado no Primeiro Distrito, por isso é muito próximo dos principais pontos turísticos. Além disso, tem uma estação de metrô na calçada lateral  do hotel, o que é simplesmente perfeito! Também é importante acrescentar que os quartos são amplos, o atendimento é impecável, o café da manhã tem de tudo, é bem recheado mesmo, e delicioso. Ficaria de novo facilmente. Para ver detalhes, você pode clicar aqui.
Espero que tenha gostado das dicas e aproveite bastante! Viena é uma cidade realmente imperdível!

 

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

25
maio

Kauai – o paraíso na terra!

A mais antiga das ilhas havaianas, Kauai merece o título de paraíso na terra. Uma das nossas preferidas, sobretudo pela natureza selvagem e intocada, Kauai surpreende, emociona, faz suspirar. E muito. Prepare-se para ter aventuras ao ar livre inesquecíveis em meio a paisagens deslumbrantes.

Quer descobrir as riquezas desse refúgio natural? Fizemos uma lista com as principais atrações divididas por região. Confira!

 

Norte da ilha (North Shore)

1 – Kilauea Lighthouse 

O farol de Kilauea é um verdadeiro tesouro histórico que foi construído por volta de 1900 para ajudar os marinheiros a atracarem na praia. Atualmente, o local onde está o farol foi transformado em Refúgio Nacional de Vida Selvagem, no ano de 1985, a fim de proteger as aves marinhas que estão sempre por lá. Justamente por isso, o local é bastante procurado não apenas por turistas, mas também por observadores de pássaros.

A vista que se tem do Kilauea para o Pacífico é maravilhosa. Além disso, as trilhas são asfaltadas, o que torna esse passeio ideal para todas as idades.

O farol de Kilauea e o parque estão abertos de terça a sábado das 10:00 da manhã às 4:00 da tarde, fechados nos domingos e segundas-feiras e nos feriados federais. A entrada é de 5 dólares por pessoa. Menores de 16 anos não pagam.

 

2 – Princiville

Próximo a Kilauea está Princeville, uma região famosa por seus condomínios e resorts de luxo, a exemplo do fabuloso St. Regis. Para quem tem bala na agulha,  hospedar-se em um cinco estrelas por lá não soa mal.

Essa, embora muito tentadora, não foi nossa opção. Escolhemos um hotel mais intimista, localizado no sul da ilha, sobre o qual falarei ao final.

 

3 – Hanalei

Também em North Shore, vale a pena fazer uma paradinha na pequena e charmosa Hanalei, que já foi eleita a praia mais bonita dos Estados Unidos. Nessa praia, a lenda local Bruce Irons, e seu irmão, o falecido Andy Irons, aprenderam a surfar.

Ao voltar da praia, uma boa pedida é passar no centrinho comercial de Hanalei, onde há restaurantes e lojinhas. Aproveite para fazer um lanche e experimentar uma cerveja local no badaladinho Kalypso. No cardápio, há opções que vão de peixe cru, inclusive o famoso poke bowl, a sanduíches bem americanos.

4 – Haena Beach e Ke’e Beach.

Bem próximas de Hanalei, estão Haena Beach e Ke’e Beach. Se não tiver tempo sobrando e precisar escolher entre as duas, fique com a segunda.

A praia de Ke’e está localizada no final da estrada, é o ponto mais distante que você pode dirigir na costa norte. Protegida por um recife, é considerada um lugar seguro para nadar. Em Ke’e Beach, aliás, começa a Napali Coast e a trilha de Kalalau, que leva a Hanakapiai e Kalalau Beach. O estacionamento na praia é limitado e é aconselhável  parar o carro um pouquinho antes, em um estacionamento de terra.

A trilha de Kalalau começa na Kee Beach e segue pelos penhascos de Napali Coast. Os primeiros 3 quilômetros, de um total de 18  podem, ser feitos por qualquer pessoa, mas a partir dessa distância é preciso pagar uma taxa e ter autorização. Como a trilha é longa, as pessoas costumam levar de dois a três dias para completá-la. Ou seja, você vai precisar de tempo e disposição. A gente não encarou! Quem sabe numa próxima?

 

Oeste da ilha (West Side)

1 – Napali Coast

A deslumbrante Napali Coast pode ser conhecida de três formas: pela trilha de Kalalau, de barco e de helicóptero. Não há estradas na Napali, então de carro não rola. E essa falta de acesso a carros torna Napali ainda mais enigmática.

Escolhemos fazer os passeios de barco e de helicóptero. Os dois são fantásticos e fica muito difícil dizer qual é o que mais compensa, pois são formas diferentes de aproveitar. O passeio de barco é mais calmo, tranquilo e demorado, já que leva a tarde toda. De barco, você consegue ver Napali de dentro do mar e a vista é absurdamente maravilhosa. Já o passeio de helicóptero é rápido, leva aproximadamente uma hora, mas você consegue ver Napali de cima. Ou seja, tem coisas que você só consegue ver do ar e outras da água. Recomendo fortemente fazer os dois passeios.

Nós fizemos o passeio de barco com a Kauai Sea Tours. Ver Napali de barco é como navegar no paraíso. Como o passeio leva a tarde toda, você consegue aproveitar muito mais o visual indescritível da costa de Kauai, sem contar que rende fotos belíssimas. TEM QUE FAZER!!! Se quiser ver esse e outros passeios oferecidos pela Kauai Sea Tours, clique aqui.

Se você tiver sorte, vai ter a oportunidade de ver arco-íris, até mesmo duplo, golfinhos e, a depender da época, baleias.

Na volta do nosso passeio, fomos surpreendidos com uns dez golfinhos que ficaram bastante tempo acompanhando nosso barco. Foi super emocionante! É muito prazeroso e gratificante ver toda a beleza da natureza esplendorosa de Kauai. É indescritível. E essa emoção bate tão forte que nos faz refletir sobre o mal que estamos causando para o planeta e a necessidade de mudar esse comportamento, pensando na preservação da natureza em primeiro lugar. É tanta perfeição que dá até vergonha de ser humano e ter consciência da falta de respeito com o meio-ambiente. Vamos cuidar do nosso planeta com carinho e amor, gente!

Outra forma de ver Napali Coast é pelo ar. Essa foi a primeira vez que voei de helicóptero e achei a experiência super emocionante. Afinal, nada como uma primeira vez de helicóptero sobrevoando a paradisíaca ilha de Kauai. Então você vai ver Napali, mas também sobrevoa o Waimea Canyon, um vulcão e diversas cachoeiras que não podem ser vistas de barco. O passeio de helicóptero fizemos com a Blue Hawaiian.

Uma palavra define: MEMORÁVEL. E para quem tem medo, preciso dizer que eu também estava com receio, mas o voo é muito tranquilo. Você vê tanta coisa bonita que nem lembra do medo. Na verdade, quando o voo acabou, fique com vontade de ir mais uma vez! Para saber mais sobre esse e outros passeios de helicóptero com a Blue Hawaiian, você pode clicar aqui.

Portanto, se você vai para Kauai, por favor, não invente desculpa para não fazer esses passeios. Passa mal navegando? Vai no médico e pede a prescrição de um remédio. Tem medo de voar? Supera. Vai valer muito a pena.

Esses dois passeios são, definitivamente, os melhores que você vai fazer em Kauai, uns dos melhores do Hawaii, e do mundo. Ah, só mais um detalhezinho. As fotos estão sem filtro, tá?

 

2 – Waimea Canyon

Um lugar bastante legal para conhecer é o Waimea Canyon State Park, especialmente se você curte fazer trilha. Se você não tem muito tempo, é possível dirigir e parar nos mirantes para apreciar a vista. Mas se tempo não é um impeditivo, aproveite  para curtir mais de 90 quilômetros de trilhas!

3 – Koke’e State Park

O Visitor Center do Koke’e State Park fica em uma área com gramado, onde as pessoas costumam acampar. Lá também tem um museu, mas é bem fraquinho.

Dirigindo um pouco depois do Visitor Center, chega-se ao Kalalau Lookout, de onde é possível ver a praia de Kalalau e fazer a trilha com vistas da Napali Coast. Também é possível avistar o Mt. Wai’ale’ale, a 5148 pés, conhecido como um dos pontos mais chuvosos da Terra, onde costuma chover praticamente o ano todo. Como esse pico não tem chuva por somente 30 dias, a vegetação é bem verdinha e a trilha é um pouquinho escorregadia.

 

Leste da ilha (East Side)

1 – Opaekaa Falls 

Opaeka’a Falls está localizada em Wailua e o acesso se dá por Kuamo’o Road. Basta uma paradinha no acostamento para ter esse visual. Ao lado do acostamento tem uma calçada para você curtir a vista com tranquilidade.

Do outro lado da rua, tem-se o acesso para o rio Wailua, que leva até a Wailua Falls, com parada no Fern Grotto, uma caverna com samambaias no teto.

Se você animar, pode aproveitar o dia para fazer caiaque, SUP, ou dar uma volta de barco. Nós preferimos dar só uma chegadinha na beira do rio mesmo porque preferimos priorizar as praias.

 

Sul da ilha (South Shore)

No sul da ilha, Shipwreck e Poipu são duas praias bem próximas ótimas para descansar, fazer snorkel e nadar. Se você der sorte, ainda vai conhecer o casal de foquinhas que vive nadando e brincando por lá.

Olha quanta fofurice esse casalzinho de focas brincando no mar! E, ao ver cenas assim, mais uma vez, Kauai emociona. É muita paz, amor, e alegria que a gente sente ao estar tão em contato com essa natureza preservada.

Para finalizar, minha dica top de hospedagem em Kauai!! Passamos dias perfeitos no super ultra mega sofisticado, aconchegante e intimista, Koa Kea Hotel & Resort. Recomendo fortemente pela localização, serviço e atenção com o hóspede.

Se você ama a natureza, inclua Kauai na sua vida! Já estou contando os dias para voltar!