Fresca? Não! Bem criada.

Tag: Gastronomia

16
jul

Tudo sobre o Uber Wine

Viajar pela Califórnia é ser constantemente surpreendida por novidades e paisagens inesperadas. Como contei um pouco no post sobre as vinícolas de Paso Robles, essa região é uma excelente opção para quem busca fugir do óbvio em sua passagem pelos Estados Unidos.

Escolhido como o passeio final da nossa aventura pela costa oeste, em Paso Robles conseguimos relaxar e desfrutar de cenários estonteantes regados a muito vinho e ótima gastronomia. Mas todo mundo sabe que bebida e direção definitivamente não combinam e assim, logo quando chegamos ao nosso hotel, buscamos opções de deslocamento entre uma vinícola e outra chegando até o Uber Wine.

O Uber Wine trata-se de uma opção de serviço dentre os tantos que a Uber oferece, como Uber Pool, Uber Pet e Uber X. O que diferencia essa alternativa das demais é que ela atua somente nas regiões de vinícolas dos Estados Unidos oferecendo transporte entre uma degustação e outra.

Para visitar as vinícolas que selecionamos, solicitamos um carro e tivemos o enorme prazer de ter o Mr. Kenny Clark como motorista. Um senhor simpático, animado, super disponível e que de quebra deu dicas valiosas sobre passeios mais exclusivos.

O esquema do Uber Wine é confortável, seguro e bastante prático já que o carro fica a nossa espera enquanto realizamos os passeios. Ou seja, não existe aquela preocupação de como ir embora ou procurar um transporte!

O pagamento é feito por hora que custa em média $30 a $35 dólares. Se convertermos esse valor, de fato fica caro, mas devemos levar em conta a possibilidade de dividir esse preço com até quatro pessoas que cabem no carro. Além disso, colocando na ponta do lápis, sai mais em conta do que pegar um Uber comum para cada vinícola.

A qualidade do serviço, as dicas dos motoristas que já conhecem toda a região, os lanchinhos a cada hora e a praticidade fazem valer a pena o Uber Wine. Então, se você vai visitar Paso Robles, não deixe de considerar essa opção de transporte!

 

 

 

13
jul

Hotel que fiquei em Paso Robles: Allegretto Vineyard Resort

Entrando na quarta e última parte da minha aventura na Califórnia, estive na região de Paso Robles, um lugar delicioso, perfeito para o descanso e repleto de bons vinhos!

Como essa viagem apresentava muitas etapas, eu junto das minhas fiéis escudeiras, Fernanda e Raquel, decidimos finalizar a jornada em grande estilo e em um ambiente que nos proporcionasse momentos relaxantes, calmos e com belas paisagens.

Buscando todos esses propósitos, chegamos até Paso Robles, uma região de vinícolas que fica entre Los Angeles e San Francisco. Dentro desse pequeno paraíso nos hospedamos no Allegretto Vineyard Resort – sem sombra alguma de dúvidas, o melhor hotel da viagem!

Logo de cara, a instalações ganharam o meu coração por serem muito parecidas com as que estive na Toscana, no hotel Abbadia Siccile (clique aqui para saber mais sobre essa outra viagem), com direito a uma capela, uma plantação de lavanda e uma vinícola própria aos fundos da hospedagem.

A decoração e o ambiente se mostraram bastante imponentes, com uma escadaria logo na entrada e um quarto bem amplo, com duas camas e uma bela vista para o pátio. O café da manhã, assim como em todos os outros lugares que passamos, era à parte, porém muito completo e delicioso.

Em uma das noites, fizemos reserva no restaurante do hotel, o Cello Ristorante, que nos supreendeu com sua culinária italiana mais contemporânea.

Outro ponto interessante é a localização – estávamos à cinco minutos do centro de Paso Robles, um espaço super charmoso, com lojinhas, livrarias, restaurantes e até um cinema!

Durante as noites, o pátio do hotel era iluminado por tochas e fogueiras, convidando os hóspedes a ficarem por ali e tomarem mais um vinho. Inclusive, essa é uma das muitas qualidades do Allegretto Vineyard, não dá vontade de sair de lá! Pensando nisso, aproveitamos um dia de piscina, ofurô e ficamos o máximo de tempo curtindo o pátio super charmoso, com um belo por do sol de brinde!

Para quem vai a Paso Robles, essa hospedagem é uma dica e tanto! Me considero privilegiada por poder passar os últimos dias dessa viagem apreciando bons vinhos, uma ótima culinária e companhias perfeitas! Por lá me senti entre à Toscana e o Sul da França!

 

Quer saber mais sobre os outros hotéis que me hospedei pela Califórnia? Basta clicar nos links abaixo! 

Red Liond Anaheim

Wyndham Santa Mônica

Stanford Court San Francisco

11
jul

Dicas imperdíveis de Viena, na Áustria!

Viena, capital da Áustria, é daquelas cidades que surpreendem. Estivemos lá na última semana de dezembro para a virada do ano. Aliás, para quem não se importa com o frio, recomendo fortemente essa época para conhecer a cidade, já que é possível curtir tanto os mercados de Natal quanto as festas de Revéillon.

Porém, independentemente da época, Viena tem muitas atrações imperdíveis. A cidade vibra música clássica, tem palácios imperiais lindos, museus interessantes, cafeterias aconchegantes, restaurantes finos, e lojas chiques. Enfim, tudo que existe de muito bom gosto você encontra em Viena.

Quer saber o que você não pode perder quando estiver na cidade? Veja os melhores programas aqui!

 

1 – Curtir as ruas da cidade
Passear pelas ruas do centro de Viena é um dos passeios mais gostosos de fazer. As ruas são limpas e seguras para os pedestres. Ande sem pressa pelas ruas, admire as vitrines da lojas, os lustres chiquérrimos, e até mesmo o chão, que chega a brilhar de tão limpo!

Anote aí algumas ruas mais famosas de Viena que não podem ficar de fora do roteiro: Kärntner, Graben, Mariahilfer, Kohlmarkt e Gumpendorfer. Ah, lembrei de outra chiquérrima! Na Wallnerstrasse, tem Tifanny, Gucci, Dior, Dolce & Gabbana, entre outras.

2 – Curtir uma pausa no aconchegante Café Central
O café faz parte da cultura vienense. Por isso, super indico tomar um café e apreciar um docinho no aconchegante Café Central, que existe desde 1876. Grandes personalidades já passaram por lá, como por exemplo, Trotsky, Lenin, Stalin, Loos, Freud e euzinha!

O café é tão importante para a cidade que em 2011 as cafeterias vienenses, originadas no século XVII, foram incluídas na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO, pois são um lugar “onde o tempo e o espaço são consumidos, mas apenas o café é encontrado na conta”.

3 – Experimentar a tal torta Sacher
Outra fama da cidade tema ver com a aclamada torta Sacher. E, se você quiser experimentar no local onde a torta foi criada, vai ter que ficar um tempinho na fila do Hotel Sacher. Já vou avisar para não criar expectativa, a torta nem é assim tão gostosa e o atendimento é demorado. Sabe aquele lugar que você parece ser apenas mais um? Pois é.

4 – Fotografar a instagramável Popp & Kretschmer
No centro de Viena, ao lado da Ópera e do Hotel Sacher, está a loja vienense mais fotogênica do Instagram. A Popp & Kretschmer, loja super classuda para os ricaços de Viena, fica decorada com um laço vermelho gigante durante a época do Natal. Um charme só!

Na Popp & Kretschmer, você encontra marcas poderosas, como Roberto Cavalli, Balmain, Salvatore Ferragamo e Zuhair Murad.

5 – Curtir uma noite na Ópera
No centro da cidade também está localizada a Ópera de Viena, uma das mais famosas do mundo. A Ópera oferece espetáculo diferente todos os dias, com mais de 50 óperas e ballet em cerca de 300 dias por temporada. Para ver a programação, clique aqui.

6 – Ver a Pestsaule
Outro monumento famoso, a Pestsaule, está em Graben, uma das ruas mais movimentadas
do centro. A Pestsaule é uma obra de arte criada para celebrar o fim da epidemia de peste
que assolou a Áustria em 1679.

7 – Ver a cidade do alto da St. Stephen’s Cathedral
Localizada na Stenphansplatz, a St. Stephen’s Cathedral é uma das mais importantes estruturas góticas da Áustria. O destaque é o telhado de mosaico, que reproduz a águia de duas cabeças real e o brasão de armas da cidade de Viena, feito com mais de 200.000 azulejos. Só mais um detalhe, Mozart já tocou na St. Stephen’s Cathedral, tá?

A entrada na Catedral é gratuita, mas para subir de elevador no topo e ver a vista da cidade
tem que pagar.

8 – Visitar o Palácio Imperial de Hofburg
O Palácio Hofburg é um dos maiores complexos palacianos do mundo. As partes mais antigas são do século XIII, mas a construção continuou até o século XX. O Palácio serviu como residência e sede do governo dos imperadores Habsburgo até o final da monarquia em 1918. Hoje, abriga vários museus, a Escola Espanhola de Equitação, um centro de congressos, e a sede do Presidente da Áustria.

A visita ao palácio inclui os aposentos do Imperador Franz Joseph e da Imperatriz Elisabeth. O passeio leva por 24 quartos, desde a escadaria imperial, passando por salas de audiência e estudos, até as salas de estar e quartos da monarquia. Além dessa visita (Imperial Apartments), o ingresso inclui a entrada em outros dois museus: o Sissi Museum (em homenagem à Imperatriz Elisabeth) e o Imperial Silver Collection (Museu de Prataria da Realeza).

Aproveite que está nessa região para conhecer a Biblioteca Nacional e o Burggarten, onde os locais adoram fazer picnics no verão.

9 – Ver a coleção de arte do Palácio Belvedere
O Palácio Belvedere abriga uma das coleções de arte mais valiosas da Áustria. É lá, no Upper Belvedere, que está o famoso quadro de Gustav Klimt (The Kiss). Se você não estiver a fim ou não tiver tempo para percorrer todos os andares do palácio, mas quer ver a obra de arte mais famosa da Áustria, compre o ingresso apenas para o Upper Belvedere e economize uns euros.

10 – Conhecer a vida da realeza no Palácio Shonbrunn
O maior palácio da Áustria, Shonbrunn, já foi a residência de verão dos Habsburgos. Chique, não? Um dos locais mais visitados de Viena merece um dia no seu roteiro. Para sentir toda a classe imperial, sugiro hospedar-se uma noite no palácio, na Grand Suit, que tem 167 m2. A diária custa em torno de R$ 3.500 (três mil e quinhentos reais). Ficou interessado? Clique aqui para reservar!

Mas, se você for como eu e não tiver balha na agulha para gastar essa pequena fortuna em uma noite no palácio, saiba que os jardins ao redor do Schonbrunn são maravilhosos – e gratuitos. Além disso, tem uma vista linda de Viena!

Abertos ao público desde 1779, os jardins de estilo barroco incluem um labirinto, um zoológico, ruínas romanas, a Fonte de Netuno e um Gloriette no topo da colina.

11 – Conhecer a Rathausplatz
O prédio da prefeitura de Viena foi construído nessa praça entre os anos de 1872 a 1883 em estilo neo-gótico. No final do mês de novembro, o maior mercado de Natal de Viena é montado na praça. E na noite da virada tem queima de fogos, apresentação de bandas com músicas ótimas e muito rock, mercado de natal e toda animação das festas de rua.

Foi na Rathausplatz que passamos a nossa virada do ano, após passearmos por várias outras ruas onde a cada esquina tinha show ao vivo, djs, e muita badalação.

Para quem prefere algo mais aristocrático, é possível aproveitar a noite no famoso baile de gala vienense dentro do prédio da prefeitura. Só que precisa comprar o ingresso com bastante antecedência, ok?

Ainda que você pretenda visitar Viena em outra época, saiba que durante o ano acontecem vários eventos na Rathausplatz. Tem pista de patinação no gelo de janeiro a março, shows de jazz, cinema ao ar livre em julho e agosto, festas com djs, dentre outros programas. Viena é uma cidade muito animada, gente!

12 – Descobrir sabores no Naschmarkt
Dar aquela conferida no mercado municipal de Viena é programa básico para quem curte comida de rua.

No mercado, você encontra vários restaurantes, bares, lojinhas de temperos, de utensílios domésticos, entre outras.

13 – Dar uma voltinha no Prater
O Prater é um grande parque público localizado no 2º distrito de Viena (Leopoldstadt). A entrada é gratuita, você paga apenas o que quiser fazer. É no Prater que está a maior roda gigante de Viena, construída em 1897.

Vários eventos acontecem no Prater ao longo do ano. Para ver a programação, você pode clicar aqui.

14 – Museus
Para quem gosta de museu, Viena é um prato cheio! Além dos museus nos palácios que mencionei acima, existem outros bacanas, como, por exemplo, Albertina, Museu de História Natural, Museu da Música, e vários no Museum Quartier.

15 – Jantar no Do&Co
Para uma noite especial, vale muito a pena dar uma chegada no Do&Co, restaurante localizado na Stephansplatz. Estava tudo muito saboroso!

O ponto forte do restaurante é a comida asiática. Então se você estiver a fim de um ótimo sushi e sashimi nem pense duas vezes!

Por estar localizado no último andar do hotel, o restaurante tem uma vista linda da St. Stephen’s Cathedral. Por ser bem procurado, é importante fazer reserva.

16 – Jantar no Sky Bar
O Sky Bar está localizado no último andar da Steffl, famosa loja de departamentos vienense. A fachada de vidro do restaurante oferece uma vista linda da cidade.

Também é preciso reservar. Nós não conseguimos mesa, mas por sorte tinha um lugarzinho no bar do restaurante. Risoto delicioso!

Também experimentamos e gostamos do Motto & Fluss (mais pelos drinks e balada do que pela comida) e dos já conhecidos de outras cidades: Hard Rock e Valpiano.

17 – Esquiar em Stuleck
Para quem quiser esquiar, indico um bate-volta de trem a partir de Viena para Stuleck. Essa
estação de esqui bastante conhecida pelos locais fica, aproximadamente, a duas horas de
distância de Viena.

18 – Passar um dia em Bratislava
Outro bate-volta bem viável é de Viena para Bratislava, capital da Eslováquia, de trem. A viagem tem a duração de, aproximadamente, três horas. E basta uma tarde para dar uma voltinha boa na cidade, já que não tem muito o que fazer por lá. Mas, de qualquer modo, vale o passeio.

19 – Hospedar-se no Hilton Vienna Plaza
Super indico o Hilton Vienna Plaza. O hotel fica muito bem localizado no Primeiro Distrito, por isso é muito próximo dos principais pontos turísticos. Além disso, tem uma estação de metrô na calçada lateral  do hotel, o que é simplesmente perfeito! Também é importante acrescentar que os quartos são amplos, o atendimento é impecável, o café da manhã tem de tudo, é bem recheado mesmo, e delicioso. Ficaria de novo facilmente. Para ver detalhes, você pode clicar aqui.
Espero que tenha gostado das dicas e aproveite bastante! Viena é uma cidade realmente imperdível!

 

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

09
jul

As vinícolas que conheci em Paso Robles

Quando decidi fazer essa viagem à Califórnia, muitas pessoas torceram o nariz imaginando que eu faria um roteiro óbvio, ou como muitos turistas que procuram os Estados Unidos para compras e passeios em outlets.

Mas quem me acompanha sabe o quanto sou apaixonada por viagens e o quanto às planejo nos mínimos detalhes. Sendo assim, na minha primeira vez na costa oeste americana procurei fugir do óbvio e nas pesquisas que antecederam minha ida conheci mais sobre a região de Paso Robles.

Para quem nunca ouviu falar desse lugar, trata-se de um aglomerado de vinícolas que fica há 212 Km de Monterey e a 230 Km de Santa Barbara pela highway 1. Uma localidade encantadora e uma excelente opção de pernoite para quem curte vinhos!

Dentre as mais de dez vinícolas que Paso Robles abriga, eu e minhas super companheiras de viagem escolhemos cinco: Justin, Daou, Adelaida, Eberle e Villa San Juliette!

Vale lembrar que nessa parte da nossa aventura pela Califórnia dedicamos alguns dias a mais e assim conseguimos conhecer a região com mais calma. Mas para quem tem poucos dias pelo lugar, segue valendo a visita!

Vinícola Justin:
Fundada em 1981, a vinícola Justin é reconhecida por seus vinhos tintos Bordeaux que possuem sabor acentuado devido ao solo rico em calcário fossilizado.

Por lá, eles misturam técnicas rudimentares como a colheita manual e o envelhecimento em barril de carvalho, com a tecnologia utilizada para garantir uma maior durabilidade das uvas.

Vinícola Daou:
O passeio na vinícola Daou foi um dos mais interessante, a começar pela história dos fundadores que tinham uma empresa milionária de computação e largaram tudo para viver o sonho de produzir vinho na Califórnia.  A Daou é uma vinícola que passa por sua segunda geração e é conhecida por ter sua colheira realizada durante a noite, priorizando a qualidade de suas uvas.

Todas as frutas da DAOU Mountain são colhidas a dedo, depois classificadas tanto pelo olho humano quanto pela tecnologia ótica de ponta para garantir a pureza absoluta dos frutos. Usando cem por cento de suco livre, o enólogo Daniel Daou inicia a fermentação com leveduras nativas cultivadas na propriedade. Cada fermentação é personalizada medindo a composição fenólica e usando análise sensorial, permitindo que Daniel oriente o equilíbrio natural e a textura.

Vinícola Adelaida:
O Dr. Stanley Hoffman plantou o primeiro Pinot Noir no terreno escarpado da encosta do que é hoje o Vinhedo HMR no distrito de Adelaida, em Paso Robles. Ele plantou também algumas das primeiras videiras de Cabernet Sauvignon e continuou em 1973 a plantar Chardonnay no Vinhedo HMR.

Os vinhedos que localizam-se a 1400-1800 pés acima do nível do mar produzem vinhos premium engarrafados e bem conceituados.

Vinícola Eberle:
Fundada há 38 anos atrás por Gary Eberle, a vinícola Eberle recebe hóspedes diariamente com degustações de vinho de cortesia, passeios públicos nas instalações de produção e 16.000 pés quadrados de cavernas subterrâneas. Eles também abrigam uma variedade de deliciosos e divertidos eventos realizados na vinícola durante todo o ano. Por lá realizamos uma visita guiada por entre esses incríveis túneis cheios de boas histórias.

Vinícola Villa San Juliette:
Sustentabilidade e responsabilidade ambiental são as palavras de ordem na Villa San-Juliette, que desde 2013 possui o SIP Certified conquistado através de uma auditoria rigorosa de suas práticas de cultivo e operações de vinícolas. O certificação SIP – que significa Sustentabilidade na Prática – é um processo abrangente realizado pela Equipe Vineyard, que representa muito mais do que vinhos “verdes” ou “orgânicos”. Esse selo procura construir comunidades entre as vinícolas e trabalhadores. O resultado é uma rede de agricultores e vinicultores apaixonados e que buscam deixar um legado duradouro e saudável para a próxima geração.

06
jul

Hotel que fiquei em San Francisco: Stanford Court San Francisco

Dando continuidade à série sobre os hotéis que me hospedei pela Califórnia, hoje falo do Stanford Court San Francisco, que foi onde fiquei na terceira parte da viagem.

Logo de inicio já afirmo que essa foi nossa melhor hospedagem até então! A localização não poderia ser melhor – ao mesmo tempo em que está próxima do fervo da Union Square, há dois quarteirões de distância, encontra-se num ponto sem muita agitação e barulho, ideal para descansar.

Além do local estratégico, bem pertinho de nós passava o Cable Car, àquele bondinho que percorre vários pontos memoráveis da cidade e também diversos ônibus que nos levam aos principais monumentos turísticos.

O hotel em si é extremamente bonito, novo e grande! E uma das melhores partes em se hospedar por lá, foi que na hora do check-in ganhamos um up grade e conseguimos um quarto maior, com duas camas tamanho queen e uma vista estonteante de San Francisco que nos relaxava por completo depois de dias intensos de andanças.

Assim como a maioria dos hotéis pelos Estados Unidos, o café da manhã não é incluso, mas no Stanford Court foram-nos oferecidas duas opções de refeição: uma de $28 dólares bastante completa com pães, vários tipos de ovos, salsichas, bacon, sucos, frutas, nutella e outra mais resumida de $22 dólares com frios. Convertendo esses valores, o desjejum não sai tão barato, mas esse é o preço médio por lá e para nós valeu muito a pena, pois estava tudo delicioso!

O único ponto negativo nos quartos para mim foi o carpete, já que costumo ser bem alérgica. Mas infelizmente esse é um padrão americano e por todos os lugares que passamos notamos essa questão.

A nossa escolha de se hospedar nesse hotel foi um acerto e tanto, e posso recomendar a hospedagem de olhos fechados, pois é sem dúvidas o melhor custo benefício até então!

Se você ainda não viu ou quer saber mais sobre minhas outras hospedagens pela Califórnia, basta clicar aqui:

Red Lion Anaheim

Whyndham Santa Mônia