Fresca? Não! Bem criada.

Tag: love to travel

15
nov

Café da manhã na Tiffany’s!

Audrey Hepburn imortalizou a clássica cena do filme Breakfast at Tiffany’s, no papel de Holly Golightly, em que aparece com um vestido de noite preto, pérolas e óculos de sol, tomando café com um croissant na mão, enquanto olha para as janelas da loja na famosa Quinta Avenida, em Nova York.

Cinquenta e seis anos depois, a cena do filme poderia ser diferente. Ela poderia entrar na Tiffany’s para tomar café no recém-inaugurado restaurante no quarto andar, o Blue Box Café.

Inaugurado na sexta-feira (10/11), o Blue Box Café, que tem vista para o Central Park, servirá diversas opções para os apreciadores da alta gastronomia. O prato principal tem um custo de 39 dólares, enquanto o café da manhã (croissant e café acompanhado por uma torrada de abacate, ovos mexidos ou salmão defumado) sai por 29 dólares. O serviço de chá é um pouquinho mais caro, US$ 49.

A sofisticada decoração conta com a marca registrada da loja, a elegante cor azul turquesa, que está presente nas mesas, cadeiras e também nas paredes do restaurante.

O Blue Box Café seguirá o horário de funcionamento normal da loja, das 10 às 19 horas, de segunda a sábado, e das 12 às 18 horas no domingo. Esse parece ser mais um ótimo programa em Nova York!

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

 

26
out

Vídeo: O que você economiza VIAJANDO

Quer saber o que você economiza viajando? Ou seja? Como não sofrer com gastos de viagem? Então vem ver o vídeo de hoje!

Se você ainda não se inscreveu no Canal do Anita Bem Criada no Youtube, aproveite para se inscrever clicando aqui! Quem se inscreve recebe os vídeos primeiro (no e-mail e/ou celular) e assim, não perde nada do que vem por aí!

25
out

Especial de Lua de Mel: Havaí

Escolher um destino de viagem é uma delícia! Ao mesmo tempo, precisamos reconhecer que não é tão simples quanto parece, afinal as opções são quase infinitas! Com tantas informações disponíveis em livros, blogs e guias de viagem, explorar cada cantinho desse mundão lindo nunca foi tão fácil. Ainda que você já esteja decidido a curtir o verão na praia, por exemplo, as possibilidades são inúmeras! Além disso, existem outros fatores que tornam um pouquinho complexo o processo de escolha do destino. Dentre eles, a época do ano adequada e o custo-benefício da viagem.

Invariavelmente, passo pelo processo de decisão olhando para um mapa do mundo que está estrategicamente fixado na parede do meu quarto. As dúvidas, em geral, são as mesmas: qual continente/país/cidades gostaria de conhecer/visitar, quanto tempo é suficiente para conhecer bem o lugar desejado, em que época do ano esse destino poderá ser melhor aproveitado, qual o custo da passagem e hospedagem. Portanto, os fatores decisórios consideram basicamente o local, o tempo e a grana.

Apesar de estar acostumada com isso, ainda assim, sempre fico na dúvida para escolher o próximo destino. E, nesse ano, outro fator surgiu nessa equação. Um fator complicador, mas inquestionavelmente maravilhoso. Minha lua de mel! Escolher onde passaria esse momento inesquecível roubou algumas noites do meu sono. Mas, depois de muitas horas de pesquisa e de ligações para a companhia aérea, definimos o lugar que parecia ideal: Havaí.

Esse conjunto de ilhas paradisíacas localizadas no Oceano Pacífico é um destino clichê para a lua de mel, pelo menos para os americanos. Não me importei nada com isso, muito pelo contrário, queria conferir de perto os motivos pelos quais o Havaí está presente em absolutamente todas as listas de sugestões românticas de viagens. De fato, tive a grata satisfação de constatar que as ilhas havaianas definitivamente não estão nessas listas por acaso.

Optamos por conhecer as quatro principais ilhas, Oahu, Maui, Big Island e Kauai. Claro que voltamos com nossa ordem de preferência, pois cada ilha tem, digamos, personalidade forte e características marcantes. E é sobre cada uma dessas ilhas paradisíacas que escreverei nos próximos posts!

Antes, porém, vale antecipar o básico sobre a viagem para o Havaí:

  • A viagem é longa. No nosso caso, foram três voos de, aproximadamente, seis horas. Então, se possível, opte pela classe executiva.
  • Além disso, considere fazer um stopover na ida ou na volta para diminuir o cansaço dos voos e, de quebra, visitar outra cidade. Optamos por fazer o stopover na volta, em San Francisco, pois já conhecíamos Los Angeles. Se você não conhece nenhuma dessas cidades, recomendo escolher Los Angeles.
  • A melhor forma de chegar no Havaí é pela costa oeste americana. Prefira voos que passem por Los Angeles.
  • Separe, pelo menos, quatro dias para cada ilha. Nós ficamos cinco dias.
  • O deslocamento entre essas ilhas deve ser feito de avião. A média de duração é de 40 minutos. Voamos pela Island Air e Hawaiian Airlines. A segunda companhia é melhor.
  • As ilhas são relativamente grandes. Por isso, em cada ilha, é recomendável a hospedagem em duas regiões diferentes para economizar tempo e energia com deslocamento.
  • O aluguel de carro é imprescindível. Sem ele, você não sai do lugar! Prepare-se para rodar muito.

Vale lembrar que o ponto forte do Havaí é a sua natureza espetacular. Praias, cachoeiras, rios e vulcões, são de tirar o fôlego. Mergulhos, passeios de barco, e voos de helicóptero, são apenas algumas das possibilidades para quem gosta de aventura. Se você curte natureza e quer conhecer o Havaí, acompanhe tudinho por aqui! Veremos as quatro ilhas em quatro posts, com todas as dicas para facilitar sua viagem!

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

27
set

Gucci Places: conheça os destinos que inspiram a marca!

Que tal ficar por dentro dos destinos que serviram de inspiração para as criações da poderosa grife italiana Gucci? A partir de setembro, os fashionistas e loucos por viagens poderão conhecer todos os locais especiais onde há uma conexão cultural com a marca. O novo projeto é dedicado a quem procura o inesperado em viagens e experiências.

No app da Gucci, será lançada a plataforma Gucci Places, cujo objetivo é mostrar aos fãs da marca quais as cidades inspiraram suas coleções ao longo dos noventa e seis anos de vida.

O primeiro destino a ser mostrado pelo Gucci Places será Chatsworth, propriedade histórica localizada em Derbyshire, Inglaterra, onde a Gucci atualmente está apoiando uma exposição de roupas e objetos intitulada House Style. O mesmo local também serviu como locação para a campanha publicitária Gucci Cruise.

Os serviços de localização geográfica alertarão os usuários do aplicativo para a proximidade de um lugar considerado inspirador para Gucci. Simplesmente amei esse novo projeto da Gucci!!!!

Eu já baixei o app e vou testar a plataforma na minha próxima viagem! O que será que vem por aí? Aposto que só lugar bacana!

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

20
set

Meu roteiro pelas Highlands, na Escócia!

Finalmente chegou a hora de compartilhar com vocês detalhe por detalhe do roteiro de uma viagem que foi tão sonhada, tão planejada e sem dúvidas, está sendo tão desfrutada beeem devagarzinho.
Como já revelei anteriormente o meu destino da vez foi a Escócia e essa jornada não é somente em busca de turismo e descanso, mas também de conhecimento e cultura. Além de visitar os pontos clássicos do país, eu e Luciano aproveitamos para aprimorar o inglês e vivenciar o dia a dia dos escoceses como se fôssemos nativos.

Pra quem não sabe, a Escócia é um país do Reino Unido que fica ao norte da Grã-Bretanha. Sua capital é Edimburgo, uma metrópole que elevou o estado ao título de potência comercial, intelectual e industrial. Em contraponto a toda essa modernidade, o país é repleto de pequenas cidades que preservam a cultura gaélica das mais variadas formas, como seus castelos encantadores, construções típicas e sua música inconfundível.Nosso roteiro começou por Edimburgo, onde desembarcamos e dormimos uma noite para descansar do batidão de avião, aeroporto e fuso horário. Na manhã seguinte, bem cedinho alugamos um carro rumo as Highlands, as famosas terras altas. Pegamos a rodovia A9 (conhecida como uma das estradas mais bonitas do mundo) em direção a cidade de Inverness, capital das Highlands onde passamos dois dias.  Já nesse trajeto encontramos lugares incríveis como as cidades de Pitlochry e Aviemore que ficam dentro do Parque Nacional Cairngorms.

Em Inverness, exploramos lugares como o Lago Ness (sim, o monstro apareceu pra mim e mandou beijos a todos!) e a Trilha Whisky na região de Speyside. Por lá ficamos hospedados num hotel que é um castelo do século XVIII, chamado Cullonden House. O lugar é simplesmente mágico e a maneira como fomos recepcionados me fez chorar! E muito! Não só por estar realizando um sonho, mas por que acho que queria muito ter vivido naquela época!

De Inverness fomos para a Ilha de Skye, onde ficamos no vilarejo de Portree, capital da ilha.  Mas antes disso, no caminho passamos no Eilean Donan Castle, um lugar cheio de história e luta, impressionante! A partir dali conhecemos pontos turísticos importantes como o rochedo Old Man of Storr, a região de The Quiraing e o Neist Point Lighthouse, onde ficam os faróis mais famosos da Escócia. Nesta região ficamos hospedados no Cuillin Hills.

Os passeios foram um tanto quanto “performáticos” já que descemos e subimos montanhas, cachoeiras e até rios. Mas de forma geral, foram muito pouco cansativos já que a paisagem deixa tudo ainda mais bonito. Digno de filme!

De Skye partimos para região próxima à Fort Williams e ficamos hospedados no Glengarry Castle Hotel, construído no século XIX, simplesmente UM SONHO. Ainda percorrendo o passado, conhecemos o Glenfinnan Viaduct, por onde passa o Jacobite Steam Train, a locomotiva que ficou famosa por aparecer algumas vezes nos filmes do Harry Potter, sendo conhecida por ser o trem Hogwarts Express. Sem dúvida alguma um lugar mágico! E nessas e outras encontramos com as famosas “vaquinhas de franja” das terras altas. Foooofas!

 Umas das coisas mais legais nessa viagem é que todos esses trajetos foram realizados em pouquíssimo tempo! As distâncias são bem curtas e o maior curso que percorremos foi o inicial, de Edimburgo a Inverness, que durou o total de três horas e meia, ou um pouco mais, pois fomos degustando os momentos e as paisagens!

E por falar em paisagens, o que mais fiz nessa viagem foi o exercício de contemplar! Olhar bem para cada lugar, cada vista e agradecer pelo momento presente. As Highlands são um conjunto de exuberâncias que com certeza vou guardar na memória para sempre!

De Fort Williams, após praticamente uma semana, voltamos para Edimburgo e lá estabelecemos “pouso” por algumas semanas, quando então pudemos curtir cada canto daquele lugar mágico. Alugamos apartamento, então consegui vivenciar um pouco da vida local da forma como mais gosto. Fazendo compras no supermercado, trocando ideias com vizinhos e me perdendo naquelas ruelas.

Além da vivência local, também tirei um tempo para me dedicar aos estudos e assim aprimorar o inglês, a língua que tenho mais facilidade. O sotaque escocês é bem carregado e esse foi um dos fatores que me despertou mais ainda a vontade de realizar essa viagem! Morei algum tempo no Canadá, estudei em Londres e em Nova York e justamente em decorrência desses roteiros anteriores, que resolvi fugir do óbvio na hora de aprender! Mas isso é assunto para outro post!

Para verem mais detalhes desta viagem dos sonhos, abaixo seguem os dois vídeos que fiz durante a minha viagem pelas Highlands escocesas! Enjoy it!