Fresca? Não! Bem criada.

Tag: met ball

09
maio

MET Gala 2018 – Tudo sobre o baile!

Nessa segunda-feira, dia 7 de maio, aconteceu o evento mais importante do mundo da moda: o tão falado Baile do Metropolitan Museum of Art de Nova York, conhecido também como MET Gala!

Mas pra quem tá se perguntando que baile é esse e o por que da importância do evento, vamos voltar alguns anos e entender a história por trás da magnitude desse dia.

O Metropolitan Museum of Art é um dos museus mais visitados do mundo e possui mais de 150 anos de história. Dentre todo seu acervo, existe um departamento exclusivo para a moda, criado em 1936 e que hoje possui mais de 35 mil peças que contam a história do vestuário desde o século XVIII.

Ao contrário dos institutos semelhantes ao redor do mundo, o Costume Institute é um órgão independente e por isso se apoia em ações para angariar fundos. Daí vem a ideia brilhante de promover um baile para a alta sociedade, incentivando esses a fazerem doações para o museu, dando continuidade a curadoria e as pesquisas.

Exposição sobre a estilista Rei Kawakubo em 2017

No ano de 1973 a famosa editora de moda Diana Vreeland se tornou consultora especial no departamento e então assumiu o comando para criar estratégias a fim de arrecadar capital para o setor. Dessa forma, ela elevou o MET Ball e fez com que o evento se tornasse ponto certo para os grandes nomes da arte e da sociedade. Mas apenas nos anos 90, quando a editora-chefe da revista Vogue, Anna Wintour passou a integrar o conselho do instituto, é que a lista de convidados agregou nomes influentes de todas as áreas.

E hoje, há exatos vinte anos ocupando o cargo, ela ainda é quem cuida dos mínimos detalhes para que o evento seja sempre impecável. Desde a lista VIP, até quem vai sentar em qual mesa, passando pelos artistas que vão se apresentar e pela ordem em que cada celebridade passará pelo tapete vermelho, tudo é construído e aprovado pelo olhar da exigente editora.

A editora-chefe da revista Vogue, Anna Wintour e sua filha.

O baile do MET faz parte do imaginário popular há anos, pois é no evento em que vemos os looks mais conceituais, sempre celebrando moda como arte e cultura. E para elevar ainda mais a criatividade dos convidados e das marcas, existem temáticas que protagonizam a festa, que são anunciadas com muita antecedência para que todos consigam preparar as produções sempre muito elaboradas.

O tema de cada ano diz não só sobre o dress code do baile, mas é também o foco da exposição anual que o museu apresenta e que é aberta ao público dias depois da grande inauguração. Estilistas como Alexander McQueen, Rei Kawakubo e  Miuccia Prada já foram homenageados e temas sempre contemporâneos como tecnologia e a relação da China com a moda, foram abordados na curadoria.

No ano de 2018 a exposição foi intitulada como “Corpos Celestes – Moda e a imaginação católica”, na qual será celebrada a relação entre o vestuário e o catolicismo. Para abrilhantar ainda mais o acervo exposto, o Vaticano cedeu algumas de suas peças icônicas que ficarão em uma ala especial do museu. Junto desses trajes, criações de grandes estilistas e alguns dos looks usados pelas celebridades durante a festa também ficarão disponíveis para a contemplação do público.

Exposição Corpos Celestiais – Moda e a imaginação católica.

O baile desse ano, que contou com uma apresentação cheia de referências da rainha Madonna, foi considerado o maior desde a criação do evento. No tapete vermelho passaram looks marcantes como o da Rihanna de Maison Margiela, Lana Del Rey, Jared Letto e o estilista Alessandro Michele de Gucci, Francis Mc Dormand de Valentino, Sarah Jessica Parker de Dolce and Gabanna e a rapper Cardi B de Jeremy Scott. 

O grande motivo que faz o MET Ball ser o evento de moda mais prestigiado no mundo, é exatamente a liberdade em que os estilistas e artistas possuem para criar seus looks , questionar, discutir, protestar e despertar o interesse do público por temas tão pertinentes. Celebridades que acabam não se adequando muito a temática, como as modelos Gisele Bündchen e Kendall Jenner, acabam ofuscadas por personalidades como a atriz Lena Waithe que carregou consigo a bandeira do movimento LGBTQ e a cantora Katy Perry que vestiu asas angelicais enormes.

Madonna de Jean Paul Gaultier

Rihanna de Maison Margiela

Alessandro Michele, Lana Del Rey e Jared Leto de Gucci

Francis Mc Dormand de Valentino

Sarah Jessica Parker de Dolce&Gabanna

Cardi B de Jeremy Scott

Gisele Bundchen de Versace

Kendall Jenner de Virgil Abloh

Lena Waithe de Carolina Herrera

Katy Perry de Versace

Mas apesar de toda a produção realizada em proporções bíblicas, poucas foram as celebridades que fugiram do óbvio. No tapete vermelho vimos muito ouro, muitas referências medievais, muitas figuras angelicais e muitos elementos do catolicismo. Tudo isso resultou em uma visão claramente histórica, mas também antiquada do tema.

Numa noite em que celebramos tendências e temáticas contemporâneas, faltou quem falasse de religião sob uma ótica que não fosse a do poder. Afinal, o imaginário passa não só pelos grandes Papas e santos, mas também pelos oprimidos e pelo sincretismo religioso. O destaque da noite vai para a atriz Zendaya, que em um look cheio de referências e pesquisa, homenageou a figura a frente do tempo que foi a santa Joana D’arc.

Zendaya de Versace

Elisa Santiago é Designer de Moda, Stylist e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

 

22
ago

A moda escocesa e sua influência

É inevitável estar em um lugar diferente, diante de costumes que muitas vezes não são os nossos, e não ficar contemplando os hábitos das pessoas que vemos nas ruas. Nessa minha imersão na cultura escocesa não seria diferente. Por onde passo vejo lojas típicas com os famosos kilts nas vitrines e pessoas que carregam elementos gaélicos em sua vestimenta.

E boa curiosa que sou, decidi ir um pouco mais a fundo e pesquisar sobre a história da moda escocesa e de suas influências. Obviamente, vou compartilhar tudo isso com vocês por aqui! Vem comigo?Os kilts são saias tipicamente escocesas, pregueadas na parte de trás e transpassadas na parte da frente. Eles foram originalmente destinados aos homens guerreiros dos clãs das terras altas. Cada tartã (ou tartan, padrão quadriculado e xadrez) dessas vestimentas representa uma família específica, como os clãs Stewart, Fraser e tantos outros.

A tradição diante desse traje é tão forte, que se perpetuou ao longo dos séculos e inspirou não só o povo gaélico, mas também o universo da moda. A estampa xadrez é sem dúvidas uma das mais famosas do mundo e junto da estética da peça em questão, já foi tema de coleção de diversos estilistas.

A aparição mais icônica da influência escocesa na indústria fashion foram os looks vestidos por Alexander McQueen e Sarah Jessica Parker no tapete vermelho do também tradicional Baile do Metropolitan Museum of Art em 2006. Com a maestria do estilista, a dupla surgiu vestindo o tartã por cima de um vestido e de um smoking, quando o tema da festa era a tradição e a transgressão britânica na moda.

Nas passarelas um dos desfiles mais memoráveis em que o xadrez escocês imperou, foi a temporada de inverno 2013 da marca italiana Moschino. A estampa aparece em terninhos, blazers, conjuntos e vestidos, acompanhada de outras referências da cultura britânica, como os uniformes dos guardas reais ingleses.

Por fim e um pouco mais perto de nós, Glória Coelho já vem flertando com a cultura escocesa desde os anos 90. Declaradamente fã do universo gaélico, a estilista apresentou sua coleção pre-fall de 2016 mergulhando em ícones da Escócia como trajes de guerra medievais, aquela bolsinha que se usa na frente dos kilts e os próprios tartãs em uma releitura através de sua famosa alfaiataria futurista.