Fresca? Não! Bem criada.

Tag: onde ir

14
set

Tudo o que você precisa saber para visitar Versalhes!

Nesse mês de setembro completo oito anos de união com meu morequinho, o Luciano. Para comemorar essa data e tanto tempo juntos, decidimos revisitar o destino da nossa lua de mel, a França!

Dessa vez nosso roteiro vai passar por cidades francesas que até então não conhecíamos, mas nosso desembarque aconteceu em Paris e com uns dias livres por lá optamos por fazer um passeio clássico, porém surpreendente: Versalhes!

Como já conhecemos grande parte das atrações turísticas da cidade, resolvemos dedicar um dia inteirinho ao complexo de palácios do séc XVII que abrigou as figuras icônicas do rei Luís XVI e sua esposa Maria Antonieta.

O casal protagonista da família real francesa desse período é até hoje uma referência polêmica por terem vivido entre muitos excessos, quando o país passava por uma fase extremamente precária, mas é impossível negar que o legado arquitetônico deixado por eles é algo que segue impressionando todos que o visitam.

Para se ter uma dimensão da grandiosidade da construção seguem números arrebatadores: O Palácio tem 2.153 janelas, 67 escadas, 352 chaminés, 700 quartos, 1.250 lareiras, 700 hectares de parque  e é o segundo ponto turístico mais visitado da França.

Dentre os aposentos principais estão Os Apartamentos de Estado, o quarto do rei, o quarto da rainha, a Galeria dos Espelhos, a Capela de Versalhes, o parque e o jardim e o Palacete de Maria Antonieta.

Versalhes foi construída com o intuito de ser centro do poder do Antigo Regime francês, além disso foi a solução encontrada para que a família real fugisse das grandes manifestações e doenças presentes na capital.

A aldeia rural que hoje é subúrbio de Paris foi palco de grandes momentos históricos, como quando a rainha Maria Antonieta proferiu a clássica frase: “Se não tem pão, que comam brioches”. Alguns historiadores até questionam a veracidade dessa passagem, mas ela já é parte definitiva do imaginário francês.

Para visitar Versalhes dou a dica para que se compre ingressos antecipados e com horário, pois as filas no local são enormes e dessa maneira é possível poupar tempo! Outra dica interessante é pesquisar previamente as maneiras de chegar até o palácio. Trens e transfer são as melhores opções!

Na hora da alimentação existem restaurantes como o do estrelado chef Alain Ducasse, o café Angelina e tantos outros espalhados pelos jardins. Para quem busca economizar é possível levar alguns lanches, mas é necessário que se consulte antes as restrições de quais produtos são permitidos entrar no complexo.

Versalhes é realmente estonteante e vale muito a pena a visita. Por lá é possível não só encher os olhos com tanta arquitetura icônica, mas é também um convite a um mergulho no passado!

 

11
jul

Dicas imperdíveis de Viena, na Áustria!

Viena, capital da Áustria, é daquelas cidades que surpreendem. Estivemos lá na última semana de dezembro para a virada do ano. Aliás, para quem não se importa com o frio, recomendo fortemente essa época para conhecer a cidade, já que é possível curtir tanto os mercados de Natal quanto as festas de Revéillon.

Porém, independentemente da época, Viena tem muitas atrações imperdíveis. A cidade vibra música clássica, tem palácios imperiais lindos, museus interessantes, cafeterias aconchegantes, restaurantes finos, e lojas chiques. Enfim, tudo que existe de muito bom gosto você encontra em Viena.

Quer saber o que você não pode perder quando estiver na cidade? Veja os melhores programas aqui!

 

1 – Curtir as ruas da cidade
Passear pelas ruas do centro de Viena é um dos passeios mais gostosos de fazer. As ruas são limpas e seguras para os pedestres. Ande sem pressa pelas ruas, admire as vitrines da lojas, os lustres chiquérrimos, e até mesmo o chão, que chega a brilhar de tão limpo!

Anote aí algumas ruas mais famosas de Viena que não podem ficar de fora do roteiro: Kärntner, Graben, Mariahilfer, Kohlmarkt e Gumpendorfer. Ah, lembrei de outra chiquérrima! Na Wallnerstrasse, tem Tifanny, Gucci, Dior, Dolce & Gabbana, entre outras.

2 – Curtir uma pausa no aconchegante Café Central
O café faz parte da cultura vienense. Por isso, super indico tomar um café e apreciar um docinho no aconchegante Café Central, que existe desde 1876. Grandes personalidades já passaram por lá, como por exemplo, Trotsky, Lenin, Stalin, Loos, Freud e euzinha!

O café é tão importante para a cidade que em 2011 as cafeterias vienenses, originadas no século XVII, foram incluídas na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO, pois são um lugar “onde o tempo e o espaço são consumidos, mas apenas o café é encontrado na conta”.

3 – Experimentar a tal torta Sacher
Outra fama da cidade tema ver com a aclamada torta Sacher. E, se você quiser experimentar no local onde a torta foi criada, vai ter que ficar um tempinho na fila do Hotel Sacher. Já vou avisar para não criar expectativa, a torta nem é assim tão gostosa e o atendimento é demorado. Sabe aquele lugar que você parece ser apenas mais um? Pois é.

4 – Fotografar a instagramável Popp & Kretschmer
No centro de Viena, ao lado da Ópera e do Hotel Sacher, está a loja vienense mais fotogênica do Instagram. A Popp & Kretschmer, loja super classuda para os ricaços de Viena, fica decorada com um laço vermelho gigante durante a época do Natal. Um charme só!

Na Popp & Kretschmer, você encontra marcas poderosas, como Roberto Cavalli, Balmain, Salvatore Ferragamo e Zuhair Murad.

5 – Curtir uma noite na Ópera
No centro da cidade também está localizada a Ópera de Viena, uma das mais famosas do mundo. A Ópera oferece espetáculo diferente todos os dias, com mais de 50 óperas e ballet em cerca de 300 dias por temporada. Para ver a programação, clique aqui.

6 – Ver a Pestsaule
Outro monumento famoso, a Pestsaule, está em Graben, uma das ruas mais movimentadas
do centro. A Pestsaule é uma obra de arte criada para celebrar o fim da epidemia de peste
que assolou a Áustria em 1679.

7 – Ver a cidade do alto da St. Stephen’s Cathedral
Localizada na Stenphansplatz, a St. Stephen’s Cathedral é uma das mais importantes estruturas góticas da Áustria. O destaque é o telhado de mosaico, que reproduz a águia de duas cabeças real e o brasão de armas da cidade de Viena, feito com mais de 200.000 azulejos. Só mais um detalhe, Mozart já tocou na St. Stephen’s Cathedral, tá?

A entrada na Catedral é gratuita, mas para subir de elevador no topo e ver a vista da cidade
tem que pagar.

8 – Visitar o Palácio Imperial de Hofburg
O Palácio Hofburg é um dos maiores complexos palacianos do mundo. As partes mais antigas são do século XIII, mas a construção continuou até o século XX. O Palácio serviu como residência e sede do governo dos imperadores Habsburgo até o final da monarquia em 1918. Hoje, abriga vários museus, a Escola Espanhola de Equitação, um centro de congressos, e a sede do Presidente da Áustria.

A visita ao palácio inclui os aposentos do Imperador Franz Joseph e da Imperatriz Elisabeth. O passeio leva por 24 quartos, desde a escadaria imperial, passando por salas de audiência e estudos, até as salas de estar e quartos da monarquia. Além dessa visita (Imperial Apartments), o ingresso inclui a entrada em outros dois museus: o Sissi Museum (em homenagem à Imperatriz Elisabeth) e o Imperial Silver Collection (Museu de Prataria da Realeza).

Aproveite que está nessa região para conhecer a Biblioteca Nacional e o Burggarten, onde os locais adoram fazer picnics no verão.

9 – Ver a coleção de arte do Palácio Belvedere
O Palácio Belvedere abriga uma das coleções de arte mais valiosas da Áustria. É lá, no Upper Belvedere, que está o famoso quadro de Gustav Klimt (The Kiss). Se você não estiver a fim ou não tiver tempo para percorrer todos os andares do palácio, mas quer ver a obra de arte mais famosa da Áustria, compre o ingresso apenas para o Upper Belvedere e economize uns euros.

10 – Conhecer a vida da realeza no Palácio Shonbrunn
O maior palácio da Áustria, Shonbrunn, já foi a residência de verão dos Habsburgos. Chique, não? Um dos locais mais visitados de Viena merece um dia no seu roteiro. Para sentir toda a classe imperial, sugiro hospedar-se uma noite no palácio, na Grand Suit, que tem 167 m2. A diária custa em torno de R$ 3.500 (três mil e quinhentos reais). Ficou interessado? Clique aqui para reservar!

Mas, se você for como eu e não tiver balha na agulha para gastar essa pequena fortuna em uma noite no palácio, saiba que os jardins ao redor do Schonbrunn são maravilhosos – e gratuitos. Além disso, tem uma vista linda de Viena!

Abertos ao público desde 1779, os jardins de estilo barroco incluem um labirinto, um zoológico, ruínas romanas, a Fonte de Netuno e um Gloriette no topo da colina.

11 – Conhecer a Rathausplatz
O prédio da prefeitura de Viena foi construído nessa praça entre os anos de 1872 a 1883 em estilo neo-gótico. No final do mês de novembro, o maior mercado de Natal de Viena é montado na praça. E na noite da virada tem queima de fogos, apresentação de bandas com músicas ótimas e muito rock, mercado de natal e toda animação das festas de rua.

Foi na Rathausplatz que passamos a nossa virada do ano, após passearmos por várias outras ruas onde a cada esquina tinha show ao vivo, djs, e muita badalação.

Para quem prefere algo mais aristocrático, é possível aproveitar a noite no famoso baile de gala vienense dentro do prédio da prefeitura. Só que precisa comprar o ingresso com bastante antecedência, ok?

Ainda que você pretenda visitar Viena em outra época, saiba que durante o ano acontecem vários eventos na Rathausplatz. Tem pista de patinação no gelo de janeiro a março, shows de jazz, cinema ao ar livre em julho e agosto, festas com djs, dentre outros programas. Viena é uma cidade muito animada, gente!

12 – Descobrir sabores no Naschmarkt
Dar aquela conferida no mercado municipal de Viena é programa básico para quem curte comida de rua.

No mercado, você encontra vários restaurantes, bares, lojinhas de temperos, de utensílios domésticos, entre outras.

13 – Dar uma voltinha no Prater
O Prater é um grande parque público localizado no 2º distrito de Viena (Leopoldstadt). A entrada é gratuita, você paga apenas o que quiser fazer. É no Prater que está a maior roda gigante de Viena, construída em 1897.

Vários eventos acontecem no Prater ao longo do ano. Para ver a programação, você pode clicar aqui.

14 – Museus
Para quem gosta de museu, Viena é um prato cheio! Além dos museus nos palácios que mencionei acima, existem outros bacanas, como, por exemplo, Albertina, Museu de História Natural, Museu da Música, e vários no Museum Quartier.

15 – Jantar no Do&Co
Para uma noite especial, vale muito a pena dar uma chegada no Do&Co, restaurante localizado na Stephansplatz. Estava tudo muito saboroso!

O ponto forte do restaurante é a comida asiática. Então se você estiver a fim de um ótimo sushi e sashimi nem pense duas vezes!

Por estar localizado no último andar do hotel, o restaurante tem uma vista linda da St. Stephen’s Cathedral. Por ser bem procurado, é importante fazer reserva.

16 – Jantar no Sky Bar
O Sky Bar está localizado no último andar da Steffl, famosa loja de departamentos vienense. A fachada de vidro do restaurante oferece uma vista linda da cidade.

Também é preciso reservar. Nós não conseguimos mesa, mas por sorte tinha um lugarzinho no bar do restaurante. Risoto delicioso!

Também experimentamos e gostamos do Motto & Fluss (mais pelos drinks e balada do que pela comida) e dos já conhecidos de outras cidades: Hard Rock e Valpiano.

17 – Esquiar em Stuleck
Para quem quiser esquiar, indico um bate-volta de trem a partir de Viena para Stuleck. Essa
estação de esqui bastante conhecida pelos locais fica, aproximadamente, a duas horas de
distância de Viena.

18 – Passar um dia em Bratislava
Outro bate-volta bem viável é de Viena para Bratislava, capital da Eslováquia, de trem. A viagem tem a duração de, aproximadamente, três horas. E basta uma tarde para dar uma voltinha boa na cidade, já que não tem muito o que fazer por lá. Mas, de qualquer modo, vale o passeio.

19 – Hospedar-se no Hilton Vienna Plaza
Super indico o Hilton Vienna Plaza. O hotel fica muito bem localizado no Primeiro Distrito, por isso é muito próximo dos principais pontos turísticos. Além disso, tem uma estação de metrô na calçada lateral  do hotel, o que é simplesmente perfeito! Também é importante acrescentar que os quartos são amplos, o atendimento é impecável, o café da manhã tem de tudo, é bem recheado mesmo, e delicioso. Ficaria de novo facilmente. Para ver detalhes, você pode clicar aqui.
Espero que tenha gostado das dicas e aproveite bastante! Viena é uma cidade realmente imperdível!

 

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.

09
jul

As vinícolas que conheci em Paso Robles

Quando decidi fazer essa viagem à Califórnia, muitas pessoas torceram o nariz imaginando que eu faria um roteiro óbvio, ou como muitos turistas que procuram os Estados Unidos para compras e passeios em outlets.

Mas quem me acompanha sabe o quanto sou apaixonada por viagens e o quanto às planejo nos mínimos detalhes. Sendo assim, na minha primeira vez na costa oeste americana procurei fugir do óbvio e nas pesquisas que antecederam minha ida conheci mais sobre a região de Paso Robles.

Para quem nunca ouviu falar desse lugar, trata-se de um aglomerado de vinícolas que fica há 212 Km de Monterey e a 230 Km de Santa Barbara pela highway 1. Uma localidade encantadora e uma excelente opção de pernoite para quem curte vinhos!

Dentre as mais de dez vinícolas que Paso Robles abriga, eu e minhas super companheiras de viagem escolhemos cinco: Justin, Daou, Adelaida, Eberle e Villa San Juliette!

Vale lembrar que nessa parte da nossa aventura pela Califórnia dedicamos alguns dias a mais e assim conseguimos conhecer a região com mais calma. Mas para quem tem poucos dias pelo lugar, segue valendo a visita!

Vinícola Justin:
Fundada em 1981, a vinícola Justin é reconhecida por seus vinhos tintos Bordeaux que possuem sabor acentuado devido ao solo rico em calcário fossilizado.

Por lá, eles misturam técnicas rudimentares como a colheita manual e o envelhecimento em barril de carvalho, com a tecnologia utilizada para garantir uma maior durabilidade das uvas.

Vinícola Daou:
O passeio na vinícola Daou foi um dos mais interessante, a começar pela história dos fundadores que tinham uma empresa milionária de computação e largaram tudo para viver o sonho de produzir vinho na Califórnia.  A Daou é uma vinícola que passa por sua segunda geração e é conhecida por ter sua colheira realizada durante a noite, priorizando a qualidade de suas uvas.

Todas as frutas da DAOU Mountain são colhidas a dedo, depois classificadas tanto pelo olho humano quanto pela tecnologia ótica de ponta para garantir a pureza absoluta dos frutos. Usando cem por cento de suco livre, o enólogo Daniel Daou inicia a fermentação com leveduras nativas cultivadas na propriedade. Cada fermentação é personalizada medindo a composição fenólica e usando análise sensorial, permitindo que Daniel oriente o equilíbrio natural e a textura.

Vinícola Adelaida:
O Dr. Stanley Hoffman plantou o primeiro Pinot Noir no terreno escarpado da encosta do que é hoje o Vinhedo HMR no distrito de Adelaida, em Paso Robles. Ele plantou também algumas das primeiras videiras de Cabernet Sauvignon e continuou em 1973 a plantar Chardonnay no Vinhedo HMR.

Os vinhedos que localizam-se a 1400-1800 pés acima do nível do mar produzem vinhos premium engarrafados e bem conceituados.

Vinícola Eberle:
Fundada há 38 anos atrás por Gary Eberle, a vinícola Eberle recebe hóspedes diariamente com degustações de vinho de cortesia, passeios públicos nas instalações de produção e 16.000 pés quadrados de cavernas subterrâneas. Eles também abrigam uma variedade de deliciosos e divertidos eventos realizados na vinícola durante todo o ano. Por lá realizamos uma visita guiada por entre esses incríveis túneis cheios de boas histórias.

Vinícola Villa San Juliette:
Sustentabilidade e responsabilidade ambiental são as palavras de ordem na Villa San-Juliette, que desde 2013 possui o SIP Certified conquistado através de uma auditoria rigorosa de suas práticas de cultivo e operações de vinícolas. O certificação SIP – que significa Sustentabilidade na Prática – é um processo abrangente realizado pela Equipe Vineyard, que representa muito mais do que vinhos “verdes” ou “orgânicos”. Esse selo procura construir comunidades entre as vinícolas e trabalhadores. O resultado é uma rede de agricultores e vinicultores apaixonados e que buscam deixar um legado duradouro e saudável para a próxima geração.

04
jul

Vem aí a segunda edição da Feira Chica!

A valorização da economia local nas grandes cidades têm se mostrado como uma tendência comportamental  nos últimos anos. Trocar itens produzidos em marcas renomadas e com pouca durabilidade por produtos confeccionados com qualidade artesanal, vêm se tornando cada vez mais comum e viável.

Parte responsável por essa mudança de mentalidade, são as feiras que acontecem frequentemente em diversos pontos das metrópoles, apresentando propósitos como o desaceleramento do consumo e o feito à mão.

Em Belo Horizonte essas pequenas iniciativas já são muitas e ganham cada vez mais espaço na programação cultural. Dentre as inúmeras feiras desse tipo, destaca-se a Feira Chica – um evento que tem por objetivo promover mulheres que empreendem localmente.

Idealizada pelas amigas Milene Agnes, Marcelha Pereira e Elisa Santiago, ela chega a sua segunda edição com um maior número de expositoras, muita moda, arte, design e um novo lugar!

Dessa vez a Feira Chica será recebida em um dos espaços mais comentados e charmosos de BH: a Casa Rosa do Bonfim, uma construção dos anos 50, administrada pela artista plástica Paulina Ribeiro, que abriga obras de arte urbana e um jardim irresistível!

Reforçando ainda mais a ideia de impulsionar negócios com gestão feminina, as curadoras contam que nessa segunda edição além das expositoras, todos os serviços contratados para fazer o evento acontecer são administrados e realizados por mulheres, desde à dona do espaço, passando pela fotógrafa, até a segurança.

Dentre a lista de marcas presentes na feira, nomes como Fernanda Torquett, Jambu Bags e Yellow Factory estão confirmadas, além de diversas outras opções de roupas, acessórios, decoração, perfumaria, papelaria, botânica e gastronomia.

A Feira Chica é uma excelente opção não só para quem quer comprar e conhecer novas produtoras, mas também para quem quer passar o dia, relaxar e comer várias delícias que serão oferecidas em food trucks na porta da casa.

O evento acontece então no próximo sábado, dia 7 de julho, de 11h às 17h e tem entrada gratuita para todos, inclusive para quem quiser levar os pets! Se eu fosse você, já colocava na agenda, por que será imperdível!

 

Para mais informações basta ir ao instagram da feira @feira.chica ou ao evento no facebook!

Feira Chica

Dia 7 de julho – de 11h às 17h

Casa Rosa do Bonfim – Rua Botelhos, 90 (entrada pela Rua José Ildeu gramicelli)

11
abr

Rooftops legais em NY – Apresentando: Le Bain

Quem já me acompanham por aqui sabe que passei uma boa temporada em NY no último semestre, né.. E lá, hoje em dia, não quem não fale dos badalados rooftops da cidade. Quem está passeando pela cidade, definitivamente não pode deixar de conhecer um.. Especialmente nos dias mais quentes, fica simplesmente irresistível ver um por do sol através de um deles.

Pra quem não sabe, Rooftops são os terraços dos hotéis, que se transformam em maravilhosos bares, oferecendo bons drinks, muita gente bonita e ainda proporcionam uma vista fantástica de NYC. Um verdadeiro “must to go” para quem estiver planejando uma ida à cidade.

Como funciona um RoofTop?

– Às vezes o bar inteiro fecha para eventos exclusivos. Ligue antes para não se frustar.

– Não precisa pagar para entrar.

– Os rooftops costumam ser muito badalados nos meses mais quentes. Nas estações mais frias alguns até fecham ou fica muuuito vazios. Nem vale á pena.

– A maioria deles abre no final da tarde. Ótima pedida para Happy Hour. Já pensou assistir ao pôr do sol com uma linda vista e bons drinks? 

E hoje trouxe um muito especial para apresentar aqui: o Le Bain –Hotel Standart

O Le Bain fica no terraço do Hotel Standart e além de Rooftop, também possui uma boate responsável por transformar o Rooftop em pré para a balada por lá mesmo. Quem quiser mais agito, é o lugar certo!

É badalado, tem cartela de drinks bem variada (e cara, diga-se de passagem), mas todo esforço é recompensado com linda vista do Hudson River. Ah! Não deixe de comer os crepes de lá. No final da noite, é pedida tradicional!

E não acabou por aí! O Le Bain ainda é famoso por possuir uma piscina dentro da boate. No mínimo, inusitado!le-bain-nova-york nyevcO público acaba sendo bem variado, dependendo do horário. De tarde o público do rooftop é mais maduro e de noite é mais jovem. Seja para curtir o visual com a luz do dia ou para dançar e ver gente diferente, o local é uma ótima opção.
lebain6

Le Bain
444 W 13th St
10014 New York
+1 212-645-4646
 16:00 às 04:00