Fresca? Não! Bem criada.

Tag: Scotland

12
out

Vídeo: Locações de OUTLANDER (de Craigh na Dun a Lallybroch)

Este é, definitivamente, um dos vídeos mais emocionantes de toda a existência do canal: quando visitei/conheci as locações de Outlander! Mais do que isso, foi a viagem mais emocionante de toda a minha vida, coroada com locações de gravação da série que mais amei/amo de todos os tempos.

De Lallybroch ao Castelo de Leoch, das ruas de paris ao castelo de Sandringham, de Culloden, onde ocorreu a Batalha de Culloden aos assentamentos dos povo Higland, da estação de trem onde Claire e Jamie se despediram em 1940 aos jardins onde foram filmadas as cenas do Palácio de Versalhes, tem tudo, tudo isso e muito mais.

Venha ver com seus próprios olhos do que tô falando!

Se você ainda não se inscreveu no Canal do Anita Bem Criada no Youtube, aproveite para se inscrever clicando aqui! Quem se inscreve recebe os vídeos primeiro (no e-mail e/ou celular) e assim, não perde nada do que vem por aí!

29
ago

Afternoon tea – The Signet Library

A cultura no Reino Unido é extremamente rica em tradições. Cada lugar que visitamos ficamos encantados com a força dos costumes que se mantiveram preservados até os dias de hoje. Por onde passamos vimos música, culinária e tantas outras artes intactas através do tempo, nos lembrando de sempre voltar as origens. De todos os hábitos que convivemos ao longo desse mês na Escócia, sem sombra de dúvidas, um dos meus preferidos é o clássico afternoon tea, ou o chá da tarde.

Essa mania britânica surgiu por volta de 1662, quando a princesa portuguesa Catarina de Bragança, que se casaria com o rei Charles II, trouxe o costume para a Inglaterra. Mas foi apenas no século XIX, que tomar um chazinho durante o entardecer virou moda graças à duquesa de Bedford, Anna Maria Russell, que sentia fome entre o almoço e o jantar e então convidava seus amigos para uma boquinha no final da tarde.

Com tantos dias imersa nesse banho de tradições, eu não poderia deixar de vivenciar um legítimo afternoon tea! Por isso escolhi não só um, como dois lugares incríveis para desfrutar de um verdadeiro british time! O primeiro local eu te conto agorinha como foi, já o segundo é assunto pra outro post!

Em Edimburgo, um dos lugares mais tradicionais para se tomar chá é a The Signet Library, um prédio antigo onde funcionava o parlamento escocês. O salão principal, onde acontecem os afternoon teas, abrigava uma antiga biblioteca e por isso o cenário é por si só um evento. Livros e história por todos os lados!

O cantinho onde sentamos era bem intimista e rodeado de publicações antigas que definitivamente nos transportou para outras épocas! Uma dica valiosa na hora de reservar uma mesa, é pedir para sentar perto da janela com vista para a catedral de St. Giles!

Os chás acompanhados daquelas comidinhas super fofas, podem ser escolhidos em diferentes pacotes. Eu e Luciano optamos pelo tradicional, porém existem outras opções que incluem espumante ou gin. Mas todas elas oferecem chá a vontade, podendo experimentar diversos sabores!

Os petiscos, ou finger foods, que vêm junto ao chá, inicialmente parecem pequenos, porém no final nem conseguimos comer tudo. Os ingredientes são de primeira qualidade e tudo é servido tradicionalmente: comidas salgadas primeiro, doces e o famoso Fudge, doce tipicamente escocês.

Para quem está planejando visitar a Escócia, tirar um dia para o chá da tarde vale muito a pena! Na Signet Library você consegue fazer reservas tanto pelo site, quanto pessoalmente, que foi o nosso caso. Uma dica importante é reservar com antecedência já que o evento é bem disputado!

 

22
ago

A moda escocesa e sua influência

É inevitável estar em um lugar diferente, diante de costumes que muitas vezes não são os nossos, e não ficar contemplando os hábitos das pessoas que vemos nas ruas. Nessa minha imersão na cultura escocesa não seria diferente. Por onde passo vejo lojas típicas com os famosos kilts nas vitrines e pessoas que carregam elementos gaélicos em sua vestimenta.

E boa curiosa que sou, decidi ir um pouco mais a fundo e pesquisar sobre a história da moda escocesa e de suas influências. Obviamente, vou compartilhar tudo isso com vocês por aqui! Vem comigo?Os kilts são saias tipicamente escocesas, pregueadas na parte de trás e transpassadas na parte da frente. Eles foram originalmente destinados aos homens guerreiros dos clãs das terras altas. Cada tartã (ou tartan, padrão quadriculado e xadrez) dessas vestimentas representa uma família específica, como os clãs Stewart, Fraser e tantos outros.

A tradição diante desse traje é tão forte, que se perpetuou ao longo dos séculos e inspirou não só o povo gaélico, mas também o universo da moda. A estampa xadrez é sem dúvidas uma das mais famosas do mundo e junto da estética da peça em questão, já foi tema de coleção de diversos estilistas.

A aparição mais icônica da influência escocesa na indústria fashion foram os looks vestidos por Alexander McQueen e Sarah Jessica Parker no tapete vermelho do também tradicional Baile do Metropolitan Museum of Art em 2006. Com a maestria do estilista, a dupla surgiu vestindo o tartã por cima de um vestido e de um smoking, quando o tema da festa era a tradição e a transgressão britânica na moda.

Nas passarelas um dos desfiles mais memoráveis em que o xadrez escocês imperou, foi a temporada de inverno 2013 da marca italiana Moschino. A estampa aparece em terninhos, blazers, conjuntos e vestidos, acompanhada de outras referências da cultura britânica, como os uniformes dos guardas reais ingleses.

Por fim e um pouco mais perto de nós, Glória Coelho já vem flertando com a cultura escocesa desde os anos 90. Declaradamente fã do universo gaélico, a estilista apresentou sua coleção pre-fall de 2016 mergulhando em ícones da Escócia como trajes de guerra medievais, aquela bolsinha que se usa na frente dos kilts e os próprios tartãs em uma releitura através de sua famosa alfaiataria futurista.

18
ago

Hotel nas Highlands (Invergarry) – Glengarry Castle

Ter a oportunidade de viajar por tanto tempo seguido, como eu e Luciano gostamos de fazer, nos permite desfrutar dos lugares de maneira mais minuciosa, parando nas cidadezinhas, conhecendo a fundo a cultura de cada lugar. Quando conseguimos fazer tudo isso de carro, é ainda melhor, pois ficamos mais livres quanto a horários e programação.

No nosso roteiro pelas terras altas não foi diferente, alugamos um carro e fomos parando em diversos lugares. Nesse esquema, conseguimos nos hospedar em locais incríveis e ter experiências que nos aproximassem ainda mais da história e da vida local na Escócia.

Um desses hotéis de tirar o fôlego, foi o Glengarry Castle, em Ivergarry. Sem dúvida, foi a hospedagem que mais me emocionou e surpreendeu durante a viagem, não só pela paisagem naturalmente estonteante, mas também pela aura dos cômodos e dos arredores, que nos transportou para outros tempos.

A região que hoje abriga o hotel, inicialmente abrigou o castelo de Invergarry, que foi incendiado durante conflitos locais no século XVII. Em 1866, o Glengarry Castle foi construído e em 1958 veio a se tornar um hotel aberto ao público. As ruínas do antigo castelo ainda estão presentes no entorno e podem ser visitadas.

As acomodações do local são simplesmente impecáveis! Desde os quartos, dignos de princesas com cama com dossel e vista para uma floresta exuberante , até a sala de chá e a biblioteca. Tudo tipicamente decorado ao estilo escocês e de quebra com a paisagem de um lago privado aos fundos, um passeio a parte!

O café da manhã e o jantar definitivamente foram eventos a parte. Fartura, ingredientes super selecionados e uma apresentação perfeita! De noite especificamente, pedi de entrada uma salada de figo com mussarela de búfala enquanto Luciano comeu uma carne de cervo. Como prato principal escolhi um peixe e Luciano escolheu um cordeiro. De sobremesa pedimos uma trouxinha de morango com marshmallow e por fim, chocolate!

Dizer tchau a todas essas maravilhosidades do Glengarry Castle foi uma das partes mais difíceis da viagem até então. O lugar é mágico e tenho certeza que morei por lá em outras vidas! A vontade mesmo era de me mudar pra lá levando mamita, papito, pituca, família, papagaio e periquito! Rs

11
ago

Hotel nas Highlands (Ilha de Skye) – Cuillin Hills

A viagem para a Escócia definitivamente me faz sentir o tempo todo dentro de um cenário de filme! Cada lugar possui paisagens de tirar o fôlego e me fazem agradecer a todo momento por mais essa oportunidade! Com os hotéis, não seria diferente! Cada acomodação que adentramos nos faz imaginar épocas passadas e desejar ter vivido por lá!

Dessa vez ficamos hospedados no Cuillin Hills, em Portree, a maior cidade na Ilha de Skye. A região possui um porto muito charmoso com casinhas coloridas e é cercada por montanhas e penhascos que são pontos turísticos! O hotel é considerado quatro estrelas e possui uma vista super aconchegante para a baía de Portree, além de estar em uma localização excelente, a dez minutos do centro caminhando a pé!

Das hospedagens que ficamos durante o roteiro nas Highlands, sem dúvidas essa foi a mais moderna e diferente das construções tipicamente escocesas, já que a própria Ilha de Skye é uma das localidades mais contemporâneas das terras altas.

O quarto que ficamos já não tinha a decoração tão típica como no hotel anterior, porém tudo estava impecável e super aconchegante, incluindo a vista da nossa janela, que dava para um jardim lindo!

O café da manhã foi uma power refeição! Muita variedade e provamos o black puddin, prato tradicionalíssimo na Grã Bretanha que consiste em uma espécie de chouriço acompanhado de bacon, ovos, cogumelos e salsicha. Bem ao estilo viking!

Na hora de escolher onde nos hospedarmos na Escócia, pensamos na praticidade que o local poderia oferecer em relação não só à localização, mas também em relação à gastronomia – quando o assunto é comer bem é com a gente mesmo. Ter um bom restaurante dentro do hotel, fez com que desacelerássemos o passo durante a viagem e nos permitiu desfrutar tranquilamente o espaço à nossa volta!

O jantar oferecido pelo Cuillin Hills foi espetacular! Segundo o Luciano, foi a melhor carne de cordeiro que ele já comeu na vida! Já eu, fiquei na opção mais light, mas não menos saborosa, com um linguado!