fbpx

Fresca? Não! Bem criada.

Tag: Viagens

01
jan

Buenos Aires: Dicas – Onde comprar



Apenas para cumprir o prometido, aqui vai o último post com dicas de Buenos Aires. E hoje vou falar das comprinhs. Buenos Aires é um bom lugar para comprar, não nego. Mas também não achei o paraíso das compras como já ouvi dizerem por aí. Achei tudo com preço beeem parecido com os nossos aqui, ou um pouco mais baratos (com exceções, claro). Mas uma forma de comparação fiel que encontrei foi entre a Zara daqui e a Zara de Buenos Aires. Achei roupas aqui e lá e a de lá ganhou sim, porém com preços pouco mais módicos que os daqui. De todo modo, vale a pena pela variedade, pelas novidades e, especialmente, pelos utensílios de couro. Mas enfim, é a minha opinião, né.. De repente, numa próxima ida eu mude de ideia. Estou longe de esgotar o tema mais uma vez, mas nem por isso deixarei de dar algumas sugestões.
Fiz meus passeios todos nos primeiros dias da viagem e deixei os dois últimos dias só para comprinhas (sendo um deles só para os outlets da Villa Crespo). E como em dia de compras temos que ser “profissionais” não sobrou tempo para fotinhas, ok? Sorry! Então seguem aí apenas informações mesmo (de primeira necessidade heheh).
Bom, mas se a intenção é mesmo de comprar, tem-se que estar disposto a percorrer do início ao fim a Calle Florida e as Avenida Santa Fé, Córdoba e Corrientes, além dos outlets da Villa Crespo. Há ainda os shoppings: Galerias Pacífico, Pátio Bullrich, Alto Palermo e Galeria Bond Street, que é uma espécie de Galeria do Rock de São Paulo onde se encontra camisetas, roupas e livros para os mais moderninhos e seguidores da linha rock and roll.
ALTO PALERMO SHOPPING: Em Palermo. Endereço – Fica localizado entre 2 avenidas – Av. Santa Fé e Av. Coronal Diaz.GALERIAS PACÍFICO: Ótimo para comprar produtos Vichy e La Roche Posay e Bobby Brown. A MAC de lá é caréeeeeesima. Mais barata que a nossa aqui, porém, beeeeem mais cara que no Free Shop. Endereço.  Centro – Entre rua Córdoba e Florida.
ABASTO SHOPPING: Lá tem uma Zara das boooouas. Endereço – Av. Corrientes 3247 .
PATIO BULLRICH: O mais elegante dos quatro. Tem lojas como Ferragamo, Boss, Tiffany, Zegna. Eles levam e buscam os clientes no hotel, sem nenhum compromisso de compras (dá pra economizar o taxi até a Recoleta ou o Alvear). Endereço – Possadas, 1269, Recoleta.
DOMA: Não fui, mas dizem ser a melhor loja de couros de Buenos Aires. Ela vende no mundo todo e o preço lá é bem melhor por ser fabricado na própria Argentina.
FALABELLA: Um lugar bacana e enorme para compras, especialmente, itens para casa. É uma rede chilena que tem uma loja enorme na Rua Florida
FEIRA DE ARTESANATO NA RECOLETA: Acontece aos sábados e conta com muito artesanato e detalhes que a gente adora
SHOPPING DESIGN: Junto da praça tem Buenos Aires Shopping Design, que tem coisas ótimas pra casa por preços convidativos e um Hard Rock Café baratíssimo (segunda a Lorena, se você for das 17 às 21h, todas as bedidas saem pela metade do preço).
PLAZA SERRANO: Uma maravilhosa feira de moda que rola nos fins de semana.
FARMACITY:  Esta dica é para as viciadas em maquiagem e cuidados com a beleza. Lá que comprei meus esmaltes, o The Falsies (que esqueci de registrar naquele post) e otras cositas mas. Lá encontramos linhas completas da Maybelline, Rimmel London, Revlon e Tressemé. Tem praticamente uma a cada esquina.
BOUTIQUE DEL LIBRO: Mix de livraria, café e loja de CDs e DVDs.
GALERIA QUINTA AVENIDA: Dizem que lá se encontra dezenas de lojinhas cheias de tesouros baratinhos dos anos 60 e 70.
O MELHOR PROGRAMA DE COMPRAS DA VIDA!!!: HAHAH.. Tô exagerando sim, mas realmente ameeeei bater perna nesse roteiro. Reserve um dia para bater perna em Palermo. Lá estão as lojas cool e várias lojas outlets – Villa Crespo (em Palermo Viejo), como Levi’s, Cacharel, Lacoste, Puma, Nike, Adidas, Christian Dior, Brooksfield. Uma dica: fomos do Centro para lá de taxi e fizemos o percurso começando na rua Francisco de Aguirre e subimos a Gurruchaga em direção à Avenida Córdoba. São as 3 principais com outlets .
RAPSODIA: Tem um estilo boho-chic bem interessante. Os tecidos são de algodão puro, seda pura, chiffon de seda e as estampas são exclusiva. E o melhor: a Rapsodia tem um Outlet, que eles chamam de “Rapsodia Vintage”, que fica na Aguirre 729 (a mesma região dos outlets)AYRES: Chique, moderna, clássica, e tudo ao mesmo tempo!
STREET: Loja de ótimo preço com casacos de “couro”, coletes com pele fake, saias de babados,
PRÜNE: Vende couro e calçados. Não é barateira, mas tem um bom outlet da marca na rua Curruchaga, 861, Palermo (também na Villa Crespo)
HERMÉS, LOUIS VITTON, ESCADA, CHANEL, CARTIER… Vá para Rua Alvear. Recoleta.
ISADORA: É outra que tem uma a cada esquina. É o paraíso dos lenços, bolsas, acessórios. Uma espécie de Accessorize, sabem? Eu arrematei várias coisinhas: colares, braceletes, bolsa..
DUTY FREE BUENOS AIRES (EZEIZA):duty free do Ezeiza é bem grande e um ótimo lugar para “fechar” sua viagem.. hehe. Reserve pelo menos umas duas horas SÓ para o free shop (não inclua aí check-in, embarque, etc). É muito melhor e maior que o de São Paulo.
Aqui embaixo só umas fotinhas que tirei dentro da Adidas, da coleção Stela McCartney para Adidas. Gente, é tudo lindoooooooooooo e são roupas que usaríamos fácil fácil no dia a dia (não se restringindo ao estilo esportivo). Queria trazer um de cada. Pq será que não ouvimos falar disso por aqui? Ou fui EU que não ouvi??..rs



E vocês? Têm mais algum super achado para complementarmos essa listinha de sugestões?
Fontes:Sim, sou neuróticaGarotas EstúpidasMi Buenos Aires querido

01
jan

Buenos Aires! – Dicas: Onde ir (passeios)


Oi pessoal! Como sabem, passei quase uma semaninha em Buenos Aires e isso, naturalmente, me renderia mooooooooitos posts. Mas, para não ficar cansativo, até porque, já sabem, sou prolixa no último, vou dividir os posts de acordo com os assuntos, ok? Ao final farei um post sobre as impressões gerais, dicas gerais, pitacos enfim! E hoje vou começar falando dos passeios, da parte mais turística de Buenos Aires. Claro que não consegui fazer todos os programas, por questões de tempo, de clima, de cansaço, etc. Mas é até bom que ainda tenho muito o que fazer para querer voltar ali. De todo modo, fiz um apanhado com base no que visitei de fato e no que pesquisei antes ou depois da viagem. Então vamos lá!
Guia rápido de viagem: passeios em Buenos Aires
Para começar, queria dar uma dica que acho de extrema utilidade, não obstante, muitos façam careta para para ela. Estou falando do Buenos Aires Bus. Sabem aqueles ônibusinhos double deck vermelhos (mas lá é amarelo) que passam nos principais pontos turísticos de determinada cidade com um bando de turistas sobre ele? Então, é aquilo mesmo. Pode parecer estranho à primeira vista, mas acho de uma utilidade sem fim. Especialmente se você não teve tempo de programar o passo-a-passo de sua viagem (como eu), isso é o que há. Durante a semana o primeiro horário do ônibus é às 8:40 e o último às 22:15, passando de 20 em 20 minutos em cada ponto. O que que eu fiz? Comprei o ticket de 48 horas, que custou 90 pesos (mais ou menos 35 reais) e usei no sábado e no domingo para ter uma visão geral dos passeios. O legal desses ônibus é que você pode subir e descer quantas vezes quiser, de acordo com o seu interesse sobre aquele determinado ponto que ele passar. Isso sem ter que ficar pegando taxi ou metrô, e nem cansando seus pézinhos de imediato. Então, tendo um panorama geral de toooooooda a cidade no sábado e no domingo, no restante da viagem ficamos por conta de voltar onde mais gostamos, de explorar à nossa maneira, enfim, aí sim sentimos segurança e liberdade para fazermos os passeios à nossa maneira. Mas a “apresentação” dada pelo busão foi fundamental.

Todas as unidades contam com  sistema automatizado de transmissão de informação turística mediante circuitos de audio pregravados, com imagens e serão difundidos de maneira sincronizada com o itinerário do ônibus. E os idiomas disponíveis para a informação são os seguintes: alemão, árabe, espanhol, chinês, mandarim, francês, inglês, italiano, português, japonês e até hebreu (ou hebraico??). São vinte paradas nos principais pontos da cidade:
Parada 0: FLORIDA | Diagonal Norte e Florida
Parada 1: PLAZA DE MAYO | Rivadavia e San Martín
Parada 2: PLAZA CONGRESO | Rivadavia e Montevideo
Parada 3: SAN TELMO | Avenida Paseo Colón e Av. Independencia
Parada 4: ESTADIO BOCA JUNIORS | Brandsen 805
Parada 5: EL ESTAÑO 1880 | A. de Valle e Hernandarias
Parada 6: CAMINITO | Avenida Pedro de Mendoza entre Magallanes e Rocha
Parada 7: MADERO ESTE | Elvira Rawson de Dellepiane e Julieta Lanter
Parada 8: PUERTO MADERO | Juana Manso e Macacha Güemes
Parada 9: GALERÍAS | Av. Córdoba entre San Martín e Florida
Parada 10: PLAZA SAN MARTÍN | San Martín e Florida
Parada 11: MALBA | Av. Figueroa Alcorta 3400
Parada 12: PALERMO ROSEDAL | Av. Sarmiento entre Av. Fig. Alcorta e Av. Del Libertador
Parada 13: CAMPO ARGENTINO DE POLO | Av. Del Libertador 4400
Parada 14: EL SOLAR | Av. Luis María Campos entre Maure e Gorostiaga
Parada 15: BARRIO CHINO | Juramento e 11 de Septiembre
Parada 16: MUSEO LARRETA | Av. Juramento e Vuelta de Obligado
Parada 17: JARDÍN ZOOLÓGICO | Av. Del Libertador e Av. Sarmiento
Parada 18: RECOLETA | Av. Del Libertador e Av. Pueyrredón
Parada 19: AVENIDA ALVEAR | Av. Alvear entre Av. Callao e Rodríguez Peña
Parada 20: TEATRO COLÓN | Cerrito entre Viamonte e Córdoba
Parada 0: FIM DE PERCURSO | Diagonal Norte
Vale mooooooito mexxxxmo!
Bom, então, dando continuidade, vou mencionar ao menos um pouquinho sobre o que mais me chamou a atenção dos passeios/pontos turísticos, ou sobre o que mais me deu vontade de ir, mesmo não tendo tido a oportunidade.
– FEIRA DE SAN TELMO: é uma feira de antiguidades que funciona todo domingo, na Plaza Dorrego, de mais ou menos umas 10h até umas 17h. A Feira de San Telmo mesmo acontece na Plaza Dorrego, porém, ao longo da Calle Defensa e nas ruas que a cruzam há uma enormidade de lojas das mais diversas, desde decoração e antiguidades até roupas e acessórios! Ali dentro tem o MERCADO DE SAN TELMO, com entradas pelas ruas Defensa, Estados Unidos, Carlos Calvo e Bolivar. Ali podemos encontrar açougues se misturando a barracas de verduras, legumes, lojas de antiguidades, de discos, de bonecas e de roupas. Um “furdúncio” só. Muito legal, muito colorido, muito rico. Só é bom tomar um certo cuidado para não cair na armadilha da “antiguidade”. É que tem uns e outros (não todos) que vendem objetos como antiguidade sem nem de longe se tratar de uma.

Miscelänea

– CALLE FLORIDA: Um dos atrativos turísticos da cidade é a famosa Rua Florida, uma rua de pedestres que possui em toda sua extensão lojas e galerias de todo tipo. Na Florida com a Av. Córdoba está localizada a “Galerias Pacífico”, uma valiosa “jóia arquitetônica” e artística onde se destacam seus imponentes murais e a qualidade de suas ofertas. Esta rua Florida é parada e passagem obrigatória, especialmente para quem ficou no Microcentro como eu. É legal conhecê-la. Realmente um fervedor de gente, ambulantes, tangueiros, vendedores esguelando nas portas de suas lojas. Mas não sei se era meu corte de cabelo ou do marido (leia-se: não usávamos mullet) mas parecia estar estampado na nossa testa que éramos brasileiros e isso, não sei porque cargas d´água, era a alegria dos hermanos. Faltavam puxar a gente pela camisa par anos mostrar suas “ofertas”, “propostas”.. Isso é bem chatinho..

Galerias Pacífico

– PLAZA DE MAYO: a Praça de Maio é rodeada por vários dos principais edifícios da Argentina como a Casa Rosada, o Cabildo, a Catedral Metropolitana de Buenos Aires, o edifício do Governo da cidade de Buenos Aires, a casa central do Banco da Argentina e o Banco Nación. É, de fato, a principal praça do centro da cidade de Buenos Aires. Seu nome se deve à revolução ocorrida em maio de 1810. É a caixa de ressonância das grandes manifestações populares do país e cenário de expressões políticas, sociais, esportivas e artísticas. É considerada o centro da vida política de Buenos Aires.


– CASA ROSADA:  É a sede da Presidência da República, em cuja sacada foram feitos os mais importantes pronunciamentos da história argentina. O interior do edifício conta com vários pontos de interesse mas só o museu está disponível para visitas públicas. Se não quiserem fazer a visita guiada (que é gratuita), pelo menos aos domingos, que é quando fui, é aberta à visitação. É bem bonita por dentro, mas me parece beeem pequena.


– CONGRESO NACIONAL: a sede do parlamento se encontra no Palácio do Congresso, na Praça dos Congressos que fica no final da Avenida de Mayo, a mesma que o conecta diretamente com a Plaza de Mayo onde se encontra a Casa Rosada, sede do Poder Executivo. É a sede do Poder Legislativo Nacional. Construído em 1906 e segue um estilo greco-romano. O desenho do edifício foi obra do arquiteto Vittorio Meano. Passei apenas em frente, no busão.
– PALERMO: considerado um dos passeios mais agradáveis de se fazer. É tido como um núcleo cultural, sendo chamado até de pulmão da cidade. O bairro é dividido em Palermo Viejo, Soho e Hollywood e é cercado por lojas de todos os tipos, novos estilistas, bares, cafés e restaurantes para todos os gostos. Andei pouco por lá, queria ter aproveitado mais, mas foi o suficiente para perceber o charme do bairro. Tomar um helado por ali, biritar um vino ou uma cerveza, fazer compreeeeeeenhas, não tem preço. Nos finais de semana, ainda é possível pegar a feirinha aberta, mas eu não conheci.
– PARQUES DE PALERMO: – Zoológico: é o segundo zoológico mais visitado do mundo. Aberto de terça a domingo de 9h30 a 18h.
– Jardim Botânico: mais de 8000 espécies vegetais de todo o mundo. Uma estufa subtropical foi criada para abrigar as variedades mais exóticas.– Rosedal: um belo jardim com várias espécies de rosas, no coração do parque, entre os lagos. Aberto diariamente de 12 a 19h.– Jardim Japonês: Dizem ser liiiiiiindo de viver. Arroios, lagos artificiais com peixes, oásis de pedras, numerosos bonsais, venda de plantas e a Grande Casa de Chá são os destaques. É cobrada entrada.De todos, todos, o que queria mesmo ter ido e não fui foi o Jardim Japonês. Mas explico, esse é o tipo do programa em que se vai num dia de sol, para sentar e deitar na grama, tomar um solzinho, fazer um piquenique, ler um livro, etc. Mas agora que fui o clima não era propenso para este tipo de passeio. Estava mooooooito frio (de cortar o rosto) e um um pouco chuvoso. Então, esse tipo de programa com certeza entra na lista dos próximos afazeres em Buenos Aires.
– HIPÓDROMO ARGENTINO DE PALERMO: as corridas de cavalos e tango sempre fizeram parte da história e cultura portenha. Está localizado na mesma área de Palermo que o Rosedal, o Planetário, o Jardim Zoológico, os lagos, o Jardim Japonês e Botânico e seu edificio, desenhado pelo arquiteto Dujaric, é um interessante exemplo de arquitetura da Belle Epoque.
– MUSEUS: tem muitos, muitos mesmo, por toda a cidade. A impressão que tive é que Buenos Aires é uma cidade muito culta, de forma geral, dada a quantidade de livrarias, museus, pessoas lendo seu livrinho num café, numa praça, etc. Mas os dois mais conhecidos (ou mais turísticos) são o MALBA, de arte latino-americana e o de Belas Artes, que tem obras mais “clássicas” como porcelana Mings, mobiliários antigos e Monets, além de uma escultura do Beijo de Rodin (parece que ao todo são 4 espalhadas pelo mundo). Muito ricos pela arquitetura e pelas obras contidas em seus acervos. Mas para quem aprecia muito uma visita ao museu, não deixe de pesquisar muitos outros antes de ir.

– RECOLETA: É um bairro muuuuuuito lindo, muito sofisticado, alto nível mesmo. Ruas limpíssimas, grandes vias, prédios antigos com um ar ultra aconchegante com seus vasinhos na janela, prédios em estilo francês, inclusive a bela embaixada brasileira. Realmente é muito gostoso andar pelas ruas do bairro, especialmente pela Avenida Alvear, onde estão as lojas mais famosas (e mais caras também). Um sugestão valiosíssima: o chá das 16:30 do Hotel Alvear  (http://www.alvearpalace.com/)! Deixamos para ir no último dia, mas, para variar, meu querido estômago me pregou uma peça e, por conta disso, não tive condições de ruliçar fazer esse programa que, diga-se de passagem, foi um dos mais esperados por mim ao longo de toda a viagem ;[[[[.

Hotel Alvear

– CEMITÉRIO DA RECOLETA: É onde fica o famoso mausoleu da Evita Perón. É um dos mais bonitos e mais visitados do mundo. Suas tumbas guardam os restos de famílias tradicionais argentinas, além de grandes personagens históricos. Apesar dos protestos por suas origens humildes, Evita conseguiu ser enterrada ali e hoje se encontra na cripta da família Duarte. Uma bem simplesinha, por sinal. E gente, pode parecer meio macabro mas eu A-DO-REI este passeio. O cemitério é lindo, os túmulos e mausoleus imensos, imponentes, super trabalhados e até extravagentes mesmo. Ah, a visitação é gratuita.

Mausoleu da Família Duarte – túmulo de Evita Peron

– FLORALIS GENERICA: Linda, linda! Tem quem se decepcione, mas eu adorei. A escultura da flor tem por traz um sistema que permite com que sua grande estrutura metálica funcione com a luz solar. Ou seja, quando o céu está aberto e ensolarado, as pétalas se abrem. Quando está muito escuro/nublado ou de noite, as pétalas se fecham e se enchem de cores. Dimensões: 23 m de altura; 16 metros de diâmetro, com pétalas fechadas; 32 metros de diâmetro, com pétalas abertas; 44 metros de diâmetro, base com água. Ali, exatamente ao lado direito está a tradicional Faculdade de Direito e Ciências Sociais de Buenos Aires. Ambas se situam numa região muito linda de Buenos Aires, entre Palermo e Recoleta.



– PUERTO MADERO:  é o bairro mais novo de Bs.As. Lá estão os prédios mais altos que vi. O lugar é lindo e a proposta é muito legal. Como o próprio nome já diz, era um porto que, recentemente, foi revitalizado e hoje é um dos lugares mais chiques da cidade! Há uma enormidade de restaurantes maravilhosos e tive a oportunidade de ir a um deles que foi uma coisa espetaculosa. Tá certo que não me animo com carnes (tipo, “oiê, o que foi fazer na Argentina”??), mas para quem aprecia como o marido, é uma coisa de outro mundo. Foi o Cabaña Las Lilas, mas quando eu falar do Guia rápido de Buenos Aires: o que comer, eu falo mais detalhadamente. Depois de ruliçar horrores, vale muito um passeio ali pelas redondezas, principalmente à tarde ou à noite, para admirar a Puente de La Mujer (ponte que simboliza um casal dançando tango), ou tomar um Freddo exxxxperto.Ahhh, e quem gosta de arquitetura e design não pode deixar de ir ao Hotel Faena (ou nele se hospedar: $$$$$), em Puerto Madero mesmo. Este hotal foi arquitado por Phillip Starck e se destaca pelo bistrô, todo em branco, com detalhes vermelhos e cabeças de unicórnio. Parece-me que tem show de tango lá também, mas, se não me engano, não sai por menos de 200 doletas per capita. 😮

Puente de La Mujer

– LA BOCA: o bairro de La Boca foi originalmente o local do primeiro porto de Buenos Aires. Seu nome se deve à existência do rio Riachuelo, que com uma grande boca desembocava no Rio da Prata. A região, ao final do século XIX e início do século XX, recebeu um enorme contingente de imigrantes principalmente italianos que ali se instalaram e com poucos recursos financeiros começaram a construir casas com chapas de zinco e madeira acima do solo para evitar as frequentes inundações, que ocorriam na época, e pintá-las com as sobras de tinta dos barcos que ancoravam no porto. Estas cores vibrantes, entre as quais o vermelho, verde, azul, amarelo e laranja, se converteram na inspiração do pintor argentino Benito Quinquela Martín que cresceu em La Boca e começou a sua carreira artística retratando a paisagem e a vida cotidiana da gente do porto. Além das casas coloridas que tornaram a característica inconfundível do bairro, o hoje bastante fedido e poluído Riachuelo, os barcos abandonados, a antiga ponte de ferro em desuso e as edificações na outra margem do rio completam a paisagem à Vuelta de Rocha, uma pracinha com forma de barco, onde encontramos nas proximidades entre outras coisas, cafés, cantinas e restaurantes. Por ser um bairro da periferia de Buenos Aires, dizem que o La Boca é meio perigoso, especialmente mais à noite. Portanto, todo cuidado é pouco.


– CAMINITO: já o Caminito é uma passagem de uma só quadra localizada no coração do bairro de La Boca, povoada por artistas de rua e por tangueiros. O visual é muito legal, muito interessante. Aliás, um dos maiores cartões postais de Buenos Aires mesmo. Jogue a primeira pedra quem foi ao Caminito e não tirou uma fotita que seja embaixo daqueles muros e fachadas coloridas. Mas como outros pontos turísticos, este acho que vale conhecer sim, de preferência de manhã, quando fui, que é um pouco menos tumultuado, mas só. É realmente mooooito chato aquele povo te “assaltando”, te enfiando broche para vender, te metendo chapeu na cabeça para tirar foto “dançando tango” e, sorrateiramente, te extorquindo 10 pesos, e por aí vai. Realmente me irritei um pouco com aquilo ali. Mas que é bonitinho, isso é.. Ahhh, e antes que eu me esqueça, tem algo muuuuito especial de se fazer ali: tomar um cafézinho com biscoitinhos ou alfajor no Café Havanna. Isto sim, de lamber os beiços.



– CAFÉ TORTONI: antes mesmo de ser um café, o Café Tortoni é um dos símbolos de Buenos Aires e do tango e, por isso mesmo é que ele se encontra nesta categoria. Mas quando falar sobre lugares para comer, eu detalho mais. De todo modo, vale a visita. O lugar é lindo e foi inaugurado em 1858!!!


– OBELISCO: no cruzamento da Avenida 9 de Julio e Avenida Corrientes encontra-se o Obelisco cartão-postal clássico do centro portenho. Passando por ali de segunda a sexta é possível conhecer o perfil de um habitante da cidade, com toda a correria de um dia de trabalho. Caminhar pela avenida Corrientes é quase uma obrigação.
– TEATRO COLÓN: é um grande orgulho para os habitantes de Buenos Aires possuir um dos melhores teatros líricos do mundo. Mesmo que não assista a uma apresentação por ali, é interessante fazer uma visita guiada para conhecê-lo por dentro.



– LA BOMBONERA: oficialmente, Estádio Alberto J. Armando. É o estádio do Club Atlético Boca Juniors, mais conhecido como “LA BOMBONERA” por sua forma retangular como a de uma caixa de bombons. A principal razão para isso é o reduzido espaço que fora destinado à sua construção, iniciada em 1923. Sua capacidade total é de 57.400 espectadores e o campo segue as medidas mínimas permitidas pela FIFA (105m x 68m). Fizemos o passeio completoque durava cerca de uma hora e visitava o estádio, os vestiários, a sala de imprensa, etc etc.(tinha um outro intermediário que não ia ao estádio). Nós adoraaaamos a visita. Foi super interativo o passeio. A nossa guia nos fez cantar o “hino” da torcida organizada do Boca (dale, dale, dale, dale ô ô ô), pular na arquibancada e “empuleirar” na grade que a separa do campo!! Mico! Esta última nós pulamos, ok? Mas nem sei se foi o certo, pois o que vimos de cofrinhos e cofrões naquele momento “não tava escrito no gibi”. Nusga!

Pena (ou sorte!) que quando tirei a foto, o pessoal aí já tinha ajeitado seus derriéres

– ESQUINA CARLOS GARDEL: o Carlos Gardel está situado no bairro de Abasto, bem em frente ao Abasto Shopping. A casa é linda, e muito bem localizada e, fazendo a reserva antes, eles nos buscam e nos deixam no hotel, o que é prático, econômico e, se você der sorte de não ser o último hotel da listinha, rápido também. Decidimos ir ao show de tango do Carlos Gardel, pois diferentemente do Señor Tango que é mais estilo Broadway, cheio dos efeitos e tal, queríamos algo bem tradicional e grandioso do mesmo modo. E foi a escolha certeira. O atendimento foi maaaaaaaaravilhoso, a comida excelente, os garçons super amáveis, o show espetacular, com bons dançarinos, cantores e uma orquestra fina (localizada num nível superior ao palco, o que a deixou ainda mais bela)! O jantar foi um caso à parte que comento quando falar dos lugares para se comer em Buenos Aires. Não é barato. Saí 125 dólares por pessoa (jantar + show) ou 90 dólares por pessoa (apenas o show). Mas valeu muito!! Tanto pelo jantar, quanto pelo show. Foi um dos programas que mais amei de toda viagem. Ah, e o vinho é à vontade.. Hic..




– EL ATENEO: é o mesmo comentário do post anterior, mas repito apenas para deixar o post de hoje completinho. Então vamos lá! A Livraria El Ateneo um dia foi um teatro, depois virou cinema, que virou livraria e que virou atração turística. Tudo nessa ordem. A história da decana livraria El Ateneo que fica na Avenida Santa Fe, 1860, passa a ter como palco o belíssimo Teatro Grand Splendid, no ano 2000. O teatro foi construído em 1919 pelo austríaco Max Glücksmann e depois de receber espetáculos de tango, o lugar passou a funcionar como cinema em 1926, e assim se manteve por 70 anos. A decadência atingiu o espaço, e em 2000, a rede de livrarias Yenni comprou o Grand Splendid. Desde então, o lugar das poltronas foi ocupado por milhares de livros, CDs e DVDs. E o palco – onde até Carlos Gardel se apresentou – virou um café, com piano ao vivo. A livraria tem ainda um auditório para 130 pessoas. Ao todo, são cinco andares: o térreo, três galerias (como as de um teatro de ópera) e um subsolo, onde fica a seção infantil. Mas mesmo quem não deseja comprar deve entrar ali. É lindo, contagiante, aconchegante! Não tem como não ir mexxxxxxxxxxxxxxxmo!


– DELTA DO TIGRE: “Delta do Paraná”, “Delta do Tigre” ou simplesmente “Tigre”, é um grande conjunto de ilhas, reserva natural da floresta e da fauna nacional. O cenário conta com rios, canais, árvores frondosas, casas coloridas e embarcações. É um arquipélago turístico destino de milhares de portenhos aos finais de semana. No percurso da Capital Federal até o Tigre, situam-se os principais municípios da Grande Buenos Aires: San Fernando, San Isidro e Vicente Lopez. Pela sua proximidade com a capital, a região transformou-se em um lugar privilegiado de residência e miniturismo. San Fernando é a capital nacional da náutica e San Isidro é a capital nacional do Rugby, com importantes clubes de importância internacional.
Dizem que a melhor opção para chegar ao Delta do Tigre é tomar o Trem de la Costa, na estação Maipu. O trajeto até a estação final de Tigre é rápido, mas o turista pode fazer quantas paradas quiser nas 9 estações intermediárias. Cada estação possui várias opções de compras e comida.
Ao chegar a Tigre há muitas opções de passeios pelo Delta. Pode-se optar por barcos, catamarã, lanchas, e táxi aquático. Uma das opções mais populares é o catamarã, porém ele não faz nenhuma parada no Delta.  Uma dica que li de restaurante no Delta do Tigre é o Gato Blanco que fica às margens do rio, com uma bela vista e ambiente agradável. Pode-se chegar ao Gato Blanco pelo barco de transporte público ou por táxi aquático.


Não fiz este passeio por recomendação dos próprios nativos. É que, nesta época do ano, com o frio que está fazendo por lá, o que seria um passeio, diversão, tornar-se-ia sofrimento. Então, fica para a próxima!

Bom gente, aqui estão os principais pontos turísticos que vi e/ou pesquisei. Com certeza há muito mais a se conhecer/fazer em terras portenhas. Acho que esse post pode servir especialmente para quem nunca foi a Buenos Aires, ajudando a organizar os passeios (e as ideias). Lembrando sempre que esses são os programas turistões, pelo menos a grande parte do que citei aqui, o que significa: bastante tumulto, filas e etc. Mas o mais legal de tudo, na minha opinião, é vivenciar um pouquinho do estilo de vida da cidade, dos moradores lendo seus livros nos cafés, praças, etc, e não se ater aos pontos turísticos já marcados.

Fontes:
Site oficial do governo de Buenos Aires
Que tal viajar
Blog da Aman
Mi Buenos Aires Querido
Alcazum
Alma carioca
Chata de Galocha

01
jan

Diário de Anita – Parte II (Beagá!)

Continuando a saga “Minas I love you!!”, a segunda parte do diário aconteceu em BH! Retornei na quinta mesmo para BH e na sexta de manhã já tinha compromisso agendado: tattoo! Pois éee, lembram-se que fiz um post há pouco tempo sobre tattoos? A ideia de fazer o post surgiu exatamente no dia em que agendei meu horário com o Marcelo Engel da Tattoo e Companhia. Aliás, minha tattoo, não! MinhaSSS! Gente, não resisti! Fiz mais duas. E uma delas, inclusive, apelidei de Anita. Estou  com-ple-ta-men-te  in love com ela (ok, até o dia de hoje eu tava – é que ela começou a coçar taaaaanto por conta da cicatrização, que meu amor está um pouco abalado :p). Vou fazer um post com detalhes depois!No restante do dia foi pura bateção de perna. Nuh! Savassi, Shoppings, lojinhas que amo, etc, etc. Na produção, aproveitei para larapiar de leve o colar da irmã, pois estava AZUL de invejinha (branca) dela por não ter um igual. Já que não tem pra mim, teve que me emprestar. Vejam vocês se não é lindo!!? E depois de muita andança, cheguei em casa com as pernas até “doces”. Mas se pensam que parou por aí estão muito enganados. À noite já tinha encontrinho marcado com a Mícola, como sempre fazemos, para botar toooooooda a fofoca em dia, sem hora pra acabar. Fomos comer pizza. Tá certo que meu estômago me pregou uma pecinha nesse dia e eu não consegui nem olhar pra pizza. Mas o falatório não restou prejudicado em nada por isso.. hehe. Aproveitei para estrear esta sandália FO-FA da Via Mia no dia. Gostam? Eu tô amando!No dia seguinte: rosetar, rosetar e mais rosetar, claro! E nessas mexidas aproveitamos para já olhar o presente de dia dos pais do Papito. Como não sabíamos se eu e a Papaula o veríamos antes do Dia dos Pais, resolvemos não arriscar. Ele sempre, a vida toda, falou que queria iniciar uma nova fase de sua vida realizando sonhos antigos. Dentre eles, o de aprender a tocar violão. Achamos tão fofo isso que resolvemos dar uma mãozinha. Compramos nessa loja especializada em instrumentos musicais que fica na Savassi: GuitarShop.E não é que ele nos fez uma surpresa e chegou em BH sem nos avisar? Pra quê!! Quem disse que resistimos?!? Já demos seu presentinho ali mesmo. E ele adorou! Foi muito fofinho vê-lo “dedilhando” o violão, sem saber nenhuma nota, mas cantarolaaaaando que só.. ownmmmm.. Como adiantei acima, meu estômago tava chatinho esse dia. Não tive desculpa melhor pra pedir Mamita pra fazer uma sopinha pra gente. Pensa? BH + friozinho da noite + sopinha feita POR MAMITA! Não tem preço! Carninha com batatinha! Minha preferida! Já melhorei só de sentir o cheirinho do tempero. O dia seguinte, domingo, foi dia de descer CEDO pra Feira Hippie. Tava SECA pra ir à feira. Fui com tudo! E o dia teve bom, viu? Nuuuuh (2)! Tinha tanta coisa boa, bela e inspiradora! Me segurei pra não fazer estrago. Aí embaixo uma parte dos meus achadinhos! Também vou fazer um post com mais detalhes depois. De tarde foi o momento DAZAMIGA! Tava doidinha pra chegar a hora de ver AZAMIGA reunida pra muuuita prosa! Para esses momentos a gente tenta caprichar, né!? Então usei minha calça de estampa de onça que usei nesse post aqui e, no máximo, em mais uma ocasião, e amei a possibilidade de usá-lo novamente. É que vocês hão de convir que não é qualquer hora que dá pra usar essa estampa e modelo, né!? Mas gostei super do resultado. Olha uma pontinha aí.. Foto tirada a caminho do Café!Marcamos um encontrinho no Café Bistsrô Santa Sophia. Foram 10 amigas reunidas. Pense? Uma delícia! O tempo voooooa nessas horas e eu já tô contando os dias pro próximo encontro! O Café Santa Sophia é uma charmosa casa no bairro de Lourdes que trabalha com um café exclusivo e artesanal, preparado em mais de 30 opções de drinks, expressos e no coador. O mais pedido é o Mocha: expresso, leite vaporizado e calda de chocolate em três camadas. Para acompanhar as especialidades em café, o cardápio oferece opções de quitutes tipicamente mineiros, como o pão de queijo e a broa de fubá.  Entre os doces, a sugestão é a torta quatro leites: pão de ló, leite condensado, leite puro, leite de coco e creme de leite. Além de cafeteria, a casa funciona ainda como restaurante. São cerca de 20 opções de pratos fixos no menu, e quase 70 rótulos de vinho na carta de bebidas. O ambiente é amplo e conta com varanda, jardim e salão climatizado. Melhor pedida para um encontro desse tipo! Super intimista.E como tudo que é bom dura pouco, meus dias na minha terrinha querida chegaram ao fim (daquela temporada, claro!). Hora de fazer malas e de me despedir. A PIOR hora! Apesar de não caber BH e Conceição dentro da mala, a gente sempre dá um jeitinho. E num é que essas “toneladas” de cana aí (vindas de CMD) foram tooooooooodas descascadas, picadinhas e ensacadas pra eu trazer pra BSB? Gente, é muito amor! Mamita, você não existe! Tô me acabando de chupar cana desde que cheguei. Café da manhã, almoço, jantar, ceia, lanche e até no jejum.. haha. Olha, estou aqui escrevendo esse post e lendo o de ontem, toda saudosa dos últimos dias e já contando também os dias para voltar. Foi muito, muito bom! E espero que eu tenha conseguido transmitir um pouquinho do quão bom foi pra mim! Obrigada pela “audiência”. Ainda bem que tenho vocês pra ouvir tanta falação..rs. Bjoooooooo

Fonte: Instagram (@anitabemcriada)

01
jan

HERMENGARDA: TEM que ir!

Falei aqui que faria um post especial sobre o Hermengarda e isso não foi a toa! Eu tenho muito disso. Às vezes tenho experiências gastronômicas tão espetaculares que passo dias, semanas, meses falando nisso. Claro que isto é ou pode ser muito pessoal, mas o que é um blog se não um veículo de opiniões, não é mesmo!? E foi o que aconteceu com o Hermengarda.

Para quem não sabe, o Hermengarda é um restaurante de BH, situado numa casa da década de 40, no bairro Sion, onde uma jabuticabeira, bem no centro da área externa, dá o toque especial. O restaurante recebe seus clientes em um ambiente que traz o aconchego das casas das avós mineiras (esse fator com certeza me influenciou sobremaneira!!).  O nome do restaurante, inclusive, é uma homenagem à avó de Guilherme Melo, chef proprietário e criador do menu que combina a gastronomia tradicional com ingredientes regionais brasileiros. O estilo de combinar a tradição à pesquisa de cheiros e sabores do Brasil levou a casa a conquistar o paladar dos mineiros e diversas premiações, como os títulos de “Novidade do Ano”, pelo Guia Quatro Rodas 2009, e “Melhor Cozinha Variada”, pela Veja Belo Horizonte 2010/2011 e 2011/2012.

Apesar de termos reservado bem em cima da hora, ainda conseguimos uma mesa na área externa, bem pertinho da charmosa e famosa jabuticabeira. A luz é baixa, o que amo, a música também é baixa e calma, o que adoro, e os garçons maitres e sommeliers, extremamente finos e entendidos! Pedimos o couvert, que em regra, não recuso, um rosé, pois o clima pedia uma bebida um pouco mais refrescante, porém, não menos marcante, e os pratos. Aaahhh, os pratos. Ambos, espetaculosos!! O meu então, meu Deus! Eu não estou exagerando quando digo que foi um dos melhores pratos que já comi na minha vida (se não “O” melhor!). Não havia espaço para sobremesa àquela altura da noite, não obstante a vontade de fechar com chave de ouro.

Realmente foi uma noite incrível! Recomendo MUITO!

O couvert! Ótimo!

O meu prato: Camarões VG ao molho de pitanga, arroz de ervas e castanha de caju e mini moranga assada. Um ABSURDO!

O dele: Carré de cordeiro ao molho de jabuticaba com batatas gratinadas

A famosa jabuticabeira (na área externa)

O espaço interno (também uma graça!)

01
jan

Diário de ANITA!

Ei gente! Como anda o tempinho por ainda estão? Em BH a semana foi friazinha e bem gostosa, com direito a chuvinha e tudo. Esxiste coisa mais deliciosa que a equação chuvinha + quitandinha +  cafezinho?? Nãaaao tem! No finalzinho da semana, já entrando no clima do final de semana, me esbaldei, aproveitando o clima super apropriado para isto. CafézimAh, ainda no final da semana saiu uma entrevista minha no Vila Mulher, um site super legal do Terra. Lá dei dicas relacionadas ao tema “Finannças e Planejamento do Casamento“. Bem Legal. Para acssarem a entrevista, cliquem aqui. Vila MulherBom, esses dias vim dar uma passeadinha rápida em Curitiba. Já conhecia a cidade, de passagem, por conta das idas a Joinville com o Ballet, mas nunca a ponto de esticar um pouquinho mais. Não sei vocês, horas de voo e aeroporto EXIGEM um conforto, né!? Sapatos confortáveis, baixinhos, rasteirinhos são pedida obrigatória pra mim.E quando a gente consegue conforto aliado a beleza e paixão??? Vocês já devem ter percebido que o meu amor pelo pied de poule anda imenso, né!? Quando via essa sapatilha então, quase MURRY! Ela, além de fofa, é muito confortável e estilosa. Nâo pensei duas vezes! O que acham? Ah, ela é da Arezzo! Pied de pouleBom, não fui muito a fim de ficar registrando mil looks do dia não, até porque seria tudo muito rapidinho pra isso. Mas claaaaaaaaro que isso não significa nenhum registrozinho, né!? Então, pra não dizer que não rolou, aqui um look de espelho para passar um dos dias. Conforto com uma gracinha. Não custa, né!? Look do diaBom, como disse, o esquema foi beeem corridinho mesmo, mas super bem aproveitado. Deu pra conhecer bem a cidade, com destaque para alguns lindos e notáveis pontos turísticos. Um dos lugares que mais amei conhecer foi o Bosque Alemão, um bosque em homenagem aos imigrantes alemães. Amei a “viagem” que o lugar nos propõe. Entre os destaques, a trilha de João e Maria, dos contos dos Irmãos Grimm, escrito em 1812. Amei muito! Um lugar, como dito, onde você encontra “contos infantis destinados aos interssados na clareira da inocência, em meio à floresta da modernidade”. Bosque AlemãoOutros dois lugares faaaaaaaantásticos são o Museu do Olho, de Oscar Niemeyer, e o Jardim Botânico. Grandes belezas desse nosso Brasil! muito orgulho MESMO! MONJardim BotânicoUm dos restaurantes que conhecemos, que merece destaque, foi o C La Vie, dono de uma consagrada culinária francesa com um toque de inovação bem brasileiro, em um ambiente inspirado nos bistrôs parisienses. Adorei! O prato escolhido foi essa gostosura aí! C La VieAhh, estreei o meu moletom com renda mais fofo que já vi! Pensem num conforto aliado ao glamour? É isso!? Ah, e ele é da Renner! :)Moletom e RendaBom, como disse, a temporada foi intesnsa, mas curta. Hoje as coisas voltarão à sua rotina e, assim, deixo vocês com esta bela (e sem filtro!!) imagem de lindas flores do Jardim Botânico. FloresUma maravilhosa semana a todos!! Bjim!