Fresca? Não! Bem criada.

Colunistas

25
maio

Kauai – o paraíso na terra!

A mais antiga das ilhas havaianas, Kauai merece o título de paraíso na terra. Uma das nossas preferidas, sobretudo pela natureza selvagem e intocada, Kauai surpreende, emociona, faz suspirar. E muito. Prepare-se para ter aventuras ao ar livre inesquecíveis em meio a paisagens deslumbrantes.

Quer descobrir as riquezas desse refúgio natural? Fizemos uma lista com as principais atrações divididas por região. Confira!

 

Norte da ilha (North Shore)

1 – Kilauea Lighthouse 

O farol de Kilauea é um verdadeiro tesouro histórico que foi construído por volta de 1900 para ajudar os marinheiros a atracarem na praia. Atualmente, o local onde está o farol foi transformado em Refúgio Nacional de Vida Selvagem, no ano de 1985, a fim de proteger as aves marinhas que estão sempre por lá. Justamente por isso, o local é bastante procurado não apenas por turistas, mas também por observadores de pássaros.

A vista que se tem do Kilauea para o Pacífico é maravilhosa. Além disso, as trilhas são asfaltadas, o que torna esse passeio ideal para todas as idades.

O farol de Kilauea e o parque estão abertos de terça a sábado das 10:00 da manhã às 4:00 da tarde, fechados nos domingos e segundas-feiras e nos feriados federais. A entrada é de 5 dólares por pessoa. Menores de 16 anos não pagam.

 

2 – Princiville

Próximo a Kilauea está Princeville, uma região famosa por seus condomínios e resorts de luxo, a exemplo do fabuloso St. Regis. Para quem tem bala na agulha,  hospedar-se em um cinco estrelas por lá não soa mal.

Essa, embora muito tentadora, não foi nossa opção. Escolhemos um hotel mais intimista, localizado no sul da ilha, sobre o qual falarei ao final.

 

3 – Hanalei

Também em North Shore, vale a pena fazer uma paradinha na pequena e charmosa Hanalei, que já foi eleita a praia mais bonita dos Estados Unidos. Nessa praia, a lenda local Bruce Irons, e seu irmão, o falecido Andy Irons, aprenderam a surfar.

Ao voltar da praia, uma boa pedida é passar no centrinho comercial de Hanalei, onde há restaurantes e lojinhas. Aproveite para fazer um lanche e experimentar uma cerveja local no badaladinho Kalypso. No cardápio, há opções que vão de peixe cru, inclusive o famoso poke bowl, a sanduíches bem americanos.

4 – Haena Beach e Ke’e Beach.

Bem próximas de Hanalei, estão Haena Beach e Ke’e Beach. Se não tiver tempo sobrando e precisar escolher entre as duas, fique com a segunda.

A praia de Ke’e está localizada no final da estrada, é o ponto mais distante que você pode dirigir na costa norte. Protegida por um recife, é considerada um lugar seguro para nadar. Em Ke’e Beach, aliás, começa a Napali Coast e a trilha de Kalalau, que leva a Hanakapiai e Kalalau Beach. O estacionamento na praia é limitado e é aconselhável  parar o carro um pouquinho antes, em um estacionamento de terra.

A trilha de Kalalau começa na Kee Beach e segue pelos penhascos de Napali Coast. Os primeiros 3 quilômetros, de um total de 18  podem, ser feitos por qualquer pessoa, mas a partir dessa distância é preciso pagar uma taxa e ter autorização. Como a trilha é longa, as pessoas costumam levar de dois a três dias para completá-la. Ou seja, você vai precisar de tempo e disposição. A gente não encarou! Quem sabe numa próxima?

 

Oeste da ilha (West Side)

1 – Napali Coast

A deslumbrante Napali Coast pode ser conhecida de três formas: pela trilha de Kalalau, de barco e de helicóptero. Não há estradas na Napali, então de carro não rola. E essa falta de acesso a carros torna Napali ainda mais enigmática.

Escolhemos fazer os passeios de barco e de helicóptero. Os dois são fantásticos e fica muito difícil dizer qual é o que mais compensa, pois são formas diferentes de aproveitar. O passeio de barco é mais calmo, tranquilo e demorado, já que leva a tarde toda. De barco, você consegue ver Napali de dentro do mar e a vista é absurdamente maravilhosa. Já o passeio de helicóptero é rápido, leva aproximadamente uma hora, mas você consegue ver Napali de cima. Ou seja, tem coisas que você só consegue ver do ar e outras da água. Recomendo fortemente fazer os dois passeios.

Nós fizemos o passeio de barco com a Kauai Sea Tours. Ver Napali de barco é como navegar no paraíso. Como o passeio leva a tarde toda, você consegue aproveitar muito mais o visual indescritível da costa de Kauai, sem contar que rende fotos belíssimas. TEM QUE FAZER!!! Se quiser ver esse e outros passeios oferecidos pela Kauai Sea Tours, clique aqui.

Se você tiver sorte, vai ter a oportunidade de ver arco-íris, até mesmo duplo, golfinhos e, a depender da época, baleias.

Na volta do nosso passeio, fomos surpreendidos com uns dez golfinhos que ficaram bastante tempo acompanhando nosso barco. Foi super emocionante! É muito prazeroso e gratificante ver toda a beleza da natureza esplendorosa de Kauai. É indescritível. E essa emoção bate tão forte que nos faz refletir sobre o mal que estamos causando para o planeta e a necessidade de mudar esse comportamento, pensando na preservação da natureza em primeiro lugar. É tanta perfeição que dá até vergonha de ser humano e ter consciência da falta de respeito com o meio-ambiente. Vamos cuidar do nosso planeta com carinho e amor, gente!

Outra forma de ver Napali Coast é pelo ar. Essa foi a primeira vez que voei de helicóptero e achei a experiência super emocionante. Afinal, nada como uma primeira vez de helicóptero sobrevoando a paradisíaca ilha de Kauai. Então você vai ver Napali, mas também sobrevoa o Waimea Canyon, um vulcão e diversas cachoeiras que não podem ser vistas de barco. O passeio de helicóptero fizemos com a Blue Hawaiian.

Uma palavra define: MEMORÁVEL. E para quem tem medo, preciso dizer que eu também estava com receio, mas o voo é muito tranquilo. Você vê tanta coisa bonita que nem lembra do medo. Na verdade, quando o voo acabou, fique com vontade de ir mais uma vez! Para saber mais sobre esse e outros passeios de helicóptero com a Blue Hawaiian, você pode clicar aqui.

Portanto, se você vai para Kauai, por favor, não invente desculpa para não fazer esses passeios. Passa mal navegando? Vai no médico e pede a prescrição de um remédio. Tem medo de voar? Supera. Vai valer muito a pena.

Esses dois passeios são, definitivamente, os melhores que você vai fazer em Kauai, uns dos melhores do Hawaii, e do mundo. Ah, só mais um detalhezinho. As fotos estão sem filtro, tá?

 

2 – Waimea Canyon

Um lugar bastante legal para conhecer é o Waimea Canyon State Park, especialmente se você curte fazer trilha. Se você não tem muito tempo, é possível dirigir e parar nos mirantes para apreciar a vista. Mas se tempo não é um impeditivo, aproveite  para curtir mais de 90 quilômetros de trilhas!

3 – Koke’e State Park

O Visitor Center do Koke’e State Park fica em uma área com gramado, onde as pessoas costumam acampar. Lá também tem um museu, mas é bem fraquinho.

Dirigindo um pouco depois do Visitor Center, chega-se ao Kalalau Lookout, de onde é possível ver a praia de Kalalau e fazer a trilha com vistas da Napali Coast. Também é possível avistar o Mt. Wai’ale’ale, a 5148 pés, conhecido como um dos pontos mais chuvosos da Terra, onde costuma chover praticamente o ano todo. Como esse pico não tem chuva por somente 30 dias, a vegetação é bem verdinha e a trilha é um pouquinho escorregadia.

 

Leste da ilha (East Side)

1 – Opaekaa Falls 

Opaeka’a Falls está localizada em Wailua e o acesso se dá por Kuamo’o Road. Basta uma paradinha no acostamento para ter esse visual. Ao lado do acostamento tem uma calçada para você curtir a vista com tranquilidade.

Do outro lado da rua, tem-se o acesso para o rio Wailua, que leva até a Wailua Falls, com parada no Fern Grotto, uma caverna com samambaias no teto.

Se você animar, pode aproveitar o dia para fazer caiaque, SUP, ou dar uma volta de barco. Nós preferimos dar só uma chegadinha na beira do rio mesmo porque preferimos priorizar as praias.

 

Sul da ilha (South Shore)

No sul da ilha, Shipwreck e Poipu são duas praias bem próximas ótimas para descansar, fazer snorkel e nadar. Se você der sorte, ainda vai conhecer o casal de foquinhas que vive nadando e brincando por lá.

Olha quanta fofurice esse casalzinho de focas brincando no mar! E, ao ver cenas assim, mais uma vez, Kauai emociona. É muita paz, amor, e alegria que a gente sente ao estar tão em contato com essa natureza preservada.

Para finalizar, minha dica top de hospedagem em Kauai!! Passamos dias perfeitos no super ultra mega sofisticado, aconchegante e intimista, Koa Kea Hotel & Resort. Recomendo fortemente pela localização, serviço e atenção com o hóspede.

Se você ama a natureza, inclua Kauai na sua vida! Já estou contando os dias para voltar!

03
maio

Conheça as leis e os costumes locais antes de viajar!

O número de turistas que viajam para destinos distantes e exóticos é cada vez maior. Preocupado com recentes casos de cidadãos que acabaram presos, multados ou deportados, o Governo do Reino Unido advertiu os cidadãos britânicos sobre a importância de conhecer leis e costumes locais dos países antes de viajar.

No ano passado, o Foreign and Commonwealth Office (FCO), equivalente ao nosso Ministério das Relações Exteriores, cuidou de mais de 23 mil casos de britânicos que tiveram problemas com as leis locais. Dentre os casos recentes, estão o de um britânico que quase pegou três meses de prisão em Dubai por tocar o quadril de um homem e o de uma britânica deportada do Sri Lanka por ter uma tatuagem do Buda em seu braço.

Também chamou atenção o caso de dois turistas dos EUA que foram presos por mais de uma semana e, em seguida, deportados, após posarem nus para uma foto na frente de um templo budista na Tailândia.

Por isso, para evitar problemas durante sua viagem é muito importante conhecer leis e costumes locais. Muitas vezes o que consideramos normal e conforme a lei pode ter um tratamento diferente em outro país. Você pode querer usar determinada roupa ou levar certo medicamento que são proibidos, por exemplo. Destacamos alguns casos curiosos que merecem nossa atenção!

Caribe

Pensando em ir para o Caribe? Então nem pense em colocar na mala aquela peça linda camuflada, pois é estritamente proibido usar roupas com estampas militares em vários países caribenhos, como, por exemplo, Barbados, Jamaica, Grenada, Dominica, St. Lucia e St. Vincent. 

Emirados Árabes Unidos

Fazer juramentos e gestos grosseiros, inclusive manifestações on-line, são considerados atos obscenos e podem ensejar penas de prisão e deportação.

Também pode ser preso e multado quem demonstrar simpatia pelo Qatar nas mídias sociais ou por qualquer outro meio de comunicação. As relações diplomáticas entre Emirados Árabes e Qatar estão suspensas.

Exibições públicas de carinho são desaprovadas e várias prisões por beijar em público já ocorreram.

O cuidado com as roupas igualmente deve estar presente. O cross-dressing, termo que se refere ao ato de alguém se vestir com roupa ou usar objetos associados ao sexo oposto, também é prática considerada ilegal.

Sabemos que em muitos países as penas por tráfico e posse de drogas são severas, inclusive podem prever pena de morte. O mais curioso na legislação dos Emirados Árabes Unidos é que a mera presença de drogas na corrente sanguínea é considerada como posse e dá cadeia. Além disso, passageiros em trânsito que estejam sob a influência do álcool também podem ser presos.

Grécia

Se você vai para Grécia, saiba que é proibido usar salto alto em locais históricos. A medida tem por objetivo a preservação dos sítios arqueológicos.

Além disso, a polícia grega não aceitará comportamento agressivo ou indecente, sobretudo quando o consumo excessivo de álcool está envolvido. Comportamentos indecentes, como o mooning (bundalelê), podem ser punidos com multa ou prisão.

Japão

Os medicamentos são classificados em cinco categorias: geral, narcótico, psicotrópico, estimulante ou dispositivo médico. Dependendo da classificação, nome e quantidade, você pode ser obrigado a solicitar uma permissão/certificação. Se você levar um estimulante ou não tiver a documentação correta, pode ser preso e ter a medicação confiscada. Medicamentos contendo codeína, a exemplo dos famosos inaladores Vicks, são proibidos. A posse pode resultar em prisão ou deportação.

Sri Lanka

País de maioria budista, o Sri Lanka é sensível a todo comportamento que considera ofensivo à religião. Por isso, turistas devem estar atentos para a necessidade de respeitar imagens budistas e ter o cuidado de seguir instruções em locais sagrados, especialmente quando fotografar estátuas do Buda.

Em agosto de 2012, três turistas franceses foram condenados a seis meses prisão, mas com suspensão condicional da pena por cinco anos, por terem beijado uma estátua de Buda. Além disso, vários turistas já foram impedidos de entrar no país, ou enfrentaram a deportação, por terem tatuagens visíveis do Buda.

Um dos casos mais famosos é da enfermeira britânica que foi detida por quatro dias em abril de 2014 e deportada do Sri Lanka por ter uma tatuagem do Buda no braço. Ao voltar para o Reino Unido, a britânica resolveu ajuizar uma ação contra autoridades locais. Anos depois, a Suprema Corte do país disse que o tratamento dispensado à turista havia sido “escandaloso e horrível” e que seus direitos tinham sido violados. Pelo sim pelo não, se esse é o seu caso, é melhor esconder direitinho essa tatuagem!

Tailândia

País queridinho dos brasileiros, a Tailândia proibiu, desde janeiro, fumar nas praias de certas áreas turísticas, incluindo as províncias de Koh Samui, Pattaya e Phuket, Prachuap Khiri Khan, Chon Buri e Songkhla. Quem violar essa lei pode ser multado e pegar uma pena de até um ano de prisão.

Também é ilegal levar cigarros eletrônicos e recargas para o país. Punições vão desde confisco a até 10 anos de prisão.

Além disso, fique atento para jamais fazer declarações políticas em público. A crítica da monarquia, sob qualquer forma, é considerada crime gravíssimo. Pelo mesmo motivo você não pode pisar ou, de qualquer modo, desrespeitar a moeda tailandesa, onde está estampado o rosto do rei.

Como você pode ver, um comportamento que consideramos totalmente inofensivo pode ser considerado crime grave em outros países. Por isso, se você pretende viajar, sobretudo para um destino exótico, é muito importante prestar atenção às leis e costumes locais para não acabar se metendo numa fria!

05
mar

A voz das mulheres no Oscar 2018

Almejamos o dia em que poderemos afirmar com plena certeza que não existe em lugar nenhum no mundo desigualdade entre homens e mulheres. Para uns isso pode soar como utopia, para outras é o foco de uma luta diária.

Essa conquista é fruto de um trabalho dado a passos lentos, miúdos, mas com muito significado. Ter mulheres retomando seu lugar de fala em diversas áreas profissionais e na mídia, é um exemplo e tanto do quanto somos poderosas.

No cinema e em premiações como o Globo de Ouro esse ano, atrizes se fizeram ouvir diante dos inúmeros casos de abuso na indústria do entretenimento. Em protesto muitas usaram a cor preta em seus vestidos, lembrando que o tempo de homens machistas e misóginos acabou! Na 90ª cerimônia de entrega do Oscar não poderia ser diferente. Lá estávamos nós, novamente, reafirmando nossa voz.

A começar pelos enredos dos filmes indicados, contamos histórias de mulheres plurais que romperam padrões, buscaram justiça e alçaram vôos. Nas indicações também conquistamos lugares, como Greta Gerwig, diretora de Lady Bird, única figura feminina a concorrer em Melhor Direção e quarta a ser nomeada na categoria em toda a história.

Thimothée Chalamet, Saoirse Ronan e Greta Gerwig no set de Lady Bird

Além de Greta, tivemos indicações de Mary J. Blidge como Atriz Coadjuvante e autora de Melhor Canção Original, Rachel Morrison como única mulher a concorrer Melhor Fotografia por Mudbound e Agnés Varda, diretora do documentário Visages, Villages e a pessoa mais velha a concorrer em todas as categorias.

Mary J Blige

Rachel Morrison

Agnés Varda

Os looks do red carpet também tiveram papel importante no quesito representatividade. A atriz de Pantera Negra Lupita Nyong’o fez referências ao país fictício de Wakanda em seu vestido Versace e ao estilo de corte de cabelo Amasunzu, típico de Ruanda.

Já a atriz Rita Moreno, símbolo da latinidade nos anos 60, provou que repetir o look é sempre uma boa ideia ao usar o mesmo vestido de quando ela recebeu o oscar em 1962.

atrizes do filme Pantera Negra, Lupita Nyong’o e Danai Gurira

Referência Amasunzu

Rita Moreno em 2018 e 1962

Por fim, a noite de premiações ganhou ainda mais sentido quando Frances McDormand ganhou o prêmio de Melhor Atriz por sua impecável atuação no filme Três Anúncios para Um Crime. Em seu discurso, ela falou sobre inclusão feminina na indústria cinematográfica e convidou todas as mulheres indicadas a ficarem de pé. Para entender melhor sobre a beleza desse momento, segue o vídeo:

“Eu ficaria honrada se todas as mulheres indicadas a prêmios hoje ficassem de pé comigo agora. Maryl, se você fizer, todo mundo vai. Cineastas, produtoras, roteiristas, fotógrafas, todo mundo, compositoras, designers…Vamos lá! Agora olhem à sua volta. Todas nós temos histórias pra contar e projetos que queremos financiar. Caras, não falem sobre isso na festa hoje, mas nos chamem amanhã para os seus escritórios e vamos falar tudo sobre esses projetos. Eu tenho duas palavras: Cláusula de inclusão!”

Cláusula de inclusão ou inclusion rider significa incentivar e exigir em seu contrato que haja pluralidade de gênero, orientação sexual e etnia nos filmes que você pretender participar.

Depois de uma fala tão forte como essa, é impossível negar que a noite do Oscar foi inteira sobre nós mulheres! Ainda que pequenas, essas transformações são primordiais quando falamos de inclusão. E diante de tantos momentos poderosos assim, tomamos fôlego e inspiração para seguir lutando pelo nosso espaço e pela nossa voz. Vamos todas juntas!

Elisa Santiago é Designer de Moda e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

 

24
jan

Skiplagged: conheça um jeito inteligente de viajar pagando menos!

A polêmica em torno do Skiplagged, site que atrai milhões de visitantes por mês, chamou minha atenção. Aktarer Zaman, estudante universitário recém-formado e proprietário do site, foi processado pela United Airlines, uma das três maiores companhias aéreas americanas, e pela Orbitz, uma agência de turismo online, no caso que ficou conhecido como United Airlines e Orbitz x Skiplagged.

Fiquei curiosa para saber o motivo pelo qual duas mega corporações da área do turismo ajuizariam uma ação na Corte de Illinois, em Chicago, contra esse jovem até então desconhecido, pedindo a condenação dele em U$$ 75.000,00 dólares por perdas e danos. Simples. O site criado por Zaman estaria, segundos as empresas, promovendo concorrência desleal e viagens estritamente proibidas.

Para quem não sabe, o Skiplagged é um site de busca de passagens aéreas mais em conta porque utiliza uma simples ferramenta conhecida como viagem com cidade escondida. Funciona basicamente assim: ao invés de comprar a passagem para o destino final deve-se comprar para alguma outra cidade que tenha seu destino final como conexão.

Portanto, a viagem com cidade escondida acontece quando você compra um voo mais longo que inclui uma conexão para seu destino real porque custa menos do que o voo direto. Ao que parece, em alguns países, isso ocorre com certa frequência, como nos voos domésticos dos Estados Unidos, por exemplo. Entretanto, no Brasil, não achei essas passagens tão fácil.

Vamos ver, então, como funcionam essa estratégia e o serviço oferecido pelo Skiplagged, bem como conferir se isso dá certo para os voos domésticos no Brasil.

Qualquer pessoa pode procurar e comprar passagens com cidade escondida. Mas tem horas que parece ser tão confuso, perde-se tanto tempo procurando as combinações perfeitas e comparando os preços, que chega a ser uma questão de sorte conseguir um voo mais barato que faça uma conexão no seu destino pretendido.

Aí entra o Skiplagged, já que faz todo esse trabalho para você. O site utiliza a estratégia conhecida como viagem ou passagem com cidade escondida que possibilita ao usuário descobrir tarifas aéreas mais baratas que não aparecem em programas concorrentes de busca. Também não é assim um passe de mágica, pois muitas vezes o próprio site informa que não existem voos mais em conta que sejam conforme os critérios de busca.

Vamos ver um exemplo? Suponha que eu pretenda viajar de Brasília para Rio de Janeiro. Aí preciso descobrir qual voo faz conexão no Rio e comparar o preço desse voo com o voo direto. Vamos imaginar, então, que eu consiga essa façanha. Desse modo, vou comprar, por exemplo, uma passagem de Brasília para Curitiba com conexão no Rio, pois assim seria mais econômico. Então, desembarco no Rio e desisto do restante do itinerário, no caso Rio-Curitiba.

Viu por qual motivo essa estratégia ganhou o nome de viagem ou passagem com cidade escondida? Justamente porque o passageiro esconde da companhia aérea a intenção de descer na cidade em que fará a conexão.

Mas, atenção! Essa tática somente funciona para quem não despachar bagagem. Isso porque, se você despachar, sua bagagem segue para o destino final, enquanto você desce no aeroporto em que é feita a conexão. No entanto, ainda que você viaje com bagagem de mão existe o risco, pois pode acontecer do voo estar lotado e não ter mais espaço no porta-bagagens acima dos passageiros, aí lá vai sua bagagem ser despachada para o destino final.

Além disso, não seria possível comprar passagens de ida e volta, já que haveria no show do restante da perna que você decidiu dispensar e o subsequente cancelamento dos demais trechos. Em que pese as companhias aéreas estarem proibidas de praticar o no show em situações semelhantes, conforme nova resolução da ANAC, não se pode confiar que essa regra será obedecida.

Outro problema poderia ocorrer no caso de cancelamento da passagem pela companhia aérea, que pode realocar o passageiro em outro voo, sem a conexão pretendida. Basta imaginar uma determinada condição climática que seja determinante para o fechamento do aeroporto de conexão para pousos. Nesse caso, você não poderá dizer para a companhia aérea que pretendia descer, por exemplo, em Florianópolis (cidade escondida), não em Porto Alegre (destino final), quando a alteração do voo implicar em outra conexão.

Em resumo, se você quiser arriscar e comprar uma passagem com cidade escondida, deve observar essas condições:

1) viajar com bagagem de mão,

2) descer do avião durante a conexão, e

3) desistir do restante do itinerário.

Quer ver um exemplo de como funciona o Skiplagged?

Se você quisesse voar de Brasília (aeroporto JK) para o Rio de Janeiro (Santos Dumont), em 30 de dezembro de 2017, teria que desembolsar R$ 962,00. Esse é, portanto, o valor do voo direto Brasília-Rio, como se vê abaixo:

Mas, se você comprar uma passagem de Brasília para Curitiba, com uma conexão no Rio, pagará R$ 684,00. Portanto, será uma economia de R$ 278,00. Valor considerável, não é?

Talvez no Brasil seja mais difícil encontrar passagem mais barata com a tática da cidade escondida porque existem poucas companhias aéreas operando no país, o que poderia levar, inclusive, a um tipo de cartel. Tanto que os preços costumam ser bastante parecidos e até mesmo os horários de voos de companhias aéreas distintas muitas vezes são quase iguais, variando poucos minutos.

Mas o que explicaria uma passagem aérea com conexão sair mais em conta do que a primeira parte da perna da mesma rota? Valendo-se do nosso exemplo: como a passagem Brasília-Curitiba (com conexão no Rio) pode ser mais barata do que Brasília-Rio (voo direto)?

Falando de forma leiga, já que eu não saco nada de economia, isso acontece por conta das companhias aéreas que partem de determinadas cidades menos disputadas pelo ramo da aviação e chegam a ser “donas” de alguns aeroportos. Em outras palavras, as companhias aéreas tendem a dominar o mercado da aviação civil em seus hubs, obtendo assim poder para determinar os preços das passagens. Sem concorrência, o preço sobe.

Afinal, essa prática está ou não de acordo com a lei? Claro que nós, passageiros, não vemos nenhuma ilegalidade nisso. Afinal de contas, pagamos por todo o voo, qual seria o problema de descer onde a gente bem entender? Por qual razão as companhias aéreas se importariam com o tempo em que o passageiro vai ficar sentado no assento, já que está pago mesmo?

De outro lado, as companhias aéreas argumentam que essa estratégia é ilegal, pois trabalham com esquemas de preços bem complexos e querem que os passageiros sigam essa lógica. A United, por exemplo, declarou que a referida prática viola as regras e que estão agindo para impedi-la e para proteger a maioria dos consumidores que compra as passagens de forma legítima. Por sua vez, um representante da Orbitz esclareceu que o Skiplagged desenvolveu uma tecnologia que permitia um link direto para o sistema de reservas do site Orbitz. Então, quando era identificado uma passagem com cidade escondida havia um botão de “reserve agora” que o consumidor clicava e que o direcionava para o Orbitz. Pediram que o Skiplagged desativasse esse link, o que foi negado. Em seguida, o Orbitz decidiu bloqueá-lo.

Por considerarem uma prática ilegal, a United e a Orbitz uniram-se para processar Zaman. Ao longo do processo, a Orbitz entrou em acordo com Zaman. Apenas a United seguiu como autora da demanda. Na sentença, restou decidido que a Corte de Illinois não tinha competência para julgar o caso, uma vez que Zaman não morava nem tinha negócios naquela cidade. Portanto, não entrou no mérito da questão.

Para ajudar financeiramente o Skiplagged a pagar todos os custos do processo, tais como honorários advocatícios e eventual condenação, foi criada uma página específica para isso, que informa sobre as atualizações relativas ao andamento processual. O pedido de condenação foi de U$$ 75.000,00. O valor que ultrapassasse esse montante seria doado para instituições de caridade. O fundo alcançou a quantia de U$$ 81.331,00, com doações realizadas por 3.920 pessoas em 38 meses. Quer conferir? Clique aqui.

Quem tiver mais interesse sobre o assunto, pode acessar o teor da petição aqui.

E você? Já usou essa estratégia? Conte nos comentários!

09
jan

Maui, no Havaí: 10 motivos para conhecer

Maui, conhecida como a Ilha do Vale e também a Ilha do Amor, é a segunda maior do Estado do Havaí. Os locais dizem por lá: Maui “No Ka Oi” (Maui é a melhor)! Eu, honestamente, até hoje ainda não sei qual é a minha preferida. Só sei que Maui encanta e não dá vontade de voltar de lá. Se você pensa em viajar para o Havaí, vou te dar 10 motivos para conhecer Maui! Eis a lista!

1 – Curtir Napili Bay Beach

Chegamos em Maui no finalzinho da tarde. Como em todas as ilhas, pegamos nosso carro alugado no aeroporto e partimos para o hotel onde ficamos hospedados nos primeiros dias.

The Mauian, localizado no oeste da ilha (West Maui), foi um grande achado! Um dos pontos fortes é justamente a localização,  que nos surpreendeu. Além disso, o hotel é novinho, pequeno, intimista, e tão low profile que chega a ser silencioso. O paraíso existe e fica ali. Sem contar que, diferentemente da maioria dos melhores hotéis do Havaí, o The Mauian não cobra estacionamento e nem taxa de resort.

Mesmo que você opte por se hospedar em outra praia vale muito a pena dar um chegadinha em Napili Bay Beach. Essa região tem vários condomínios, hoteis, comércios e restaurantes. Dá vontade de passar no mínimo uma semana. E nada é lotado. Apesar dessa estrutura boa, é um lugar perfeito para relaxar, descansar e curtir a praia. Fica bem pertinho de Kapalua.

2 – Tomar um drink no Merriman’s

Em Kapalua, a pedida é curtir a noite no Merriman’s, restaurante localizado à beira-mar com uma vista linda.  Especializado em cozinha regional havaiana e comandado  pelo Chef Peter Merriman, pioneiro no conceito “Farm to Table” (da fazenda para a mesa), serve apenas os produtos mais frescos, pelo menos 90% cultivados ou capturados localmente, usando métodos sustentáveis.

A dica aqui é experimentar o Ahi Poke Bowl (atum fresquíssimo e delicioso!) e pedir indicações de drinks para o barman. Além da boa gastronomia e dos drinks inusitados, ainda tem música ao vivo com um ótimo repertório. Super badalado, é recomendável fazer reserva. Para isso e outras informações sobre o Merriman’s, você pode clicar aqui.

3 – Ver o sol nascer na cratera do vulcão Haleakala

Separe um dia para conhecer uma das atrações mais populares de Maui, o Haleakala National Park. Esse é um passeio para quem não tem preguiça, pois é indispensável acordar por volta das 2 da manhã, a depender de onde esteja hospedado, para ter tempo suficiente de subir até a cratera do Haleakala e chegar antes do nascer do sol.

Haleakala é um vulcão dormente, lugar considerado sagrado pelos havaianos, e significa a Casa do Sol. A área ao redor do vulcão foi transformada em Parque Nacional e lá no topo há observatórios astronômicos. Pelo nome do vulcão já se nota que o mais legal do passeio é ver o nascer do sol.

A média para subir de carro até o estacionamento é de uma hora, já que se trata da mais alta montanha de Maui, com 3.055 metros de altitude. Por isso, não tem jeito, você precisa sair cedo.

Além de acordar cedo, é indicado levar casaco para encarar o frio. Faz muito frio lá em cima. Não é qualquer casaquinho que dará conta. Aliás, esqueça que você está no ensolarado Havaí, pois do contrário vai congelar lá no alto.

Há quem sugira subir o Haleakala de madrugada em van, e descer de bicicleta. Quando fomos, começou a chover na volta e estava muito frio. Sinceramente, recomendo ir de carro mesmo, salvo se você gostar muito de pedal. O tour de bike começa fora do Parque Nacional.

Desde fevereiro desse ano, é preciso reservar com antecedência a entrada no parque para ver o nascer do sol. Se você quiser apreciar a flora e fauna locais, uma dica é fazer as trilhas pelo parque ou até mesmo contratar um guia para isso. Para os mais aventureiros, é possível explorar a base do vulcão, inclusive acampar, em Kipahulu. Outras informações sobre o acesso para o parque, você pode ver aqui.

4 – Mergulhar em Molokini e Turtle Town

Um passeio em Maui que não pode ficar fora do seu roteiro é o que te leva de barco para Molokini e Turtle Town. Para aproveitar bastante, é recomendável começar o dia bem cedo, quando a visibilidade é melhor para mergulhar.

Próximo à costa de Maui,  Molokini é uma cratera de vulcão que está quase completamente submerso. Santuário marinho, esse é considerado um dos melhores lugares para mergulhar no Havaí, já que, entre outros fatores, sua forma côncava protege os mergulhadores das ondas e das fortes correntes.

No mesmo passeio, a depender das condições climáticas, você pode mergulhar em Turtle Town. Localizado em Wailea, essa parte do mar atrai muitas tartarugas por conta da sua formação geológica composta de lava subaquática.

Esse passeio é perfeito para quem gosta de mergulho. Os tours saem de manhãzinha de Kihei, de Makena ou do píer de Ma’alaea. Nós contratamos o passeio com a Pride of Maui e recomendamos! O passeio completo tem a duração de 5 horas, a tripulação é atenciosa, e ainda rola café da manhã e, depois, almoço no barco, com direito a churrasco e sanduba. Para fazer sua reserva, clique aqui.

Uma dica importante! Depois de mergulhar, é recomendável aguardar um dia antes de subir até a cratera do Haleakala ou de pegar um voo devido a mudanças de altitude.

5 – Dirigir por um campo de lava no sul da ilha

Guarde um dia para descer de carro desde a praia de Makena até chegar em La Perouse Bay, passando por Ahihi Kina’u. Até Makena a estrada é boa, depois começa a ficar um pouquinho pior. No entanto, não é preciso ter um carro 4×4 para chegar na baía de La Perouse.

Ahihi Kina’u é uma área de reserva natural única no Havaí, pois protege o ambiente terrestre e o marinho. Algumas áreas são, inclusive, fechadas para o público. É a partir daí que você vai dar de cara com um campo enorme formado pela última erupção do vulcão Haleakala, em 1790.

La Perouse Bay, tem esse nome em homenagem ao primeiro europeu que chegou em Maui no ano de 1786, o explorador francês Jean Francis Gallup Comte de La Pérouse. Em 1790, quando ele retornou encontrou a comunidade que ele visitou abandonada e coberta com lava vulcânica.

6 – Praticar esportes aquáticos em Hookipa Beach

Uma praia adorada por quem curte surf, wind e kite, Hookipa Beach é especialmente procurada pelos locais durante o inverno, quando as ondas são bem fortes.

Mas, ainda que você não esteja a fim de encarar as ondas, vale a pena dar uma chegadinha até lá para ver as tartarugas fofas que descansam, sob proteção ambiental voluntária, no lado direito da praia.

7 – Conhecer Paia, a região mais roots de Maui

Os mais alternativos gostarão de conhecer Pa’ia, uma área bem roots, com galerias de arte, lojinhas de souvenirs, equipamentos de surf, e roupas produzidas localmente. Vou confessar que essa não é muita a nossa cara, então demos uma voltinha bem rápida de carro mesmo por lá.

Afinal, o tempo é tão corrido que não tem jeito, é preciso ter prioridades! Mas essa é uma região que vários blogs e revistas especializadas indicam conhecer. No entanto, recomendam não deixar mala dentro do carro. Meio desanimador, né?

8 – Jantar no Four Seasons

De vez em quando, a gente pode se dar ao luxo de jantar no Four Seasons! Localizado em Wailea, o Four Seasons conta com três restaurantes: Spago, Ferraro’s e Duo Steak and Seafood. Optamos pelo último somente pela diversidade do cardápio.

Essa é uma ótima oportunidade para aquele jantarzinho romântico e uma boa desculpa para conhecer o interior do hotel, que é um luxo só, diga-se de passagem.

Fui de atum fresquinho e o marido de Rib-eye. Ambos impecáveis!

De sobremesa, ganhamos essa deliciosa mousse de chocolate!

9 – Hospedar-se no Andaz Maui

Ao sul de Maui, você não pode deixar de conhecer Wailea, um dos lugares que mais amei e onde ficamos hospedados nos últimos dias. O hotel escolhido foi o fabuloso Andaz Maui. Dentre os hotéis maiores e mais famosos, a exemplo do Grand Wailea, esse é um pouquinho menos com cara de resortão, pois são “apenas” 290 quartos e 10 vilas privativas.

10 – Aproveitar o dia em Wailea, a região mais exclusiva de Maui

Independentemente do local escolhido para hospedagem, passar um dia em Wailea não pode ficar fora dos seus planos. Atividade tem de sobra. Você pode curtir a praia, aproveitar para descansar, nadar, ou fazer snorkel.

O sunset também é imperdível!

Aproveite, ainda, para dar uma voltinha no The Shops at Wailea, um centro comercial ao ar livre charmosérrimo, onde estão bons restaurantes e grifes poderosas, tais como, Prada, Gucci, Tiffany, Bottega Veneta, e Louis Vuitton.

Maui é um destino espetacular! Inclua-o na sua listinha de lugares a serem conhecidos!

Bianca Cobucci é Defensora Pública, Mestre em Políticas Públicas e coordenadora do Projeto Falando Direito; Autora do blog Teoria da Viagem. Escreve sobre os direitos do consumidor relacionados à viagem e turismo, bem como sobre os países e lugares que já que visitou.