Fresca? Não! Bem criada.

Tag: festival

06
set

Pra inspirar: Looks para festivais de música (Rock in Rio vem aí!)

O Rock in Rio já tá quase batendo na porta e logo logo é hora de pensar nos looks para o evento! O conforto é indispensável nesse tipo de produção, afinal as distâncias dentro do local dos shows costuma ser bem grandinha e o tempo que se passa em pé, também!

Mas como nós já bem sabemos, conforto não é sinônimo de look sem graça! Em festivais como Rock in Rio, Lollapalooza e Coachella o que mais vemos são os mais variados públicos que aproveitam a vibe do dia para montar combinações bem descontraídas e estilosas!

A fim de dar aquele start nas ideias, seguem pra vocês algumas inspirações de looks e tendências que são queridinhos nas produções para esses shows!

Dá pra brincar (e muito) com as t-shirts! Você pode sobrepor com quimono, sleep dress e até com a clássica camisa xadrez amarrada na cintura!

Pra quem é mais basiquinha também tem muita opção! Cropped e camisas combinadas com peças coringas não têm erro!

Pra dar aquele toque moderninho na produção, as calças de tecidos fluidos são sempre uma boa pedida! O  comprimento midi vai super bem com tênis e sapatos mais pesados!

Por fim, prefira bolsas que tenham menos volume e que não restrinjam seus movimentos durante o dia! Pochetes e tiracolos são as melhores opções para a ocasião!

01
set

Look da Anita

Ooooooooooooooooooi! Gente, tive um final de semana tão maravilhoso em BH que vocês nem imaginam.. Jantar na casa de amigos quiriiiiiiiiidos, encontro com a família, passeio em Inhotim, mas, principal e especialmente, por ter ido ao espetáculo do Ballet Kirov aqui no Brasil!! Como disse, depois de já ter perdido as esperanças eu tive a maior surpresa do mundo quando fiquei sabendo que sim, eu não ficaria de fora mais uma vez. Vocês não imaginam meus pulos de alegria. E olha, realmente fui uma noite de gala, de um espetáculo grandiosíssimo e que durou, PASMEM, três horas! Voltar ao Palácio das Artes para um espetáculo de ballet desta natureza é realmente uma experiência inesquecível. Vi, revi e revivi tanta coisa, tanta história, tantas pessoas. Mas duas histórias são particularmente especiais pra mim. A primeira é que eu já me apresentei naquela imensidão de palco. Pois é, minha primeira apresentação de ballet, de “Anita Kids” mesmo, há tipo, duzentos anos atrás, foi ali e vocês já até viram umas fotinhas neste post aqui.

Isto é um privilégio para poucos, viu? A segunda é que eu revivi uma experiência engraçadíssima e inesquecível que passei há um tempo atrás, juntamente com duas amigas queridas: Manuella e Clarissa. É que da última vez que o Kirov veio aqui nós três fomos à apresentação matinée (vespertina) e, naquela loucura que tínhamos e que éramos com o ballet não sei nem como, mas nos enfiamos, depois do espetáculo, nos camarins, nos corredores dos bastidores, tudo para conseguirmos uma sapatilha usada, um autógrafo, uma foto, o que quer que fosse. Mas nossa ousadia foi tamanha que fomos nos enfiando, nos metendo, escondidas de todo mundo, claro, que, de repente, nos vimos do lado de dentro do palco com o espetáculo da noite prestes a começar. E o melhor. Ninguém nos viu, nos descobriu e nós assistimos ao Kirov de dentro da coxia.

Parece história inventada, mas juro que não é. As meninas estão aí que não me deixam mentir.Aaaaaaaaaaaaai, que saudade.. Manu, Cla, que saudade de tudo! Deixando os devanEUios de lado, quanto ao Look do dia eu usei um vestido que tinha usado pela primeira e única vez até então no meu casamento na Igreja (para quem não sabe, casei três vezes em uma semana- no civil, na Igreja e na festa – com o mesmo maridooooooo, ok???). Nunca mais usei e esqueci. Mas estava com vontade de usar algo mais classiquinho, com cara de bailarina mesmo e, exatamente por isso, fiz também o coque. Já queria entrar no clima.

Vestido nude: Iódice Sandália: Equipage Brinco: Pink Biju Clutch: H&M Batom: Please Me, MAC

 

 

O programa e o palco

 

 

O Grand Finale! P.S.: Só tirei foto quando o espetáculo acabou, ok?? Antes disso é proibido e muito mal educado.

A história do Ballet Kirov

 

O Balé Kirov foi fundado na década de 1740 como o Ballet Imperial Russo. Fechado após a Revolução Comunista de 1917, o Ballet reabriu com o nome Ballet Soviético, até ganhar, em 1934 o nome de um líder soviético assassinado por Stalin: Sergei Kirov. Durante o século XX o Ballet Kirov consolidou sua fama mundial, tendo revelado bailarinos como Mikhail Baryshnikov, Anna Pavlova, Vasláv
Nijinsky, Rudolf Nureyev e Natalia Makarova. Em seu repertório, peças consagradas como Romeu e Julieta, O Quebra-Nozes e O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky. O Ballet Kirov apresentou O Lago dos Cisnes pela 1ª vez em 1895 no Teatro Mariinsky. Com o fim da União Soviética a Companhia passou a se chamar Ballet Mariinsky, adotando o nome do teatro que os abriga desde o século XVIII, e utilizando o nome ‘Ballet Kirov’ apenas para suas turnês mundiais. Nos anos do regime comunista, passou a ser conhecida como Ballet Kirov.
Atualmente o Ballet Kirov é dirigida por Yuri Fateiv, que procura manter o repertório romântico e clássico, promovendo paralelamente uma abertura para os coreógrafos mais modernos do ocidente.
O Ballet Kirov é hoje um dos maiores nomes do balé mundial, empregando cerca de 200 bailarinos.

 

 

 



Sobre o Lago dos Cisnes

 

“O Lago dos Cisnes” é um marco na história da dança. Pela primeira vez as bailarinas usaram o famoso tutu curtinho – o tutu bandeja -, que se tornou um ícone da indumentária, rompendo um tradicional padrão estético. Começa quando o diretor do teatro Bolshoi de Moscou, Vladimir Begitchev, encomenda ao compositor Tchaikovsky em 1875, uma música para um ballet inspirado em lendas de mulheres cisnes. Ele aceita, apesar de não compor música para ballet, pois se encantou com o tema e precisava de dinheiro.
A estréia se deu em 20 de fevereiro de 1877, e apesar da belíssima obra de Tchaikovsky, o resultado foi um verdadeiro fracasso, atribuído à pobre coreografia de Julius Reisinger e ao medíocre desempenho de sua protagonista, a bailarina Pelageya Karpakova.
Em 1894 o príncipe Ivan Alexandrovich, então diretor do Teatro Mariinsky de São Petersburgo, decide homenagear Tchaikovsky, que havia falecido um ano antes, criando uma nova versão de “O Lago dos Cisnes”. Marius Petipa, que era o principal maître de ballet do Teatro Mariinsky, foi encarregado, desta vez, de fazer a nova coreografia. Foi tanto o sucesso, devido ao lirismo e à beleza da coreografia, que em janeiro de 1895 vem a tona a obra prima completa com 4 atos: Lev Ivanov (ajudante de Petipa) coreografa os atos brancos, 2º e 4º atos, e Marius Petipa, os outros dois, 1º e 3º atos. SINOPSE

 

Prólogo: A Princesa Odette, de beleza ímpar, passeia distraidamente, quando é capturada e enfeitiçada pelo cruel bruxo Von Rothbart, que a transforma num belo cisne.. Primeiro ato: (Jardins do castelo): O Príncipe Siegfried comemora sua maioridade junto a amigos e convidados e ganha de sua mãe, a rainha, uma arma de caça. Na noite seguinte deverá escolher uma noiva para desposar, tornando-se o rei. Com a chegada da noite, o jovem príncipe fica sozinho e angustiado e decide ir ao lago caçar. Segundo ato: (Um lago na floresta): Em busca de delicados cisnes, Siegfried se aproxima do lago e vê um belíssimo cisne branco. Prepara sua arma para atirar e subitamente o pássaro se transforma na mais linda jovem que já vira: Odette, a rainha dos cisnes. Ela conta ao príncipe o encantamento de que foi vítima e que somente um amor puro e verdadeiro será capaz de libertá-la. Ele logo compreende que a bela e triste Odette é o seu grande amor e ela imagina ter encontrado seu salvador. O casal se apaixona, trocam juras de amor e prometem se unir. Terceiro ato: (O baile no castelo): Na festa de seu aniversário, Siegfried deve escolher uma noiva dentre as donzelas presentes, porém, nenhuma das jovens atrai sua atenção. Subitamente, o bruxo entra no baile com sua linda filha Odile, vestida de negro e com a aparência idêntica à de Odette. O Príncipe fica enfeitiçado pela beleza e sensualidade de Odile e apaixona-se. Sendo assim, a nova jura de amor anula a promessa feita à Odette que permanecerá para sempre presa ao feiticeiro. Quando Siegfried percebe que foi enganado, se desespera e parte para o lago para se encontrar com sua amada Odette.
Quarto ato: (Noite no lago): As jovens cisnes, tristes com a tragédia de Odette, dançam desesperadamente em torno de sua rainha. Odette lhes conta que Siegfried quebrou o juramento. O Príncipe se aproxima e implora o perdão de sua amada e a jovem rainha o perdoa. O bruxo tenta com todas as suas forças separar os amantes, mas Siegfried enfrenta o terrível feiticeiro pela força do amor e sai vencedor. O feitiço que mantém presas todas aquelas jovens é desfeito. A aurora anuncia a chegada de um novo dia. Odette e Siegfried atingem, enfim, a plenitude de um amor ideal e eterno.

Gente, desculpe pelo tamanho do post. Mas, sabem, é MUITA emoção. Não me contive..

 

 

 

01
ago

Só passei para..

.. dizer que estou ultra, híper, mega, super, bluster, tunder, power, giga, extra feliz, pois depois de ter perdido as esperanças de conseguir ingresso para o Ballet Kirov em BH eu recebi a maravilhooooooooosa notícia de que tinha não só um, mas dois, DOIS, ingressos só me esperando chegar em BH. Então precisava compartilhar com vocês e dizer que não caibo em mim de tanta ansiedade, alegria, empolgação e euforia.. Depois passo para contar como foi. Vou me arrumar.. Fuuuuuuuuuuuuuuuui!