Fresca? Não! Bem criada.

Tag: LED

12
set

A liberdade é local! – LED no SPFW

Nos últimos anos conseguimos notar claramente o quanto o mercado local cresceu na cena mineira. Principalmente no campo das artes, fomentar o produto do vizinho, passou a ser não só uma tendência, mas também um ato político, onde comprar de quem faz é questionar todo um sistema enraizado no consumo desenfreado.

Melhor do que incentivar marcas que moram na nossa cidade, no nosso bairro ou na nossa rua, é ver elas alçarem voos e levar a mensagem de uma moda mais inclusiva e consciente para além dos limites do nosso estado.

A LED, do estilista Célio Dias, fez isso de uma maneira brilhante ao participar do projeto Top 5 do SEBRAE, que tem como objetivo incentivar microempreendedores de todo o país, acompanhando as marcas durantes 12 meses e auxiliando no desenvolvimento de coleções.

A segunda edição desse projeto tão importante, aconteceu com um desfile na 44ª edição do São Paulo Fashion Week, onde a mineira LED, levou toda sua liberdade para as passarelas, trazendo a tona a diversidade e o vestuário agênero, sempre presentes na identidade da marca.

Na coleção intitulada Mixórdia, Célio e sua equipe celebraram a independência sem rótulos através de cores vibrantes e a mistura entre o feito a mão de Minas e materiais industriais com referências do street wear. Com o styling assinado por Maria Cândida, a produção dos looks contou com calçados de Tatiana Marques, bolsas da marca colaborativa Diwo e acessórios da Box 19, todos orgulhosamente mineiros!

Ter a LED cruzando fronteiras geográficas e se apresentando para o mundo é ver acontecer a renovação de uma identidade local. Para a moda daqui, que muitas vezes se firmou no tradicional, um banho de frescor é mais que bem vindo! Obrigada Célio, por nos lembrar que ser diferente é lindo! Vai planeta! 

Fotos: Breno da Matta

 

Elisa Santiago é estudante de Design de Moda e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

19
abr

Minas Trend 20ª Edição: 10 anos de moda mineira

Na última semana o Minas Trend, maior salão de negócios de moda do país, realizou sua 20ª edição no Expominas e celebrou seus 10 anos fazendo história na cena fashion mineira.

Com o retorno do seu tradicional desfile de abertura, a temporada começou ao som do cantor Renegado, que embalou o público enquanto um casting diverso trouxe um verão predominantemente preto e vermelho, com shapes desconstruídos.

A estrutura do evento, mais uma vez comandada pelo arquiteto Pedro Lázaro, apresentou uma passarela marcante e os desfiles voltaram a acontecer a partir do final da tarde, atraindo maior público.Foto: Bruna Teixeira

Dentre as marcas que fizeram presença nos dois dias de catwalk, destacaram-se Natália Pessoa com seu tricô monocromático e mangas presunto, Lucas Magalhães em uma mistura entre linho e esporte e por fim, Victor Dzenk, que encerrou a semana com suas cores, bordados e a convidada pra lá de ilustre, Preta Gil.Desfile Lucas Magalhães – foto: Raíssa Maluf

O tão aguardado concurso Ready To Go, que premia novos talentos da moda no Minas Trend, teve como ganhadora (merecidamente) a Led, marca local liderada pelo mineiro Célio Dias, que vem abordando a fluidez de gênero em seu discurso e em suas peças, através de modelagens assimétricas e uma mescla entre urbano e alfaiataria.Led, ganhadora do concurso Ready To Go – Foto: Divulgação

No salão de negócios, os mais de duzentos expositores movimentaram o mercado e se mostraram otimistas com a retomada da grandiosidade do evento, que, nas edições passadas, exibiu uma versão mais clean, devido à situação econômica do país.

A Nephew, fundada por Vitor Sobrinho, foi uma das marcas que se destacou no setor de vestuário, levando ao evento seu lifestyle irreverente e street.

No ramo de bolsas e calçados, o ressalto ficou para a marca La Spezia, com sua coleção intitulada Botanic, inspirada na diversidade natural brasileira.

Por fim, no quesito acessórios, a Aramez deu o que falar com seus brincos e enfeites para tênis feitos em acrílico, ganhando inclusive, espaço no styling do desfile de abertura e parceria com o estilista Lucas Magalhães.

O sucesso da vigésima edição do Minas Trend fez jus aos dez anos de influência mineira no país e reforçou a ideia da valorização da criação local através da diversidade de marcas, produtos e modelos.

Embora conhecido pela tradição, o estado de Minas Gerais vêm abrindo portas para discursos mais abrangentes e inclusivos dentro da moda. Celebrar e continuar dando espaço a falas tão diversas é necessário. E que venham mais dez anos!

Elisa Santiago é estudante de Design de Moda e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

16
dez

2016 – A moda em transição

O ano está chegando ao fim e dizer que ele foi tranquilo seria uma afirmação bem distante da realidade. Dois mil e dezesseis foi marcado por transições, inquietações e sem dúvida alguma, confusões.

Fazendo seu papel de espelho da sociedade, a moda também acompanhou o ritmo e viveu momentos calorosos nesses trezentos e muitos dias que já se passaram.

Dessa forma, vamos aproveitar o clima nostálgico de final de ano e relembrar o que marcou esses 12 meses nas passarelas e nas ruas. Desde as mudanças no cenário da área até as tendências que fizeram a cabeça (e os pés) dos fashionistas.

O falecimento de David Bowie (16 de Janeiro)bownie

Logo nas primeiras semanas de 2016, o mundo acordou com a triste notícia da morte do cantor, ator e estrela David Bowie. Já doente o artista lançou seu último álbum, Blackstar, que mais pareceu um anúncio antecipado de sua ida para o lado dos imortais.
Bowie foi para a moda mais do que um ícone, ele atravessou as barreiras de gênero muito antes de ser um tópico em discussão, realizou parcerias com estilistas, fez de suas apresentações performances teatrais e sempre nos impressionou com a sua capacidade camaleônica de mudar e se renovar.

No gender em evidência2016Pegando carona no questionamento lançado por Bowie na década de setenta, o debate a respeito do gênero ou da ausência dele se fez novamente atual durante o ano.

O tema que antes era diálogo apenas na vanguarda e no underground, toma voz e nos convida a repensar a maneira como respeitamos as escolhas e a essência de cada indivíduo.

Artistas como Liniker e Jaloo entram em cena com sua voz e estilo que pouco se apegam aos conceitos de masculino e feminino.

Nas passarelas o casting formado por modelos transexuais assumiu o protagonismo da coleção do estilista Ronaldo Fraga, além de marcas que vêm apostando numa moda unissex e distante dos padrões, como é o caso da LED, do mineiro Célio Dias.
SPFWTRANS N42eidaO São Paulo Fashion Week que aconteceu em outubro marcou um momento de significativas alterações no cenário da moda brasileira. Trazendo o prefixo trans em seu título, o evento abordou uma nova roupagem para sua 42ª edição e sugeriu a moda que transgredisse, transitasse e se transformasse.

A nova programação contou com a adoção do conceito de see now, buy now (que você já leu por aqui), exposições que exibiam parcerias entre estilistas e fotógrafos, além de desfiles questionadores e cheios de representatividade como o da marca Lab Fantasma, do cantor Emicida e seu irmão Evandro Fiotti, que trouxeram às passarelas os mais variados corpos e cores.

A vez dos flat formsflats

Não tem jeito de falarmos de tendências sem citar a que mais se popularizou esse ano: as flat forms. Numa vibe que prioriza o conforto e a praticidade, o salto alto perde espaço para um calçado mais resistente, saudável e preparado para nos acompanhar no dia a dia.

Os flats logo caíram no gosto popular e diversas marcas aderiram o estilo prático de se calçar. Melissa, Arezzo e até mesmo a Schutz entraram na onda e lançaram os mais variados modelos.

A ascensão do conforto nos pés reflete não só uma mudança de hábito, mas também diz muito sobre o momento que vivemos, no qual o sportwear noventista ganha força e o feminismo se torna pauta de discussões diárias.

Elisa Santiago é estudante de Design de Moda e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.

 

 

19
out

Local certo – a moda e a economia criativa

Há quem diga que os momentos de incerteza e recessão são ótimos para impulsionar a criatividade dentro de nós. Mais que isso, outros ainda afirmam que o instante de aperto nos convida a reflexões profundas e mudanças de pontos de vista. É inevitável afirmar que atualmente passamos por esse tipo de situação. O mundo hoje vive uma fase de transição e não só a economia, mas o estilo de vida ocidental como um todo, está sendo repensado.

Seguindo essa vibe, nós, enquanto consumidores, estamos também revendo a maneira como compramos. Estamos treinando, aos poucos, um olhar mais consciente diante do que gastamos e buscamos cada vez mais por produtos que reúnam qualidade, propósito e sustentabilidade.

Refletindo tudo isso, entra em cena a valorização da economia local. Marcas e iniciativas que promovem o enaltecimento do que é produzido perto da nossa casa, do nosso bairro ou na nossa cidade, surgem significativamente, agitando a economia ao nosso redor.

Ao adquirir uma mercadoria local, o consumidor contribui com sua comunidade, com a geração de empregos de pessoas vizinhas e tem o benefício de um atendimento diferenciado devido à proximidade com o produtor.  De acordo com pesquisas realizadas pelo Sebrae, 95% de todas as empresas no Brasil são consideradas pequenos negócios que produzem 27% da riqueza nacional e empregam 52% dos trabalhadores com carteira assinada.

E o que isso tem com a moda? Bom, o “consumir moda” também está sendo repensado e por conta disso, produtores bem perto de nós estão ganhando espaço no universo do vestuário, dos calçados e dos acessórios. Você precisa saber quem são eles!

LED1Fruto do designer Célio Dias, a Led é uma marca de roupas que não se define por gênero. Com peças que transitam entre tecidos nobres e estamparia autoral, a palavra de ordem é autonomia. Seu mais recente projeto, chamado [Re]Invente-se, trata-se de uma parceria com o coletivo Underlight, e tem como objetivo vestir pessoas e despir ideias.

Nessa empreitada, diversas personalidades da cidade foram convidadas a contar suas histórias e provocar uma reflexão sobre padrões.

Carlos Penna2Buscando sempre o inusitado, a marca de acessórios do designer Carlos Penna desenha sua história através da resinificação de materiais e formas. Sem se apegar ao conceito de joia, suas peças transitam entre contextos e definições. Porém, a marca acredita que a experiência do produto só é completa quando é dada a relação entre o criador, o objeto e seu usuário.

Com seu design diferenciado e bem elaborado, a marca propõe uma nova forma de se pensar acessórios. Brincos, pulseiras, colares e anéis se transformam em arte, rendendo até uma forte parceria com a galeria Quarto Amado.

Nuu Shoes3Idealizada pela dupla Marcela Torres e Marina Lerbach, a Nuu traz um banho de novidades e experimentações na área dos calçados. Sem medo de ousar, a marca acredita na união entre estética e conforto, e propõe sapatos para uma mulher descomplicada e sem disfarces.

Os temas de suas coleções giram em torno de questionamentos sobre espaço e tempo, o que se reflete na variedade dos materiais e das formas desenvolvidas pelas designers. O equilíbrio vanguardista da marca não é novidade só por aqui, os produtos da Nuu Shoes já apareceram nas principais publicações de moda do Brasil.

Mooca4Ajudando diversos segmentos além da moda, a Mooca é a primeira loja colaborativa do Brasil com aceleração de produtores criativos locais. Originada das mentes inquietas da ex-publicitária Fabi Soares e da designer Marina Montenegro, esse projeto movimenta a economia da cidade desde 2015 e colabora com novos produtores através de consultorias, análises de resultados e workshops.

Todo esse trabalho desenvolvido cuidadosamente, se reflete em produtos criativos de qualidade que estão disponíveis na loja física da Mooca, localizada na região da Savassi, em BH. Esse projeto é a prova de que empoderar o produtor local, traz benefícios a toda a comunidade em volta.

Elisa Santiago é estudante de Design de Moda e uma eterna amante das ruas e das artes. Acredita na roupa como elemento de fala e empoderamento. É quem está por trás do @tens_razão.