Fresca? Não! Bem criada.

Moda

24
jan

Como evitar passar calor no verão?

No verão é muito difícil escolher o que vestir, não é mesmo? Qualquer escolha mal feita acaba deixando a gente com mais calor ainda. Ao contrário do inverno, que a gente pode colocar uma camada de roupa a mais e ficar bem quentinha, no verão parece que tudo que a gente coloca no corpo nos deixa mais calorenta e isso é insuportável.

Mas existem algumas formas de lidar melhor com o calor e ficar mais fresquinha durante a estação. Vem descobrir algumas dicas para te ajudar nessa época.

Priorize tecidos naturais

Tecidos naturais, como o linho e o algodão, são bons para o verão porque eles deixam o corpo respirar. Ou seja, eles são mais frescos. Então, quando você for escolher que roupa usar em um dia de verão, confira qual o tecido da peça e dê prioridade para tecidos naturais. Isso é muito útil, principalmente em ocasiões de trabalho, já que normalmente precisamos usar roupas mais fechadas, como camisas.

Fique de olho nas modelagens das roupas

Essa dica talvez seja mais óbvia, mas, sempre que possível foque em roupas com modelagens leves e fluídas. Evite peças com tecidos muito grossos e grudados demais no corpo. Nada pior do que passar calor e ainda por cima ter que aguentar roupas coladas no corpo, né?

Escolha cores mais claras

Sabia que cores mais claras podem te ajudar a ficar mais fresquinha durante um dia quente? Isso acontece porque tons mais claros, como o branco e o creme, absorvem menos luz solar. É por isso que ficamos com mais calor quando usamos roupas pretas ou escuras, já que elas absorvem bastante a luz do sol.

Fuja dos sapatos fechados (e pesados) sempre que possível

No calor é bom evitar sapatos fechados sempre que possível. Por isso, bote os pés para jogo e aposte em sandálias e rasteirinhas, principalmente. O lado bom é que atualmente vários tipos de sandálias diferentes estão na moda, ou seja, você tem muitas opções para experimentar com os seus looks de verão!

Aposte em penteados diferentes

Quem aguenta o cabelo solto encostando no pescoço nos dias de calor? Eu não! Para evitar passar esse incômodo, aprenda novos penteados! Tranças, rabos de cavalo, coques… O Youtube está cheio de tutoriais para você colocar os cabelos para o alto!

Gostou das dicas? Tem algo diferente que você costuma fazer no verão que não mencionamos aqui? Me conta nos comentários!

13
jan

Como se vestir na estética Old Money?

Você já ouviu falar da estética “Old Money”? Também conhecido como “dinheiro velho” ou “dinheiro antigo”, ele é o jeito de se vestir bem característico de famílias bem ricas, daquelas que o dinheiro é passado de geração em geração. Não se trata de exibir o fato de estar usando marcas caríssimas, mas uma riqueza mais neutra, minimalista e com um toque vintage.

Essa estética é bem comum nos Estados Unidos, onde não havia uma aristocracia, mas algumas famílias conseguem traçar muito bem a sua origem. Existe uma família da ficção que mostra muito bem do que se trata esse estilo: os Van Der Woodsen na série Gossip Girl.

Aqui, no mundo real, uma grife que representa muito bem o Old Money é a Ralph Lauren, que é a cara do estilo norte-americano. Outra representação muito boa são os famosos conjuntinhos de tweed criados pela Coco Chanel.

A volta dessa estética veio com força entre a Geração Z e está sendo muito reproduzida em vídeos no TikTok. Isso acontece como forma de contrapor o New Money e o Y2K, que são estéticas mais extravagantes e com bastante ostentação, vindas de principalmente de celebridades que adquiriram sua fortuna a partir dos anos 2000.

Mas como se vestir de acordo com o Old Money?

Como foi dito anteriormente, essa estética tem uma pegada mais neutra e vintage, mas sem perder a elegância. Por isso, alguns pontos importantes para ficar atenta na hora de montar seu look Old Money são esses abaixo.

  • Usar cores neutras: bem ao contrário da Moda Dopamina, o Old Money prioriza cores neutras, como o branco, o bege, o azul marinho, o vinho e o verde escuro. Alguns detalhes na cor preta e também no vermelho costumam aparecer nos looks, mas de forma bastante discreta.
  • Priorizar tecidos elegantes e de qualidade: a prioridade dessa estética são peças duradouras ao invés de chamativas, por isso, quem quer fazer parte desse estilo deve procurar roupas com bons tecidos, como o tweed, a seda, a caxemira, o couro e a lã.
  • Investir em peças atemporais e com bom caimento: os looks Old Money costumam passar a impressão de que as peças foram feitas sob medida para quem as está vestindo. Por isso, procure roupas bem cortadas, principalmente em peças atemporais, como calças de alfaiataria, vestidos e casacos.
  • Escolha acessórios sofisticados, mas discretos: a ideia de luxo sutil continua também nos acessórios. Isso é visto nos colares, brincos e pulseiras de pérolas, bolsas de grife sem logotipos, lenços de caxemira ou seda, óculos de sol tradicionais e discretos, abotoaduras e luvas de couro.
  • Manter o cabelo e a pele com aspecto saudável: para quem faz parte do Old Money uma aparência natural e saudável é essencial! O cuidado com o próprio corpo e com a saúde acaba sendo o mais importante, por isso, invista em maquiagens leves e penteados simples.
Pinterest | Classy Girls Wear Pearls

No instagram, a Ana compartilhou um pouco sobre o que é Old Money e como ela adapta essa estética para o dia a dia dela!

No final, a estética Old Money tem sido trazida de volta para os dias de hoje como um escapismo, uma maneira de brincar com uma realidade diferente da nossa. Por isso ela tem conquistado tantas pessoas atualmente. Confira mais algumas inspirações do estilo:

Você já tinha ouvido falar dessa estética?

15
dez

A moda dopamina vai te conquistar!

Você já ouviu falar da “moda dopamina” ou “dopamine dressing”? Essa é uma tendência que está vindo com tudo agora que muitas pessoas estão vacinadas e está acontecendo uma flexibilização maior da pandemia. Mas do que se trata essa nova trend?

O nome dessa nova moda foi veio “emprestado” do neurotransmissor responsável pelo prazer: a dopamina. E, se tem algo que sabemos, é que o jeito que nos vestimos tem um efeito importante em todo nosso humor, principalmente a felicidade e o prazer. Depois de passarmos tanto tempo em casa e sem poder ver as pessoas que amamos, estamos apreciando e aproveitando qualquer momento que traga uma dose de felicidade, não é mesmo?

Por isso, essa nova tendência está chegando com tudo e conquistando vários adeptos!

Como se vestir de acordo com a moda dopamina?

Ficou interessada em nessa nova fashion trend? A gente te explica como inserir ela no seu dia a dia!

Cores, texturas, brilhos, estampas e, se possível, mais cores ainda. A moda dopamina chegou para ser aquela guinada de energia que a gente estava precisando depois de enfrentar todos esses meses de pandemia. A ideia é que a partir de agora a gente aproveite todos os momentos em que podemos sair (com segurança, claro) para vestir nossos melhores e mais elaborados looks!

Mas como investir nessa tendência no look do dia? Você pode apostar em apenas uma cor forte e criar um look totalmente monocromático, criar uma combinação de cores diferentona ou começar aos poucos, adicionando pontos de luz à sua produção com acessórios fora do comum.

O que importa nessa tendência é seguir o seu coração para montar um visual que te deixe feliz e faça com que você se sinta viva e pronta para enfrentar o dia!

Confira mais algumas inspirações abaixo:

Leia mais posts do blog clicando aqui!

26
nov

Já ouviu falar nos tipos de corpos Kibbe?

Você sabe o que é a análise de tipo físico? Ela se trata de uma etapa importante da consultoria de imagem, em que a profissional ajuda a cliente a entender melhor o seu corpo e que tipos de roupas e acessórios podem valorizá-lo. A classificação mais conhecida no meio da moda envolve relacionar os tipos corporais com nomes de formas ou até frutas. Engraçado isso, né?

Você já deve ter visto em alguma revista ou post da internet alguém falando que uma determinada pessoa tem o tipo “triângulo invertido”, “retângulo”… Ou “pêra”, “maçã”, por exemplo.

Mas, ultimamente essas “regrinhas” de moda têm sido bem menos usadas, principalmente graças aos movimentos de positividade corporal que tem ganhado força no mundo todo. Todo conhecimento é positivo, ainda mais se ajuda a entendermos melhor o nosso corpo, né? Sem imposições e regras demais, claro.

Só que atualmente outro sistema de análise de tipo físico tem ganhado bastante reconhecimento e adeptas: o Kibbe. Não, não estamos falando daquela comida árabe que é deliciosa. Vem entender direitinho sobre isso! 

O que é o sistema Kibbe?

Vamos lá, o método Kibbe foi criado por um consultor de imagem americano famoso chamado David Kibbe. O que acontece é que nesse sistema não há um padrão de beleza geral, como no método “tradicional” de tipos físicos comumente usado na consultoria de imagem. Nele, cada kibbe tem um tipo de beleza único e o objetivo é realçar os aspectos corporais e usar da moda como uma ferramenta amiga. 

Dessa maneira a mulher entende o melhor “conjunto de moda” para o corpo dela, ou seja, o formato, acabamento e tecidos das roupas que fazem sentido para valorizar o corpo dela especificamente.

E como a gente descobre o nosso tipo físico nesse método?

O sistema é dividido nos lados yin e yang, sendo o yin mais feminino e curvilíneo e o yang mais masculino, angulado, reto e/ou robusto. A distribuição dos elementos no seu corpo demonstram em que parte você está no espectro Kibbe.

Para definir o seu kibbe é feita uma avaliação a partir da sua estrutura óssea e musculatura. O teste é bem longo e é interessante que ele seja feito por um profissional que entenda bastante da metodologia. Depois de feita a avaliação, você descobre em qual dos 13 tipos físicos kibbe você se encontra.

Uma coisa que é interessante notar é que o kibbe foi pensado para valorizar a silhueta individual da mulher e isso tem mais a ver com esse momento em que vivemos e citamos anteriormente, não é mesmo? Mas, não importa o método, é sempre bom ressaltarmos que todos os corpos são válidos e merecem ser valorizados! 

Aprender sobre o seu próprio corpo e tipo físico é importante para estarmos informadas e fazermos decisões cada vez mais acertadas e que nos façam realmente felizes, sejam elas dentro ou fora das “regras” de moda. É como sempre dizemos por aqui: o saber liberta!

Você gostou de saber um pouco mais sobre o sistema do Kibbe? Conta pra gente nos comentários o que você achou do post, que aí podemos pensar em mais conteúdos destrinchando essa metodologia!

22
nov

5 dicas para fazer boas compras na Black Friday

A Black Friday é um evento que surgiu nos Estados Unidos e acontece no dia seguinte ao feriado de Ação de Graças lá nos EUA. Mas ela se popularizou bastante aqui no Brasil e já nos acostumamos a esperar o mês de novembro chegar para fazermos algumas compras especiais.

Só que é importante ficarmos bem atentos durante essa data para não cairmos em ciladas, como quando as empresas aumentam os preços dos produtos um tempo antes da época da Black Friday para cobrar o preço original do produto como se fosse um descontão. Quem nunca viu isso acontecer, né?

Então vamos às dicas para evitar problemas durante as compras nesse mês?

Dicas para a Black Friday

1- Faça uma lista do que quer comprar

Quando vermos muitas ofertas acabamos ficando desorientadas e tentadas a comprar coisas que não estamos precisando. Por isso, crie uma lista das coisas que você está precisando e/ou realmente tem interesse em comprar. Você também pode anotar o valor “normal” dos produtos para ver se o desconto da Black Friday realmente vale a pena!

Assim, você não caí em nenhuma cilada, compra coisas que vão ter utilidade para você e não chega no fim do mês cheia de coisas que não precisa.

2- Fique de olho no frete e no prazo de entrega

Muitas lojas “compensam” o desconto dado nessa época com um frete exorbitante, então fique atenta para esse “golpe”. Além disso, devido ao aumento das compras durante o período da Black Friday, as lojas acabam estendendo o prazo da entrega. Por isso, é bom também prestar atenção na data que o seu produto irá chegar.

3- Dê preferência a lojas confiáveis

Na hora de fazer compras, principalmente online, é bom ficar de olho na loja que você está comprando. Nem toda loja online é segura e confiável, não é mesmo? Quem nunca caiu numa cilada e recebeu o produto errado ou nem recebeu o que comprou alguma vez na vida?

Uma boa dica é priorizar lojas que você conheça e tenha tido uma experiência positiva ao comprar nelas.

4- Desconfie de promoções muito absurdas

Viu um desconto bom demais pra ser verdade? Desconfie, principalmente se for de uma loja que você nunca ouviu falar sobre. Aproveite que a internet é um espaço cheio de informações e procure bastante sobre a reputação da empresa, seja nas redes sociais, no site e até no Reclame Aqui.

É bem melhor prevenir do que remediar, ainda mais quando algo envolve os nossos dados de pagamento.

5- Compare os preços

Além de avaliar a reputação da loja, dê uma olhada se ela está oferecendo o melhor preço para o que você quer comprar. Uma boa opção de site para conferência de preços é o Zoom.

Gostou das dicas? Acha que ficou faltando alguma coisa? Me conta nos comentários!