fbpx

Fresca? Não! Bem criada.

Tag: Gastronomia

09
jul

As vinícolas que conheci em Paso Robles

Quando decidi fazer essa viagem à Califórnia, muitas pessoas torceram o nariz imaginando que eu faria um roteiro óbvio, ou como muitos turistas que procuram os Estados Unidos para compras e passeios em outlets.

Mas quem me acompanha sabe o quanto sou apaixonada por viagens e o quanto às planejo nos mínimos detalhes. Sendo assim, na minha primeira vez na costa oeste americana procurei fugir do óbvio e nas pesquisas que antecederam minha ida conheci mais sobre a região de Paso Robles.

Para quem nunca ouviu falar desse lugar, trata-se de um aglomerado de vinícolas que fica há 212 Km de Monterey e a 230 Km de Santa Barbara pela highway 1. Uma localidade encantadora e uma excelente opção de pernoite para quem curte vinhos!

Dentre as mais de dez vinícolas que Paso Robles abriga, eu e minhas super companheiras de viagem escolhemos cinco: Justin, Daou, Adelaida, Eberle e Villa San Juliette!

Vale lembrar que nessa parte da nossa aventura pela Califórnia dedicamos alguns dias a mais e assim conseguimos conhecer a região com mais calma. Mas para quem tem poucos dias pelo lugar, segue valendo a visita!

Vinícola Justin:
Fundada em 1981, a vinícola Justin é reconhecida por seus vinhos tintos Bordeaux que possuem sabor acentuado devido ao solo rico em calcário fossilizado.

Por lá, eles misturam técnicas rudimentares como a colheita manual e o envelhecimento em barril de carvalho, com a tecnologia utilizada para garantir uma maior durabilidade das uvas.

Vinícola Daou:
O passeio na vinícola Daou foi um dos mais interessante, a começar pela história dos fundadores que tinham uma empresa milionária de computação e largaram tudo para viver o sonho de produzir vinho na Califórnia.  A Daou é uma vinícola que passa por sua segunda geração e é conhecida por ter sua colheira realizada durante a noite, priorizando a qualidade de suas uvas.

Todas as frutas da DAOU Mountain são colhidas a dedo, depois classificadas tanto pelo olho humano quanto pela tecnologia ótica de ponta para garantir a pureza absoluta dos frutos. Usando cem por cento de suco livre, o enólogo Daniel Daou inicia a fermentação com leveduras nativas cultivadas na propriedade. Cada fermentação é personalizada medindo a composição fenólica e usando análise sensorial, permitindo que Daniel oriente o equilíbrio natural e a textura.

Vinícola Adelaida:
O Dr. Stanley Hoffman plantou o primeiro Pinot Noir no terreno escarpado da encosta do que é hoje o Vinhedo HMR no distrito de Adelaida, em Paso Robles. Ele plantou também algumas das primeiras videiras de Cabernet Sauvignon e continuou em 1973 a plantar Chardonnay no Vinhedo HMR.

Os vinhedos que localizam-se a 1400-1800 pés acima do nível do mar produzem vinhos premium engarrafados e bem conceituados.

Vinícola Eberle:
Fundada há 38 anos atrás por Gary Eberle, a vinícola Eberle recebe hóspedes diariamente com degustações de vinho de cortesia, passeios públicos nas instalações de produção e 16.000 pés quadrados de cavernas subterrâneas. Eles também abrigam uma variedade de deliciosos e divertidos eventos realizados na vinícola durante todo o ano. Por lá realizamos uma visita guiada por entre esses incríveis túneis cheios de boas histórias.

Vinícola Villa San Juliette:
Sustentabilidade e responsabilidade ambiental são as palavras de ordem na Villa San-Juliette, que desde 2013 possui o SIP Certified conquistado através de uma auditoria rigorosa de suas práticas de cultivo e operações de vinícolas. O certificação SIP – que significa Sustentabilidade na Prática – é um processo abrangente realizado pela Equipe Vineyard, que representa muito mais do que vinhos “verdes” ou “orgânicos”. Esse selo procura construir comunidades entre as vinícolas e trabalhadores. O resultado é uma rede de agricultores e vinicultores apaixonados e que buscam deixar um legado duradouro e saudável para a próxima geração.

06
jul

Hotel que fiquei em San Francisco: Stanford Court San Francisco

Dando continuidade à série sobre os hotéis que me hospedei pela Califórnia, hoje falo do Stanford Court San Francisco, que foi onde fiquei na terceira parte da viagem.

Logo de inicio já afirmo que essa foi nossa melhor hospedagem até então! A localização não poderia ser melhor – ao mesmo tempo em que está próxima do fervo da Union Square, há dois quarteirões de distância, encontra-se num ponto sem muita agitação e barulho, ideal para descansar.

Além do local estratégico, bem pertinho de nós passava o Cable Car, àquele bondinho que percorre vários pontos memoráveis da cidade e também diversos ônibus que nos levam aos principais monumentos turísticos.

O hotel em si é extremamente bonito, novo e grande! E uma das melhores partes em se hospedar por lá, foi que na hora do check-in ganhamos um up grade e conseguimos um quarto maior, com duas camas tamanho queen e uma vista estonteante de San Francisco que nos relaxava por completo depois de dias intensos de andanças.

Assim como a maioria dos hotéis pelos Estados Unidos, o café da manhã não é incluso, mas no Stanford Court foram-nos oferecidas duas opções de refeição: uma de $28 dólares bastante completa com pães, vários tipos de ovos, salsichas, bacon, sucos, frutas, nutella e outra mais resumida de $22 dólares com frios. Convertendo esses valores, o desjejum não sai tão barato, mas esse é o preço médio por lá e para nós valeu muito a pena, pois estava tudo delicioso!

O único ponto negativo nos quartos para mim foi o carpete, já que costumo ser bem alérgica. Mas infelizmente esse é um padrão americano e por todos os lugares que passamos notamos essa questão.

A nossa escolha de se hospedar nesse hotel foi um acerto e tanto, e posso recomendar a hospedagem de olhos fechados, pois é sem dúvidas o melhor custo benefício até então!

Se você ainda não viu ou quer saber mais sobre minhas outras hospedagens pela Califórnia, basta clicar aqui:

Red Lion Anaheim

Whyndham Santa Mônia

 

 

 

04
jul

Vem aí a segunda edição da Feira Chica!

A valorização da economia local nas grandes cidades têm se mostrado como uma tendência comportamental  nos últimos anos. Trocar itens produzidos em marcas renomadas e com pouca durabilidade por produtos confeccionados com qualidade artesanal, vêm se tornando cada vez mais comum e viável.

Parte responsável por essa mudança de mentalidade, são as feiras que acontecem frequentemente em diversos pontos das metrópoles, apresentando propósitos como o desaceleramento do consumo e o feito à mão.

Em Belo Horizonte essas pequenas iniciativas já são muitas e ganham cada vez mais espaço na programação cultural. Dentre as inúmeras feiras desse tipo, destaca-se a Feira Chica – um evento que tem por objetivo promover mulheres que empreendem localmente.

Idealizada pelas amigas Milene Agnes, Marcelha Pereira e Elisa Santiago, ela chega a sua segunda edição com um maior número de expositoras, muita moda, arte, design e um novo lugar!

Dessa vez a Feira Chica será recebida em um dos espaços mais comentados e charmosos de BH: a Casa Rosa do Bonfim, uma construção dos anos 50, administrada pela artista plástica Paulina Ribeiro, que abriga obras de arte urbana e um jardim irresistível!

Reforçando ainda mais a ideia de impulsionar negócios com gestão feminina, as curadoras contam que nessa segunda edição além das expositoras, todos os serviços contratados para fazer o evento acontecer são administrados e realizados por mulheres, desde à dona do espaço, passando pela fotógrafa, até a segurança.

Dentre a lista de marcas presentes na feira, nomes como Fernanda Torquett, Jambu Bags e Yellow Factory estão confirmadas, além de diversas outras opções de roupas, acessórios, decoração, perfumaria, papelaria, botânica e gastronomia.

A Feira Chica é uma excelente opção não só para quem quer comprar e conhecer novas produtoras, mas também para quem quer passar o dia, relaxar e comer várias delícias que serão oferecidas em food trucks na porta da casa.

O evento acontece então no próximo sábado, dia 7 de julho, de 11h às 17h e tem entrada gratuita para todos, inclusive para quem quiser levar os pets! Se eu fosse você, já colocava na agenda, por que será imperdível!

 

Para mais informações basta ir ao instagram da feira @feira.chica ou ao evento no facebook!

Feira Chica

Dia 7 de julho – de 11h às 17h

Casa Rosa do Bonfim – Rua Botelhos, 90 (entrada pela Rua José Ildeu gramicelli)

02
jul

Os novos lugares mais legais de BH

A cidade de Belo Horizonte vêm crescendo positivamente em termos de estabelecimentos culturais que celebram arte, gastronomia, moda e música. De uns anos para cá, a capital vivenciou um boom de novos lugares e está aos poucos se tornando uma capital rejuvenescida e mais conectada a sua origem.

Dentre os empreendimentos que vêm surgindo, destacamos alguns que valem a pena a visita e que prometem ser novos pontos turísticos para quem vem conhecer a nossa terra.

  1. Querida Jacinta

    Orgulhosamente localizada na zona leste de BH, a cervejaria Querida Jacinta trás um clima de mais amor, descontração e leveza para a cidade. Em um ambiente que nos remete aos pubs, mas com uma pegada bem brasileira, são oferecidos pratos como mexido e guaca mole, além das 11 torneiras de chopp.
    Com uma trilha sonora dançante, o local é ponto de encontro para quem busca harmonizar comida boa e cervejas especiais.Endereço: R. Grão Pará, 185 – Santa Efigênia
  2. Birosca s2 

    Se a ideia é juntar gastronomia afetiva, ambiente aconchegante e música boa, o Birosca é o lugar certo! Com uma decoração digna de casa de vó, cheia de louças antigas, o bistrô é um abraço na nostalgia e oferece pratos que transitam entre a culinária mineira e francesa preparados pela chef Bruna Teixeira.
    Para quem busca uma opção mais romântica, o restaurante é dica certeira, além do menu e do cenário, artistas de piano e jazz são figurinhas carimbadas no local e apresentam uma seleção musical imperdível.Endereço:  Rua Silvianópolis, 483 – Santa Tereza

  3. Mercado da Boca 

    Inspirado no Mercado da Ribeira em Lisboa, o mais novo empreendimento culinário de BH reúne chefs renomados como Ivo Faria e Fred Trindade que apresentam diversas delícias da gastronomia mineira.
    Além do time estrelado de chefes, o ambiente conta com a presença de restaurantes como Alma Chef, Green Up e Patuscada. Para quem deseja degustar um pouco de cada opção em um local novo e dinâmico, o Mercado da Boca é uma excelente opção!Endereço: Av. Toronto, 156 – Jardim Canadá, Nova Lima

  4. Grande Hotel Ronaldo Fraga 

    Sempre antenado às tendências globais, o estilista Ronaldo Fraga encerrou as atividades de sua loja na região da Savassi em 2016 para se aventurar em um novo espaço repleto de coletividade, novas marcas e muito charme!
    Localizado no bairro Funcionários, o Grande Hotel Ronaldo Fraga tornou-se um ambiente que abriga novos nomes da moda mineira, além de um café aconchegante envolvido numa arquitetura antiga e cheia de memórias. Visitar esse novo espaço é um mergulho no universo fashion da cidade.Endereço: R. Ceará, 1205 – Funcionários

  5. Nicolau Bar da Esquina 

    Localizado na região mais boêmia de Belo Horizonte, entre o Horto e Santa Tereza, o gastro bar Nicolau, busca resgatar através da culinária e da arquitetura, a cultura genuína da cidade, onde ambiente e boa comida andam de mãos dadas.
    Com projeto do arquiteto Gustavo Penna e menu do chef Leo Paixão, o empreendimento oferece pratos conceituais que tem a intenção de popularizar as tradições mineiras.Endereço:  R. Pouso Alegre, 2217 – Horto

 

03
Maio

Conheça as leis e os costumes locais antes de viajar!

O número de turistas que viajam para destinos distantes e exóticos é cada vez maior. Preocupado com recentes casos de cidadãos que acabaram presos, multados ou deportados, o Governo do Reino Unido advertiu os cidadãos britânicos sobre a importância de conhecer leis e costumes locais dos países antes de viajar.

No ano passado, o Foreign and Commonwealth Office (FCO), equivalente ao nosso Ministério das Relações Exteriores, cuidou de mais de 23 mil casos de britânicos que tiveram problemas com as leis locais. Dentre os casos recentes, estão o de um britânico que quase pegou três meses de prisão em Dubai por tocar o quadril de um homem e o de uma britânica deportada do Sri Lanka por ter uma tatuagem do Buda em seu braço.

Também chamou atenção o caso de dois turistas dos EUA que foram presos por mais de uma semana e, em seguida, deportados, após posarem nus para uma foto na frente de um templo budista na Tailândia.

Por isso, para evitar problemas durante sua viagem é muito importante conhecer leis e costumes locais. Muitas vezes o que consideramos normal e conforme a lei pode ter um tratamento diferente em outro país. Você pode querer usar determinada roupa ou levar certo medicamento que são proibidos, por exemplo. Destacamos alguns casos curiosos que merecem nossa atenção!

Caribe

Pensando em ir para o Caribe? Então nem pense em colocar na mala aquela peça linda camuflada, pois é estritamente proibido usar roupas com estampas militares em vários países caribenhos, como, por exemplo, Barbados, Jamaica, Grenada, Dominica, St. Lucia e St. Vincent. 

Emirados Árabes Unidos

Fazer juramentos e gestos grosseiros, inclusive manifestações on-line, são considerados atos obscenos e podem ensejar penas de prisão e deportação.

Também pode ser preso e multado quem demonstrar simpatia pelo Qatar nas mídias sociais ou por qualquer outro meio de comunicação. As relações diplomáticas entre Emirados Árabes e Qatar estão suspensas.

Exibições públicas de carinho são desaprovadas e várias prisões por beijar em público já ocorreram.

O cuidado com as roupas igualmente deve estar presente. O cross-dressing, termo que se refere ao ato de alguém se vestir com roupa ou usar objetos associados ao sexo oposto, também é prática considerada ilegal.

Sabemos que em muitos países as penas por tráfico e posse de drogas são severas, inclusive podem prever pena de morte. O mais curioso na legislação dos Emirados Árabes Unidos é que a mera presença de drogas na corrente sanguínea é considerada como posse e dá cadeia. Além disso, passageiros em trânsito que estejam sob a influência do álcool também podem ser presos.

Grécia

Se você vai para Grécia, saiba que é proibido usar salto alto em locais históricos. A medida tem por objetivo a preservação dos sítios arqueológicos.

Além disso, a polícia grega não aceitará comportamento agressivo ou indecente, sobretudo quando o consumo excessivo de álcool está envolvido. Comportamentos indecentes, como o mooning (bundalelê), podem ser punidos com multa ou prisão.

Japão

Os medicamentos são classificados em cinco categorias: geral, narcótico, psicotrópico, estimulante ou dispositivo médico. Dependendo da classificação, nome e quantidade, você pode ser obrigado a solicitar uma permissão/certificação. Se você levar um estimulante ou não tiver a documentação correta, pode ser preso e ter a medicação confiscada. Medicamentos contendo codeína, a exemplo dos famosos inaladores Vicks, são proibidos. A posse pode resultar em prisão ou deportação.

Sri Lanka

País de maioria budista, o Sri Lanka é sensível a todo comportamento que considera ofensivo à religião. Por isso, turistas devem estar atentos para a necessidade de respeitar imagens budistas e ter o cuidado de seguir instruções em locais sagrados, especialmente quando fotografar estátuas do Buda.

Em agosto de 2012, três turistas franceses foram condenados a seis meses prisão, mas com suspensão condicional da pena por cinco anos, por terem beijado uma estátua de Buda. Além disso, vários turistas já foram impedidos de entrar no país, ou enfrentaram a deportação, por terem tatuagens visíveis do Buda.

Um dos casos mais famosos é da enfermeira britânica que foi detida por quatro dias em abril de 2014 e deportada do Sri Lanka por ter uma tatuagem do Buda no braço. Ao voltar para o Reino Unido, a britânica resolveu ajuizar uma ação contra autoridades locais. Anos depois, a Suprema Corte do país disse que o tratamento dispensado à turista havia sido “escandaloso e horrível” e que seus direitos tinham sido violados. Pelo sim pelo não, se esse é o seu caso, é melhor esconder direitinho essa tatuagem!

Tailândia

País queridinho dos brasileiros, a Tailândia proibiu, desde janeiro, fumar nas praias de certas áreas turísticas, incluindo as províncias de Koh Samui, Pattaya e Phuket, Prachuap Khiri Khan, Chon Buri e Songkhla. Quem violar essa lei pode ser multado e pegar uma pena de até um ano de prisão.

Também é ilegal levar cigarros eletrônicos e recargas para o país. Punições vão desde confisco a até 10 anos de prisão.

Além disso, fique atento para jamais fazer declarações políticas em público. A crítica da monarquia, sob qualquer forma, é considerada crime gravíssimo. Pelo mesmo motivo você não pode pisar ou, de qualquer modo, desrespeitar a moeda tailandesa, onde está estampado o rosto do rei.

Como você pode ver, um comportamento que consideramos totalmente inofensivo pode ser considerado crime grave em outros países. Por isso, se você pretende viajar, sobretudo para um destino exótico, é muito importante prestar atenção às leis e costumes locais para não acabar se metendo numa fria!