Fresca? Não! Bem criada.

Tag: travel addicted

02
mar

Hotel que fiquei em Roma: Hotel Stendhal

Como vocês já viram no meu Instagram, recentemente fiz uma viagem renovadora a Itália e a Portugal. O objetivo desse roteiro era levar minha mamita para conhecer o Vaticano e tantos outros locais ricos em história e fé.

Em Roma, para que pudéssemos desfrutar ao máximo as atrações que desejávamos ir, já que ficamos pouco tempo por lá, procuramos uma hospedagem bem localizada e acabamos escolhendo o Hotel Stendhal.

Ele fica bem próximo a estações de metrô na região central da cidade e a alguns minutinhos da tão charmosa Fontana di Trevi! Sua localização é tão estratégica que fomos a pé em vários pontos turísticos indispensáveis como a Piazza di Spagna, Pantheon e até mesmo o Coliseo.

Embora a hospedagem e os quartos sejam pequenos, são extremamente aconchegantes com tudo o que a gente precisa como frigobar, uma ducha muito boa, cofre, mantas e travesseiros extras, espelhos, armários, gaveteiro, televisão e por aí vai…

O café da manhã já vem incluso no valor da diária e é excelente! Dentro do hotel existe também um bar/restaurante que atende tanto a noite quanto como serviço de quarto. O diferencial do lugar é um garçom chamado Valério, muuuito fofo, que conta várias histórias e acolhe muito bem os hóspedes!

Quem procura fazer uma viagem a Roma e se manter bem localizado e acomodado, eu recomendo o Hotel Stendhal! Suas diárias apresentam um ótimo custo benefício e você ainda economiza com trasporte na hora de turistar!

 

 

 

28
fev

Meu roteiro por Roma!

Minha última passagem pela Itália foi rápida, porém muito intensa. Quem me acompanha pelo Instagram sabe que desfrutei novamente dos espaços mais encantadores de Roma e ainda tive o privilégio de ver o Papa Francisco beeem de pertinho.

Ainda que rapidamente, estar em contato com uma cidade tão rica em história e beleza foi um jeito excelente de começar uma temporada em viagem!

Obviamente que todo o planejamento prévio e a hospedagem em local estratégico facilitaram e muito para que aproveitássemos ao máximo os passeios. E essas dicas eu trago hoje, no meu roteiro por Roma!

Chegamos na cidade numa terça-feira a noite e logo fomos para o hotel Stendhal, com acomodações bem confortáveis e uma localização privilegiada. A poucos minutos de diversos pontos turísticos, essa escolha nos poupou tempo em deslocamento, já que tínhamos apenas três dias por lá. Mais detalhes dessa hospedagem eu darei no próximo post da viagem!

Na manhã seguinte acordamos bem cedinho pois era o dia de ver o Papa! A missa acontece todas as quartas-feiras, por volta das 9h, porém para não precisar ter pressa, é interessante chegar com umas duas horas de antecedência.

E para não contar somente com a sorte, solicitamos previamente via email um convite gratuito que dá a garantia de um lugar para assistir toda a cerimônia e ainda ver o desfile do Papamóvel. E sim, o Papa Francisco passou beeeem pertinho de nós! Uma emoção inexplicável e fé renovada! (Mais detalhes sobre como conseguir esse convite e os trâmites desse evento, darei também num próximo post!)

Passamos toda a manhã envolvidos com a missa na Piazza San Pietro, que terminou por volta das 11h. Depois disso almoçamos por ali mesmo, na parte central da cidade que oferece inúmeros restaurantes bons. Fomos também a tradicional loja de departamento La Rinascente, que inaugurou um espaço bem próximo de onde estávamos.

Após deixarmos algumas comprinhas no hotel, seguimos rumo ao museu do Vaticano, que assim como a missa, já havíamos garantido nossos ingressos anteriormente, o que nos poupou no mínimo uma hora de fila! Com horário agendado, percorremos todo o museu, a Capela Sistina e também a cúpula da Basílica de São Pedro! Uma boa dica é subir primeiro a cúpula antes de ir para a basílica já que a primeira fecha mais cedo!

Finalizamos o primeiro dia jantando em um restaurante e na manhã seguinte fomos a pé para a Fontana di Trevi, um lugar que merece ser visitado mais de uma vez ao dia por sua beleza estonteante! Com os ingressos comprados previamente, dali seguimos também a pé para o Coliseo e logo depois para o Foro Romano e o Foro Palatino, que são as ruínas de Roma.


Almoçamos ali por perto e na volta fizemos o Pantheon e novamente a Fontana de Trevi, só que dessa vez com a iluminação noturna, igualmente incrível! Além desses passeios programados, entre um caminho e outro aproveitamos para nos perder pelas ruelas da cidade, o que sempre nos rende boas surpresas já que por ali existem construções grandiosas e lojinhas típicas!

A noite iríamos ao restaurante Spirito Divino, que fica em cima de uma cave e é super bem conceituado por sua tradição e comida slow. Porém, infelizmente, eu não me senti muito bem no dia e acabamos adiando o programa, mas deixo aqui a dica para quem passar por Roma!

Por fim, acordamos no dia seguinte, passeamos pelas redondezas do nosso hotel e seguimos para o voô rumo ao próximo destino que em breve contarei em detalhes!

Grande parte dos pontos turísticos que visitei nessa ida a Itália, eu já conhecia, mas é sempre irresistível rever os detalhes e caminhar novamente entre esculturas, palácios e construções tão magníficas. Se você pretende ir a Roma, mesmo que por poucos dias, não deixe de seguir as minhas dicas!

 

 

22
fev

Vlog de viagem: Roma (Itália)

No vídeo de hoje eu conto para vocês em detalhes sobre como eu consegui ver o Papa Francisco tãaaaaaaaao de pertinho, no Vaticano e dou dicas totalmente insiders sobre como melhor aproveitar os seus dias em Roma. Aperte o play!

Se você ainda não se inscreveu no Canal do Anita Bem Criada no Youtube, aproveite para se inscrever clicando aqui! Quem se inscreve recebe os vídeos primeiro (no e-mail e/ou celular) e assim, não perde nada do que vem por aí!

20
fev

Dicas de filmes sobre a Itália

Uma das coisas que mais me inspira e me anima a traçar novos roteiros e planejar viagens são os filmes que eu assisto! Belas paisagens, um enredo que se mistura ao cenário, aquela fotografia de tirar o fôlego…filmes possuem o poder de nos teletransportar para um universo lúdico e encantador.

Pensando nisso e nas várias produções cinematográficas que já me inspiraram a rodar o mundo, hoje trago algumas sugestões de filmes que se passam na linda e envolvente Itália! Para quem está planejando uma viagem ou para quem quer só se divertir, vale a pena conferir a lista!

Para Roma com amor – Woody Allen

Quatro histórias que se cruzam de maneira divertida e irônica, tendo como pano de fundo a inconfundível cidade de Roma!

Comer, Rezar e Amar – Ryan Murphy

Liz Gilbert, interpretada por Julia Roberts decide largar a vida convencional para viver experiências a flor da pele ao redor do mundo. Na Itália ela experimenta os mais diversos sabores da tão tradicional culinária do país.

Cartas Para Julieta – Gary Winick

Em visita à cidade italiana de Verona com seu noivo sempre atarefado, a jovem Sophie visita o muro onde os desiludidos deixam cartas para a heroína de Shakespeare, Julieta Capuleto. Ao encontrar uma dessas cartas, de 1957, a jovem decide escrever à autora, Claire. Inspirada pela atitude de Sophie, Claire decide procurar por seu antigo amor.

Beleza Roubada – Bernardo Bertolucci

Após a morte da mãe, Lucy viaja a Itália para reencontrar velhos amigos, mas acaba se envolvendo com um amor antigo enquanto desvenda pistas sobre o então falecimento.

Cópia Fiel – Abbas Kiarostami

James Miller é um filósofo inglês que viaja para uma pequena cidade na Itália para apresentar seu livro sobre o valor da cópia na arte. Chegando lá, conhece a dona de uma galeria de arte, que vive com seu filho, e assim os dois entram em uma relação afim de discutir os limites do amor.

Me Chame Pelo Seu Nome – Luca Guadagnino

Com três indicações ao Oscar 2018, o filme sa passa numa Itália dos anos 80 onde o jovem Elio está enfrentando outro verão preguiçoso na casa de seus pais. Mas tudo muda com a chegada de Oliver, um acadêmico que veio ajudar a pesquisa de seu pai.

24
jan

Skiplagged: conheça um jeito inteligente de viajar pagando menos!

A polêmica em torno do Skiplagged, site que atrai milhões de visitantes por mês, chamou minha atenção. Aktarer Zaman, estudante universitário recém-formado e proprietário do site, foi processado pela United Airlines, uma das três maiores companhias aéreas americanas, e pela Orbitz, uma agência de turismo online, no caso que ficou conhecido como United Airlines e Orbitz x Skiplagged.

Fiquei curiosa para saber o motivo pelo qual duas mega corporações da área do turismo ajuizariam uma ação na Corte de Illinois, em Chicago, contra esse jovem até então desconhecido, pedindo a condenação dele em U$$ 75.000,00 dólares por perdas e danos. Simples. O site criado por Zaman estaria, segundos as empresas, promovendo concorrência desleal e viagens estritamente proibidas.

Para quem não sabe, o Skiplagged é um site de busca de passagens aéreas mais em conta porque utiliza uma simples ferramenta conhecida como viagem com cidade escondida. Funciona basicamente assim: ao invés de comprar a passagem para o destino final deve-se comprar para alguma outra cidade que tenha seu destino final como conexão.

Portanto, a viagem com cidade escondida acontece quando você compra um voo mais longo que inclui uma conexão para seu destino real porque custa menos do que o voo direto. Ao que parece, em alguns países, isso ocorre com certa frequência, como nos voos domésticos dos Estados Unidos, por exemplo. Entretanto, no Brasil, não achei essas passagens tão fácil.

Vamos ver, então, como funcionam essa estratégia e o serviço oferecido pelo Skiplagged, bem como conferir se isso dá certo para os voos domésticos no Brasil.

Qualquer pessoa pode procurar e comprar passagens com cidade escondida. Mas tem horas que parece ser tão confuso, perde-se tanto tempo procurando as combinações perfeitas e comparando os preços, que chega a ser uma questão de sorte conseguir um voo mais barato que faça uma conexão no seu destino pretendido.

Aí entra o Skiplagged, já que faz todo esse trabalho para você. O site utiliza a estratégia conhecida como viagem ou passagem com cidade escondida que possibilita ao usuário descobrir tarifas aéreas mais baratas que não aparecem em programas concorrentes de busca. Também não é assim um passe de mágica, pois muitas vezes o próprio site informa que não existem voos mais em conta que sejam conforme os critérios de busca.

Vamos ver um exemplo? Suponha que eu pretenda viajar de Brasília para Rio de Janeiro. Aí preciso descobrir qual voo faz conexão no Rio e comparar o preço desse voo com o voo direto. Vamos imaginar, então, que eu consiga essa façanha. Desse modo, vou comprar, por exemplo, uma passagem de Brasília para Curitiba com conexão no Rio, pois assim seria mais econômico. Então, desembarco no Rio e desisto do restante do itinerário, no caso Rio-Curitiba.

Viu por qual motivo essa estratégia ganhou o nome de viagem ou passagem com cidade escondida? Justamente porque o passageiro esconde da companhia aérea a intenção de descer na cidade em que fará a conexão.

Mas, atenção! Essa tática somente funciona para quem não despachar bagagem. Isso porque, se você despachar, sua bagagem segue para o destino final, enquanto você desce no aeroporto em que é feita a conexão. No entanto, ainda que você viaje com bagagem de mão existe o risco, pois pode acontecer do voo estar lotado e não ter mais espaço no porta-bagagens acima dos passageiros, aí lá vai sua bagagem ser despachada para o destino final.

Além disso, não seria possível comprar passagens de ida e volta, já que haveria no show do restante da perna que você decidiu dispensar e o subsequente cancelamento dos demais trechos. Em que pese as companhias aéreas estarem proibidas de praticar o no show em situações semelhantes, conforme nova resolução da ANAC, não se pode confiar que essa regra será obedecida.

Outro problema poderia ocorrer no caso de cancelamento da passagem pela companhia aérea, que pode realocar o passageiro em outro voo, sem a conexão pretendida. Basta imaginar uma determinada condição climática que seja determinante para o fechamento do aeroporto de conexão para pousos. Nesse caso, você não poderá dizer para a companhia aérea que pretendia descer, por exemplo, em Florianópolis (cidade escondida), não em Porto Alegre (destino final), quando a alteração do voo implicar em outra conexão.

Em resumo, se você quiser arriscar e comprar uma passagem com cidade escondida, deve observar essas condições:

1) viajar com bagagem de mão,

2) descer do avião durante a conexão, e

3) desistir do restante do itinerário.

Quer ver um exemplo de como funciona o Skiplagged?

Se você quisesse voar de Brasília (aeroporto JK) para o Rio de Janeiro (Santos Dumont), em 30 de dezembro de 2017, teria que desembolsar R$ 962,00. Esse é, portanto, o valor do voo direto Brasília-Rio, como se vê abaixo:

Mas, se você comprar uma passagem de Brasília para Curitiba, com uma conexão no Rio, pagará R$ 684,00. Portanto, será uma economia de R$ 278,00. Valor considerável, não é?

Talvez no Brasil seja mais difícil encontrar passagem mais barata com a tática da cidade escondida porque existem poucas companhias aéreas operando no país, o que poderia levar, inclusive, a um tipo de cartel. Tanto que os preços costumam ser bastante parecidos e até mesmo os horários de voos de companhias aéreas distintas muitas vezes são quase iguais, variando poucos minutos.

Mas o que explicaria uma passagem aérea com conexão sair mais em conta do que a primeira parte da perna da mesma rota? Valendo-se do nosso exemplo: como a passagem Brasília-Curitiba (com conexão no Rio) pode ser mais barata do que Brasília-Rio (voo direto)?

Falando de forma leiga, já que eu não saco nada de economia, isso acontece por conta das companhias aéreas que partem de determinadas cidades menos disputadas pelo ramo da aviação e chegam a ser “donas” de alguns aeroportos. Em outras palavras, as companhias aéreas tendem a dominar o mercado da aviação civil em seus hubs, obtendo assim poder para determinar os preços das passagens. Sem concorrência, o preço sobe.

Afinal, essa prática está ou não de acordo com a lei? Claro que nós, passageiros, não vemos nenhuma ilegalidade nisso. Afinal de contas, pagamos por todo o voo, qual seria o problema de descer onde a gente bem entender? Por qual razão as companhias aéreas se importariam com o tempo em que o passageiro vai ficar sentado no assento, já que está pago mesmo?

De outro lado, as companhias aéreas argumentam que essa estratégia é ilegal, pois trabalham com esquemas de preços bem complexos e querem que os passageiros sigam essa lógica. A United, por exemplo, declarou que a referida prática viola as regras e que estão agindo para impedi-la e para proteger a maioria dos consumidores que compra as passagens de forma legítima. Por sua vez, um representante da Orbitz esclareceu que o Skiplagged desenvolveu uma tecnologia que permitia um link direto para o sistema de reservas do site Orbitz. Então, quando era identificado uma passagem com cidade escondida havia um botão de “reserve agora” que o consumidor clicava e que o direcionava para o Orbitz. Pediram que o Skiplagged desativasse esse link, o que foi negado. Em seguida, o Orbitz decidiu bloqueá-lo.

Por considerarem uma prática ilegal, a United e a Orbitz uniram-se para processar Zaman. Ao longo do processo, a Orbitz entrou em acordo com Zaman. Apenas a United seguiu como autora da demanda. Na sentença, restou decidido que a Corte de Illinois não tinha competência para julgar o caso, uma vez que Zaman não morava nem tinha negócios naquela cidade. Portanto, não entrou no mérito da questão.

Para ajudar financeiramente o Skiplagged a pagar todos os custos do processo, tais como honorários advocatícios e eventual condenação, foi criada uma página específica para isso, que informa sobre as atualizações relativas ao andamento processual. O pedido de condenação foi de U$$ 75.000,00. O valor que ultrapassasse esse montante seria doado para instituições de caridade. O fundo alcançou a quantia de U$$ 81.331,00, com doações realizadas por 3.920 pessoas em 38 meses. Quer conferir? Clique aqui.

Quem tiver mais interesse sobre o assunto, pode acessar o teor da petição aqui.

E você? Já usou essa estratégia? Conte nos comentários!